Céu Nossa Senhora da Conceição, "Xamã Gideon dos Lakotas", Alecrim

Alecrim

Rosmarinus officinalis

Rosmarinus officinalis

Nomes Populares: alecrim – de – jardim, alecrim – rosmarinho, libanotis.

Família: Labiatae.


Aspectos Agronômicos:
Reproduz-se  por sementes, divisão das touceiras, estacas da planta – mãe e mergulhia.
Prefere clima temperado ou quente, bastante luminosidade (exposição ao sol) e é sensível a ventos e temperaturas baixas. A qualidades aromáticas as melhores quando o solo é seco, pobre em nutrientes, leve e bem drenado.
A colheita do Alecrim deve ser iniciada antes ou tão logo se inicie também o período da floração intensa, a partir do segundo ou terceiro ano de vida da planta. Mas de cada planta só se deverá colher metade dos ramos com folhas, deixando os resultados para a manutenção da mesma.

Parte usada: Folhas e sumidades floridas.

Indicações e Usos: É uma erva de ótima qualidade como chá e tempero. Como tempero, além de dar um “realce” em certos pratos, tem também um importante papel na digestão dos alimentos. Como chá, o alecrim tem um sabor um pouco amargo e é quente, ou seja, tem uma ação fortificante e aquecedora sobre todo o organismo, particularmente o aparelho digestivo, revigorando, aumentando a disposição e a energia, agindo como um anti-depressivo nos casos de esgotamento físico e mental. Combate a diabetes e tem propriedades anti-reumáticas. Também ativa as funções do pâncreas e estimula a circulação. Externamente, serve para desinfetar feridas e ajudar na cicatrização. Como medicação, só se utilizam folhas de alecrim.

Ramos de alecrim fresco podem ser colocados em armários, junto às roupas, para repelir insetos.

Constituintes Químicos:

*óleo essencial contendo principalmente:
– pineno;
– confeno;
– cineol;
– borneol;
– acetato de bornila;
– cânfora;
– diterpenos.
*Possui também:
– ácidos orgânicos;
– saponina;
– traços de alcalóides;
– princípios amargos;
– taninos.

Origem: Regiões do Mediterrâneo.

Aspectos Históricos:
Nativo da região do Mediterrâneo, o alecrim é empregado na medicina natural desde a Antiguidade. Sua altura varia de 0,50 a 2m. As folhas pequenas e finas são verdes na parte superior e verde-acinzentadas na inferior. Elas exalam forte e agradável aroma. As flores, brancas e rosadas, são muito procuradas pelas abelhas.
O Alecrim foi utilizado por farmacêuticos desde a
antiguidade. Os gregos e os romanos tinham o alecrim com grande estima. Esta
planta não faltava em nenhum jardim medicinal no séc. XVI, sendo utilizado em
cosmética e, queimado, era usado como incenso para purificar o ar.

Com reputação de desenvolver a memória, tornou-se  emblema da fidelidade para os namorados.
Os espanhóis dizem que foi o alecrim que protegeu a Virgem Maria na sua fuga para o Egito e que, quando o seu manto roçava as flores brancas, estas iam ficando azuis.
Durante a peste, as pessoas carregavam ramos de alecrim na extremidade de paus e ao pescoço para os protegerem, quando passavam por áreas suspeitas.
O alecrim sido objeto, desde tempos remotos, de muitas lendas, atribuindo-se a ele poderes místicos. Por se supor que só crescia no jardim dos justos,e por ter fama de reforçar a memória,converteu-se em símbolo da fidelidade, da amizade e da recordação.Suas aplicações culinárias,cosméticas e medicinais,conhecidas desde a  Antiguidade , foram largamente difundidas durante a Idade Média e a Renascença.

Usos :

* Fitoterápico:
– Como tônico do sistema nervoso central, é indicado em casos de esgotamento cerebral, excesso de trabalho e depressão ligeira.

– Usado na atonia estomacal, falta de apetite e nos distúrbios intestinais, má digestão, azia.
– Escassez de bile, mal funcionamento da vesícula.
– Por suas propriedades colagogas é indicado em casos de cistite crônica e em hepatite.
– Debilidade cardíaca ( cardiotônico ).
– Hemorróidas.
– Tosses catarrais e espasmódicas.
– Em casos de amenorréia, dismenorréia e oligomenorréia.
– Exaustão física e intelectual
– Asma, coqueluche, gripe, fraqueza  e depressão.
– Externamente é indicada para dores reumáticas, contusões, entorses, articulações doloridas, feridas, aftas, eczema.

Óleo:
-Artrite
-Cansaço mental
-Estimulante do fígado e da vesícula biliar
-Fraqueza genérica
-Perda de memória

* Fitocosmético:
– Indicado como fortificante do couro cabeludo, como anticaspa e também contra a queda de cabelo.
– Pomada de ação analgésica.
– Para a pele – ativa a circulação e limpa profundamente.

Óleo:
-Cabelo e pele;
-Tônico capilar.

* Farmacologia:
É um tônico geral da circulação sanguínea e do sistema nervoso. Exerce sua ação principalmente em nível das paredes dos vasos,aumentando a irrigação periférica e a pressão arterial.
É ligeiramente diurético, estimulando as funções renais. Atua sobre a secreção biliar, como colagogo. O extrato hidroalcoólico das folhas induz, no rato, uma hipercolerese superior àquela provocada pelo extrato hidroalcoólico das sumidades floridas.
É digestivo, reduzindo a formação excessiva de gases e também auxiliando na digestão de gorduras. Possui também efeito hipotoprotetor  e uma atividade antiinflamatória, indicado em afecções reumáticas e articulares, demonstrado por Alcarez e Jimenez no teste da (carragenina).
Externamente estimula a circulação local e alivia as dores. Possui  ação antisséptica, inibindo o crescimento da salmonela, escherichia e estafilococos.No couro cabeludo,estimula a circulação e o crescimento capilar. Tem ainda ação anticaspa e previne a queda de cabelo.
Tem demonstrado ainda uma atividade notável e original na captura de radicais livres e inibe o mecanismo que conduz à hepatite tóxica. É também um
antilipoperoxidante e mantém constante a fluidez da membrana, assegurando uma
atividade enzimática máxima.

Riscos:
– A essência do Alecrim pode ser irritante para a pele.
– Não deve ser administrado no período de gravidez. (Em  altas doses, por via oral, é abortivo).
– O uso do alecrim durante a noite pode alterar o sono.
– Não se recomenda o uso para prostáticos e pessoas com diarréia.

Doses Utilizadas:

Fitoterápico

Uso Interno:
– infuso: 20g de planta por dois litros de água, tomar 2 a 3 xícaras ao dia.
– folhas secas:2 a 4g três vezes ao dia ou por infusão.
– extrato fluido em álcool 45%: 2 a 3 mL, três vezes ao dia.

Uso Externo:
– infuso a 5%.

Fitocosmético
– Xampus – até 5% de extrato.
– Loções capilares, dentifrícios – até 3% de extrato glicólico.
– Banhos estimulantes – até 10% de óleo essencial.

Bibliografia:
_Caran,M.Ervas Medicinais.Cultivo e Uso Prático.Plantas cultivadas e silvestres.[S.I.:s.n],[199-].
-Caribé,J.; Campos,J.M. Plantas Que Ajudam o Homem.São Paulo: Pensamento, 11ªedição,1999.
-Francisco,I.; Hertwig,V.Plantas Aromáticas e Medicinais. São Paulo: Ícone, 1986.
-Panizza,S. Plantas Que Curam.Cheiro de Mato. São Paulo:Ibrasa, 1998.
-Plantas Que Curam.A natureza a serviço de sua saúde.Rio de Janeiro: Três,v.1,nº2,[19–].
-Rose,J.O Livro da Aromaterapia.Aplicações e Inalações.Rio de Janeiro: Campus,1995.
-Sanguinetti,E.E. Plantas Que Curam. Porto Alegre: Rígel, 2ªedição, 1989.
-Teske,M.; Trenttini,A.M.M. Compêndio de Fitoterapia. Paraná: Herbarium,
3ªedição, 1997.