Céu Nossa Senhora da Conceição, "Xamã Gideon dos Lakotas", Arruda

Arruda

Ruta graveolens

Ruta graveolensNome Popular:
Arruda – comum, arruda – dos – jardins, arruda – fedorenta, ruta, ruta – de –
cheiro – forte, arruda – doméstica, erva- arruda.

Família: Rutaceae
Indicações e Usos: Informações médicas recentes desaconselham
totalmente o uso da arruda na medicina caseira, devido à alta toxicidade da planta. Ela serve para preparar medicamentos feitos por farmacêuticos, da medicina alopata ou homeopata. Ramos frescos da planta servem como repelente de pulgas, insetos e ratos.

Atenção: O chá de suas folhas é empregado em várias regiões brasileiras no combate às cólicas menstruais. E justamente para estes casos é preciso tomar muito cuidado, pois a arruda pode provocar hemorragias graves e por vezes até a morte. Assim, não deve ser de forma alguma consumida durante a gravidez.

Diz a crendice popular que a arruda tem o poder de combater o mau-olhado.

Aspectos Agronômicos:

Tem excelente adaptação às diversas condições climáticas. O plantio é feito por
meio de sementes, em sementeiras e logo depois transplantadas para local
definitivo ou propagação vegetativa. Já por  estaquia, as estacas demoram
de 2 a 2,5 meses para serem transplantadas. Aconselha-se sombreamento parcial
das plantas.
Ela desenvolve-se melhor em solos ricos em matéria orgânica e
permeáveis. A colheita  é feita entre seis e oito meses após plantio, e
duas vezes ao ano, antes da floração.

Pode chegar a 1,5m de altura. Tem muitos ramos e folhas ovais e pequenas, de cor
verde-acinzentado. As flores, de pétalas amarelo-esverdeadas, reúnem-se em
terminais. O fruto é uma cápsula onde ficam as sementes pardas e rugosas.

Parte Usada: Toda a planta

Constituintes Químicos:

– glicosídeos (rutina)
– lactonas aromáticas (cumarina, bergapteno,
xantotoxina, rutaretina e rutamarina)
– glicosídeos antociânicos
– alcalóides (rutamina, rutalidina, cocusaginina,
esquiamianina e ribalinidina)

metilcetonas (metilnonilatona)

flavonóides ( hesperidina)

rutalinio
– rutacridona

– terpenos (?- pipeno, limoneno,
cineol)
– ésteres
– psoraleno.

Origem:
A arruda é um arbusto, originário do sul da Europa e norte da África.

Aspectos Históricos:
No país, conquistou o título de erva purificadora, que limpa ambientes, atrai bons fluidos e afasta maus-olhados. Na Idade Média, acreditava-se que a arruda defendia as pessoas contra a peste negra.
Leonardo da Vinci e Michelangelo afirmavam que,
graças aos poderes metafísicos da arruda, o seu sentido criativo e a sua visão
interior melhoraram consideravelmente.
Com os ramos aspergia-se água benta sobre as
multidões. Era considerada uma importante defesa contra a peste negra. Os
ladrões que roubavam as vítimas da peste negra protegiam-se com o chamado “
vinagre dos quatro ladrões” , de cuja composição ela fazia parte,

Era também um dos principais
componentes da mitevidade, antídoto grego contra todos os venenos. Esta planta
apareceu nas armas da  Ordem do Cardo, escocesa,e inspirou o desenho do
naipe dos baralhos de cartas.
Ela é usada desde a antiguidade para proteger as
pessoas do mau olhado.

Uso:


* Fitoterápico:

– Normalização das funções do ciclo menstrual
(menstruação escassa).
– Fragilidade
dos capilares sanguíneos.
– Parasitas
(piolhos e lêndeas). Verminoses (oxiúros)
– Dores de ouvido. Varizes e flebite. Combate da
calvície.
– Asma brônquica, pneumonia
e cefaléia.
– Ansiedade e
insônia.
– Reumatismo, clerose,
paralisia e nevralgias.

Incontinências de urina e prisão de ventre.

* Farmacologia:
Tem ação emenagoga, sudorífica, anti –
helmíntica, anti – hemorrágica, abortiva, carminativa, antiespasmódica,
diaforética e estimulante.
A
rutina aumenta a resistência dos capilares sangüíneos, evitando sua ruptura e
blenorragia. Provoca uma leve contração de útero (ela congestiona este órgão),
estimula as fibras musculares, provocando-lhes a contração. Pode levar a
hemorragia grave.

Riscos:
– Seu uso durante a gravidez é contra –
indicado.
– O seu uso externo por
pessoas com pele sensível é contra – indicado.
– Pode levar a hemorragia em mulheres grávidas,
provocando o aborto.

Dose Utilizada:


* Fitoterápico:

– Infusão: 2 a 3g de folhas secas em 1 litro de água.
Ingerir 2 xícaras (chá) por dia.

Vermífugo: 20g de arruda para 1 litro de azeite comestível. Ingerir 2 a 3
colheres (chá) por dia.
– Tintura: 1
copo de folhas frescas picadas em 1 litro de álcool (contra sarna).

– Cataplasma: varizes e flebite.

– Decocção: utilizar 100g de planta fresca em
½ litro de água. Fazer lavagem nos olhos.

Bibliografia:
-Martins,E.R.; Castro,D.M.; Castellani,D.C.;
Dias,J.E.  Plantas Medicinais. Viçosa: UFV, 2000, p.77 – 79.

-Teske,M.; Trenttini,A.M. Compêndio de
Fitoterapia. Paraná: Herbarium, 3ª edição, abril 1997, p. 46-47.

-Panizza,S. Cheiro de Mato. Plantas Que
Curam. São Paulo: Ibrasa, 1998, p.34-35.
-Côrrea,A.D.; Batista,S.R.; Quintas,L.E.M. Do cultivo à
terapêutica. Plantas Medicinais. Petrópolis: Vozes, 1998, p.80-81.

-Vieira,S. Fitoterapia da Amazônia. São
Paulo: Agronômica Ceres, 2ª edição, 1992, p.55.
-Júnior,C.C.; Ming.L.C.; Sheffer,M.C. Cultivo de
Plantas Medicinais, Condimentares e Aromáticas. Jaboticabal: Unesp/Funep, 2ª
edição, 1994. p.82.
-Balmé,F. Plantas
Medicinais. São Paulo: Hemus, 5ª edição, p.66-67.
-Sanguinetti,E.E. Plantas Que Curam. Porto Alegre:
Rígel, 2ª edição, 1989, p.55.
-Balbach,A. As Plantas Curam. Itaquaquecetuba: Vida
Plena, 2ª edição, 1992, p. 56-57.
-Bremness,L. Plantas Aromáticas. São Paulo:
Civilização, agosto de 1993, p. 79.