Céu Nossa Senhora da Conceição, "Xamã Gideon dos Lakotas", Capim limão

Capim limão

Cymbopogon citratus

Cymbopogon citratus

Nome Popular: Capim – cidreira, capim – cidró, capim – limão, erva – cidreira, capim – de – cheiro, chá – de – estrada, citronela, capim – cheiroso, capim – cidrilho, patchuli, capim – catinga, capim
– ciri, grama – cidreira, capim – cidrão, capim – santo, falsa – cidreira.

Família: Gramineae

Aspectos Agronômicos:  Planta resistente à diversidade de solo e clima, porém prefere climas quentes e úmidos com chuvas bem distribuídas e temperatura média elevada.
As mudas são formadas por divisão de touceiras e plantadas, durante todo o ano, no espaçamento de 0,5 X
1,0 m, em covas adubadas organicamente, recomenda-se uma adubação de esterco de
curral ou composto orgânico e esterco de ave, repetida anualmente. É uma planta
perene e pode ser colhida após o sexto mês do plantio, duas vezes ao ano. Pode
ser plantado em curvas de nível, para ajudas a conter a erosão.

Origem: Índia, tendo sido trazida pro Brasil pelos colonizadores.

Aspectos Históricos:

Na Ásia o chá de suas folhas é muito usado como febrífugo e as raízes eram
usadas mastigadas ou friccionadas nos dentes para clareá-los.
É conhecida
na Índia pelo vocábulo não traduzido lemongrass, deve o seu nome ao intenso
aroma de limão. Durante a II Guerra Mundial houve expansão da cultura noutros
países, em especial na América e África.

O gênero Cymbopogon conta com 56 espécies de gramas perenes, ocasionalmente anuais, aromáticas que ocorrem nas regiões tropicais e temperadas mornas da Eurasia. Cymbopogon citratus ocorre em savanas na Índia meridional e Sri Lanka. Como Cymbopogon citratus, várias outras espécies também são cultivadas devido aos seus óleos que são importantes na perfumaria, inclusive Cymbopogon nardus e Cymbopogon flexuosus (capim limão da Índia oriental).

Estas gramas aromáticas contêm grandes quantidades de citral e geraniol que são aromas respectivamente limão e rosa. Cymbopogon martinii (palmarosa), nativa da Índia, é uma espécie importante porque é uma fonte de óleo de gerânio e é usado em conjunto com o óleo essencial de rosa em perfumes, sabões e repelentes de inseto; Cymbopogon martinii, var. sofia (capim gengibre) tem um aroma mais rústico; Cymbopogon flexuosus (capim limão da Índia Oriental) de onde é retirado o óleo de capim-limão usado para aromatizar alimentos; Cymbopogon nardus (citronella) que cresce no Sri Lanka e também em Java é fonte para obtenção do óleo de citronella, semelhante em fragrância e propriedades à Melissa officinalis.

Cymbopogon citratus (capim limão) é uma planta perene que forma uma aglomeração robusta (touceira) como as de cana, mas em uma escala menor. As folhas são lineares, de até 90 cm de tamanho, e têm aroma de limão. No verão aparecem insignificantes panículas em espigas nas plantas silvestres, entretanto raramente nas de cultivos.

As partes usadas são as folhas, hastes e o óleo. Os talos são cortados ao nível do solo e usados frescos para extração de óleo, infusões e uso culinário. São secados para fabrico de polvilho. É uma erva amarga, aromática, refrescante, que aumenta transpiração e alivia espasmos. Também é efetiva contra infecções fungais e bacterianas.

A erva é usada medicinalmente, interiormente para problemas digestivos nas crianças e enfermidades febris secundárias, externamente para piolhos, problemas de pele, pé de atleta e sarna. Na arte culinária asiática, as folhas frescas são usadas como tempero, especialmente com peixe e carne. São feitas infusões das folhas frescas para chás. O óleo é usado em perfumes, sabões, hidratantes de cabelos, cosméticos, e como aromatizante na indústria alimentícia. Com suas folhas, prepara-se um chá de ação relaxante muito indicado para insônia, diminuindo a ansiedade, bem como um excelente tônico depurativo nos estados gripais. É utilizado como calmante, antiespasmódico, sudorífico e diurético. Por estimular a transpiração, ajuda a baixar a febre. Esta erva também diminui os gases intestinais e facilita o trabalho do aparelho digestivo. Acalma espasmos, histerias e outras perturbações nervosas. Atua como auxiliar nas afecções das vias urinárias. Batido no liquidificador, cru, com água gelada, é um excelente refresco nos dias muito quentes, para tirar o desânimo causado pelo próprio calor. Há informações de que causa a queda de pressão sanguínea.

Por estimular a lactação, o capim limão é indicado para gestantes e lactantes.

Parte Utilizada:  Folhas

Constituintes Químicos:

-Óleo essencial contendo: 75 a 85% de citral
e seus isômeros geranial e neral, vários aldeídos como citronelal,
isovaleraldeído e decilaldeido; cetonas; álcoois como geraniol, nerol, heptenol,
farnesol, terpenos como depenteno e micerno.
-Constituintes fixos da parte aérea: flavonóides,
substâncias alcalóidicas, uma saponina esteródica, beta-sitosterol;
n-hexacosanol e n- triacontanol, triterpenóides isolados da cera que recobre as
folhas, o cimbopogonol e cimbopagona.

Uso:


* Fitoterápico:

Tem ação: Excitante gástrico, sedativo, carminativo, emenagoga,
analgésico, antitérmico, antibacteriana quando usada externamente,
antiespasmódicas.
Uso Interno:
Indicado em insônias, nervosismo, dores de cabeça, flatulências, cólicas
abdominais, reumatismo, dores estomacais, diarréias, afecções febris, disfunção
gástrica.
Uso Externo: Repelente de
insetos.

* Farmacologia:
O capim limão diminui a atividade motora,
aumentando o tempo de sono, é um regulador vago simpático. O citral tem efeito
antiespasmódico, tanto no tecido uterino como no intestinal.
É analgésico e combate o histerismo e outras
afecções nervosas, propriedade devido ao mirceno. A atividade antibacteriana
está associada também ao citral.
O extrato da planta, no duodeno do coelho,
demonstrou a diminuição do tênus abdominal e no reto abdominal, havendo o
bloqueio da acetilcolina.

Riscos: Não há referências na
literatura consultada.

Uso Interno: Infuso: 20g de folhas em 1 litro de
água, 4 a 5 xícaras ao dia.
Obs: Seu
uso durante a gestação é recomendado, pois atua como estimulante lácteo.

Bibliografia:
-Bremness,L. Plantas Aromáticas. São Paulo:
Civilização, agosto 1993, p.193.
-Caribé,J.; Campos,J.M. Plantas Que Ajudam o Homem. São
Paulo: Pensamento, 11ª edição, 1999, p. 143.
-Côrrea,A.D.; Batista,R.S.; Quintas,L.E.M. Plantas
Medicinais. Do cultivo à terapêutica. Petrópolis: Vozes, 1998, p.98-99.

-Júnior,C.C; Ming,L.C.; Scheffer,M.C. Cultivo
de Plantas Medicinais, Condimentares e Aromáticas. São Paulo: Unesp/Funep, 2ª
edição, 1994, p. 89.
-Martins,E.R.;
Castro,J.M.; Castellani,D.C.; Dias,J.E. Plantas Medicinais. Viçosa: UFV, 2000,
p.95-96.
-Matos,F.J.A. Farmácias
Vivas. Fortaleza: UFC, 3ª edição, 1998, p. 91-92.
-Panizza,S. Cheiro de Mato. Plantas Que Curam. São
Paulo: Ibrasa, 1998, p.61-62.
-Sanguinetti,E.E. Plantas Que Curam. Porto Alegre:
Rígel, 2ª edição, 1989, p.76.
-Teske,M.; Trenttini,A.M.M. Compêmdio de Fitoterapia.
Paraná: Herbarium, 3ª edição, 1997, p. 75-76.