Céu Nossa Senhora da Conceição, "Xamã Gideon dos Lakotas", Catinga-de-Mulata

Catinga-de-Mulata

Tanacetum vulgare

Características: Planta vivaz, com caule ereto de até 90 cm de altura. Folhas divididas em inúmeros folíolos dentados e aromáticos. Numerosas flores amarelas. Difundida por toda a Europa, exceto na região mediterrânea. A catinga-de-mulata se adaptou muito bem na América do Norte e pode ser encontrada em diversas regiões do Brasil. É uma planta muito bonita, que ao florescer gera lindos cachos amarelos, funcionando também como espécie ornamental.

Indicações e Usos: Na medicina popular, esta erva também é conhecida como erva-dos-vermes e, desta forma, percebe-se que, tradicionalmente, a sua virtude medicinal que se reconhece é a anti-helmíntica. A catinga-de-mulata tem a propriedade de paralisar os vermes intestinais (lombrigas e oxiúros), e embora não chegue a matá-los, facilita a sua expulsão se em seguida é ingerido um purgante. Também é emenagoga, provocando e regularizando a menstruação. No Brasil, esta planta é muito utilizada para repelir insetos. Trata-se de um inseticida natural. Muitas vezes, as pessoas plantam-na em volta da casa para afastar os insetos em geral. No uso dermatológico, esta erva pode ser utilizada tanto para eliminar furúnculos, como para clarear manchas de pele.

color=red>Atenção: Em doses elevadas, pode provocar vômitos e convulsões. Mulheres grávidas não devem fazer uso desta erva, por suas propriedades emenagogas.

O nome catinga-de-mulata deve-se ao forte perfume que esta planta exala.