Céu Nossa Senhora da Conceição, "Xamã Gideon dos Lakotas", Equinácea

Equinácea

Echinacea purpurea

Echinacea purpurea Nove espécies perenes, robustas, rizomatosas, compõem o gênero Echinacea que é nativo dos E.U.A. oriental. Echinacea purpurea é uma de várias espécies, que inclui Echinacea pallida e Echinacea angustifolia, usadas por nativos norte-americanos, principalmente para tratar feridas. Em particular, as tribos das planícies consideraram a Echinacea angustifolia como uma verdadeira panacéia. Esta planta fez parte do repertório Nacional norte-americano (1916-50). Estas três espécies têm componentes semelhantes e são usadas de forma intercambiável. Echinacea purpurea é a mais amplamente usada, sendo também cultivada muito mais facilmente. É considerada o desintoxicante mais efetivo entre os medicamentos ocidentais para os sistemas circulatório, linfático e respiratório, tendo sido adotada na medicina Ayurvédica.

A Echinacea dá uma exibição multicolorida do meado do verão para o início do outono, e são fáceis de cultivar. O nome genérico Echinacea vem do grego echinos, “ouriço” e se refere à seqüência espinhosa no cone central da flor. As folhas da Echinacea purpurea são ovais-lanceoladas e suas flores são como margaridas com centros cônicos de cor laranja-marrom, elas ocorrem no verão e início do outono. A pesquisa e cultivo desta espécie ocorreu após a importação de sementes pela companhia herbária alemã Madaus em 1939.

As partes usadas são as raízes e os rizomas. É uma erva amarga, ligeiramente aromática, com variações, que estimula o sistema imune, promove a cura em geral e tem propriedades anti-viral e anti-bacteriana.

A erva é usada medicinalmente, internamente para doenças de pele, infecções por fungos, septicemia, gangrena, furúnculos, abscessos, feridas de difícil cura, infecções da área respiratórias superior e doenças venéreas. O excesso de consumo causa irritação de garganta. Externamente para herpes, acne, psoriasis e danos causados por infecções. Freqüentemente combinado com Hypericum perforatum para herpes, com Arctium lappa para furúnculos e com Baptisia tinctoria ou Commniphora myrrha para infecções na garganta.