Céu Nossa Senhora da Conceição, "Xamã Gideon dos Lakotas", Funcho

Funcho

Foeniculum vulgare

Foeniculum vulgare

Nome Popular:Erva – doce, fiolho de florema, fiolho doce, erva – doce – de – cabeça,
finochio, funcho – doce.

Família: Umbelliferae.

Características: O funcho é originário da região do Mediterrâneo, norte da África e oeste da Ásia. Também conhecido como anis-doce ou maratro, foi introduzida no Brasil pelos primeiros colonos europeus, tamanha a importância medicinal que lhe atribuíam. De caule ereto, ramoso, dá pequenas flores amarelas e pode chegar a 2m de altura. Existem várias espécies e variedades de funcho, cujas sementes variam muito de sabor. É muito confundido com o anis, porque ambos recebem, em diferentes regiões, o nome de erva doce.

Indicações e Usos: Suas folhas são muito ricas em fibras (material importante para o bom funcionamento intestinal) e podem ser consumidas como verdura, em saladas cruas; contém boa quantidade de vitamina C, cálcio, fósforo e ferro, e doses menores de vitamina B. As folhas do funcho têm uma ação especial sobre as secreções das glândulas, notadamente sobre a formação de leite. Estimula a digestão impedindo a formação de gases intestinais. Considerada uma verdura “leve”, é indicada em todos os processos inflamatórios do estômago e intestinos. Também tem uma ação diurética. Suas sementes – que chamamos equivocadamente de “anis” – têm sabor doce, quase picante, e são muito usadas em bolos, doces, pães e licores. O chá das sementes tem um suave efeito expectorante (elimina catarros e secreções), combate cólicas e gases e ativa a formação do leite materno. No período da amamentação, esta erva estimula a produção de leite.

Mastigar sementes de funcho perfuma o hálito.

 

Aspectos Agronômicos: O funcho se propaga pela semente, a qual
normalmente é plantada no local definitivo da cultura.
Ele não deve ser cultivado perto de Coentro pois estas
duas plantas se cruzam com facilidade e resultam em sementes de péssimas
características aromáticas e sem as qualidades medicinais necessárias.

Em certos países o funcho se multiplica pela
divisão de raízes, ou dos falsos – bulbos.
A planta vegeta bem em climas temperados, frios e
tropicais. Na verdade pode produzir bem em climas de boa radiação solar e
relativamente quentes. O ideal seria climas amenos.
O funcho prefere solos férteis, bem ensolarados,
soltos, leves, capazes de serem convenientemente drenados, areno-argilosos, ou
menos arenosos. Ele não se desenvolve em solos argilosos duros.
Não se deve colher com os frutos secos, pois, em razão
da queda destes, há muita perda.

Parte Utilizada: Fruto, folha e
raiz.

Constituintes Químicos:

-Frutos: 10 a 18% de óleo graxo: ácidos
oléico, linoléico, palmítico e petroselínico.
-Óleo essencial 1,5 a 6%: Funchona (20%), anetol (50 a
87%), limoneno, ? – pineno, foeniculina.
-Açúcares: 4 a 5%.
-Mucilagens, pectinas, taninos.
-Ácidos clorogênicos e caféico.
-Flavonóides, sais minerais, matérias protéicas.

-Folhas: flavonóides derivados da
quercetina.
-Raízes: óleo essencial
(0,12%).
-Ácidos orgânicos: málico,
cítrico, cumário, cinâmico, ferrúlico, quínico.
-Sais minerais, compostos fenólicos, cumarinas,
hidrocarbonetos terpênicos.

Origem: Regiões próximas ao
Mediterrânio.

Aspectos Históricos: O funcho é uma das ervas cultivadas mais antigas,
e era muito apreciada pelos Romanos. Por isso, os gladiadores ferozes e rudes
misturavam-no na sua ração diária, e aqueles que eram vencedores levavam uma
coroa de funcho.
Quando
participavam em muitos banquetes, os guerreiros romanos comiam funcho para se
manterem de boa saúde, enquanto as damas romanas o ingeriam para combater a
obesidade. Toda planta da semente a raiz é comestível.
Era uma das nove ervas sagradas para os Anglo –
Saxões, devido aos seus poderes contra o mal. Além disso, tem propriedades
curativas. Em 812 d.C., Carlos Magno declarou que o funcho era essencial em
qualquer jardim imperial.

Uso:


* Fitoterápico:

Tem ação: carminativo, antiespasmódico, tônico,
galactogogo, expectorante, emenagogo, estomáquico, estimulante, purificante,
antiinflamatório, rubefasciente, aromático.
Indicado em:
-dismenorréia;
-dores musculares e reumáticas;
-anorexia;
-bronquite e tosses;
-distúrbios urináriuos;
-problemas oculares: conjuntivite, inflamações;

-distúrbios digestivos: dispepsias,
flatulências, cólicas, diarréias, azia, vômitos.
-estimulante de secreção láctea.
-males dos rins.

* Farmacologia: Devido aos óleos voláteis que contém, atua no
aparelho digestivo, relaxando a musculatura estomáquica, aumentando o
peristaltismo intestinal  e reduzindo a produção de gases.
Favorece a secreção brônquica, removendo o
excesso de muco do aparelho respiratório. Age prevenindo espasmos e cólicas do
organismo. Estimula as funções biológicas. Seu teor em sais de potássio
conferem-lhe propriedades diuréticas. Favorece a secreção láctea, sendo muito
útil na amamentação.
Estimula a
dilatação dos capilares, aumentando a circulação cutânea. Em altas doses
estimula o fluxo menstrual.


Uso Interno:

Frutos secos: 0,3 a 0,6g, três vezes ao dia por
infusão.
Extrato fluido em 70% de
álcool: 0,8 a 2mL três vezes ao dia.
Sementes: infuso: 10g em 1 litro de água fervente.
Tomar 3 a 5 xícaras ao dia.
Pó: 0,5 a
1,0g, três vezes ao dia.
Tintura: 1 a
5mL por dose.
Essência: 1 a 10 gotas
em solução alcoólica, 2 vezes por dia.
Raiz: decocto: 25g em 1 litro de água. Tomar 3 xícaras
ao dia, no tratamento oligúria e gota.
Folhas: infuso: 30g por litro de água. Tomar 1 copo
antes das refeições.
Vinho medicinal
(tônico): mascerar por dez dias 30g de sementes em 1 litro de vinho. Coar e
tomar 1 cálice antes dormir.

Uso Externo:
Folhas: cataplasma
Óleo essencial: dentifrícios: como fortificante das
gengivas.
Linimento: para dores
musculares e reumáticas.
Sementes:
banhos e vaporizações faciais.
Compressas do infuso nas inflamações oculares.

Bibliografia:
-Balbach,A. As Plantas Curam. Itaquaquecetuba: Vida
Plena, 2ªedição, 1993, p. 120.
-Bremness,L. Plantas Aromáticas. São Paulo:
Civilização, 1993, p. 43.
-Corrêa,A.D.; Batista,R.S.; Quintas,L.E.M. Do Cultivo à
Terapêutica. Plantas Medicinais. Petrópolis: Vozes, 1998, p.133-134.

-Francisco,I.; Hertwig,V. Plantas Aromáticas
e Medicinais. São Paulo: Ícone, 1986, p. 266-273.
-Júnior,C.C.; Ming,L.C.; Scheffer,M.C. Cultivo de
Plantas Medicinais, Condimentares e Aromáticas. Jaboticabal: Funep/Unesp,
2ªedição, 1994, p. 97.
-Martins,R.E.;
Castro,D.M.; Castellani,D.C.; Dias,J.E. Plantas Medicinais. Viçosa: UFV, 2000,
p. 129-130.
-Panizza,S. Cheiro de
Mato. Plantas Que Curam. São Paulo: Ibrasa, 1998, p.109-110.
-Sanguinetti,E.E. Plantas Que Curam. Porto Alegre:
Rígel, 2ªedição, 1989, p.122-123.
-Teske,M.; Trenttini,A.M.M. Compêndio de Fitoterapia.
Paraná: Herbarium, 3ªedição, 1997, p. 136-138.