Céu Nossa Senhora da Conceição, "Xamã Gideon dos Lakotas", Grande Burnet

Grande Burnet

Sanguisorba officinalis L.

Sanguisorba officinalis Esta bela planta dos prados se encontra nos pastos úmidos ou moderadamente secos desde os Alpes até a Noruega.

Esta planta, apesar de ser uma rosácea, desempenha o papel de uma gramínea. A partir de uma vigorosa raiz marrom nasce um breve rizoma que emite uma roseta de folhas longamente pecioladas e penadas, com uma bela forma rítmica. A inflorescência ascende, com uma haste nua e rígida, portadora apenas de algumas folhas reduzidas. Haste essa, que se bifurca numa determinada altura, produzindo dessa maneira algumas hastes laterais. Na ponta de cada uma das hastes iremos encontrar uma curta espiga de flores de coloração marrom avermelhado, extremamente recortadas, compostas de cinco a dez pequenas flores de estrutura quaternária, O calículo e as pétalas desapareceram; existem na flor apenas quatro estames e um carpelo. Sua irmã menor, a Sanguisorba minor é, tal como as gramíneas, anemófila, ou seja, polinizada pelo vento. É interessante que tal planta cresça entre as gramíneas, florescendo junto com elas. O carpelo, ao amadurecer, é envolvido pelo cálice que persiste e endurece. Finalmente ele adquire uma estrutura semelhante a asas e se deixa levar pelo vento. A planta é rica em tanino, mas a adstringência se torna um pouco mais branda nas folhas.

A sanguisorba é eminentemente hemostática (impede que o sangue continue jorrando do ferimento), e foi empregada na medicina em todos os casos onde não apenas o sangue, mas todos os outros líquidos do organismo não conseguiam mais se limitar de maneira suficiente com a parte de fora do organismo, com o meio exterior, pois o corpo etérico, nestes domínios, recebe do corpo astral poucas forças formativas e tonificantes. O sangramento do estômago, do intestino, do pulmão, a menorragia, os sangramentos dos miomas, as varizes, as hemorróidas por um lado, o catarro intestinal e a diarréia por outro lado, encontram nessa planta enérgica um remédio para tal relaxamento. O principal portador desta força é o tanino, pois esta substância favorece uma vigorosa ligação do corpo astral com o corpo etérico e o organismo dos líquidos que adquirem, por essa razão, muito mais tonicidade, restabelecendo o “tônus” do organismo.