Céu Nossa Senhora da Conceição, "Xamã Gideon dos Lakotas", Imperatória

Imperatória

Peucedanum ostruthium W.D.J. KOCH

Peucedanum ostruthium Esta planta habita os Pirineus e os Alpes. Ela cresce nos prados e nos planaltos de altitude, junto aos cursos de água que escorrem das geleiras junto às rochas, às margens dos riachos, medrando entre 1.500m e 2.700m. Esta planta estabelece um confronto entre a rocha fragmentada, esmigalhada, e penetrada de água, por um lado, e por outro lado entre o ar e a luz das alturas. Suas folhas são grandes e profundamente trilobadas, de coloração verde-dourada. Elas sombreiam o chão úmido onde cresce a planta. As umbelas, ricas em flores, pairam por cima da planta como uma nuvem aérea. Os frutos (aquênios) possuem uma margem larga, alada e pequena. Uma raiz se forma em primeiro lugar, e ela é vigorosa, longa e profunda. Para essa planta poder viver, é necessário um clima fresco bastante longo, pois nas regiões onde o Peucedanum vive, a neve persiste até o mês de junho, e depois ocorre uma lenta evaporação das águas da neve e da chuva, seguida de um aquecimento progressivo. Esta longa sístole é sucedida por uma diástole.

Tem lugar uma irradiação breve, porém enérgica, através da floração e frutificação. A raiz possui um gosto acre, amargo, porém queimante e aromático ao ser macerada. Ela contém, principalmente na primavera, bastante látex esbranquiçado que se torna amarelo quando exposto ao ar. Toda a planta é muito rica em óleos etéricos (essências) que contêm limoneno, felandreno e pineno; contêm também princípios amargos e taninos..

A Imperatória era considerada na Idade Média “a mais nobre das ervas”. Era tida como tônico estomacal, estimulante das glândulas digestivas e salivares e estimulava até o intestino; além disso era reputada como sudorífico, diurético intenso e expectorante. Por outro lado, ela era tida como anti-espasmódica para o estômago e para o útero. Também era utilizada na asma e no catarro brônquico. Além disso era utilizada contra a Epilepsia e o delirium tremens. Esta planta era empregada como preventivo nas epidemias de peste e utilizada como vulnerário que impedia a supuração das feridas e combatia o envenenamento do sangue. Encontramos mais uma vez reunidas as propriedades já conhecidas das Umbelíferas com uma característica especialmente forte e aromática.