Céu Nossa Senhora da Conceição, "Xamã Gideon dos Lakotas", Jurubeba-falsa

Jurubeba-falsa

Solanum variabile Mart.

Solanum variabile Solanum variabile é uma planta nativa na Região Meridional do Brasil e regiões limítrofes dos outros países. No Brasil é relatada a ocorrência de Minas Gerais ao Rio Grande do Sul, com maior intensidade na Região Sul, sendo muito freqüente nos estados do Rio Grande do Sul e Santa Catarina com grande ocorrência nas beiras de estradas. A origem do nome vem do adjetivo latino “variabile”, variável, pela grande variabilidade na planta em geral, particularmente no formato das folhas e no tipo de pêlos. Os principais nomes vulgares são: Velame, Jurubeba-velame, Velame-de-capoeira, Jurubeba-falsa, Juveva, Jupicanga.

Solanum variabile é uma planta perene, reproduzida por semente, sendo comum a ocorrência de povoamentos intensos, nos quais a espécie se torna quase exclusiva. Aceita solos pobres e ácidos, sendo encontrada com maior freqüência em locais úmidos, mas também ocorrendo em terrenos elevados. Aprecia boa iluminação. É uma planta arbustiva ou arbórea, podendo atingir 3m de altura. Desarmada ou com poucos espinhos pequenos. Indumento de intensa pilosidade nas partes novas dos ramos e nas folhas, com pêlos de coloração ferruginea. Caule ereto, geralmente pouco ramificado com esparsos espinhos curtos. Folhas alternas, pecioladas, lanceoladas com muitas variações; coloração verde a ferrugínea por causa de intensa pilosidade com essa coloração. Inflorescência terminal ou subterminal, em cimeiras com pedúnculos e pedicelos pilosos. Flores com cálice com pêlos estrelados e amarelados. Corola ampla e branca. Anteras estreitas de coloração amarela. Fruto é um Solanídio globoso de coloração variegada quando jovem e amarela quando maduro. Os frutos se desprendem na maturação e liberam as sementes por decomposição de seus tecidos. Cada fruto encerra cerca de 10 sementes.