Céu Nossa Senhora da Conceição, "Xamã Gideon dos Lakotas", Leonurus

Leonurus

Leonurus cardiaca

Leonurus cardiaca Leonurus cardiaca é uma planta asiática que medra nos escombros. Na Europa, ela cresce ao longo das cercas e vegeta nos prados secos. Esta planta se abstém de separar a gênese floral da gênese foliar, tal como acontece no marrubiun, fazendo com que a gênese floral desça até o domínio rítmico, típico do elemento foliar. Os falsos verticilos das flores vermelhas, em forma de bocas abertas, brotam junto à insersão das folhas com o caule; os nós se superpõem uns aos outros, até uma grande altura. A própria folha é mais artisticamente cinzelada que na maioria das labiatas: ela se divide em lobos triangulares. Essa planta é debilmente aromática, seu odor é levemente desagradável. Seu gosto é muito amargo.

Segundo esta descrição, a ação terapêutica se destaca do sistema metabólico e se orienta em direção ao sistema rítmico. Sem dúvida fazem parte de suas numerosas indicações a amenorréia, a dismenorréia, a esterilidade e os transtornos da menopausa; o essencial nesta planta é o fato dela fornecer algum auxílio nas palpitações cardíacas, na angústia cardíaca, na dispnéia, na debilidade cardíaca com diminuição do pulso, na angina do peito, na opressão cardíaca causada pelo sistema metabólico, e nos sintomas de Romheld.

N.T. Em São Paulo é muito comum encontrarmos espécies de Leonurus, incluindo Leonurus sibiricus que também é medicinal, crescendo em terrenos e nos canteiros das avenidas.