Céu Nossa Senhora da Conceição, "Xamã Gideon dos Lakotas", Lírio-dos-vales

Lírio-dos-vales

Convallaria majalis L.

Convallaria majalis Há três espécies de plantas perenes rizomosas no gênero Convallaria, que ocorrem nas regiões temperadas do norte. A origem do nome vem do latim “convallis”, vale, e se refere ao hábitat natural da planta, enquanto majalis significa o tempo de florescimento que ocorre no mês de maio.

Convallaria majalis, Lírio-dos-vales ou Lírio-de-maio, é uma planta herbácea perene dotada de uma rede subterrânea de rizomas emaranhados que produzem, na Primavera, folhas pecioladas, em seguida uma haste floral apresentando um cacho de flores campanuladas brancas. Os frutos são bagas encarnadas. Toda a planta é tóxica. A espécie está difundida na Europa, Ásia e América, crescendo sempre na sombra de florestas ou bosques escuros. É bastante cultivada e em muitas partes da Europa ela chega a ser mais comum em jardins que no estado selvagem.

São colhidas as cimeiras ou, mais freqüentemente, as folhas (Herba, Folium convallariae). São secadas em camadas finas, num local seco e bem arejado ou num secador a 60°C. Depois de estarem secas são verde-claras, inodoras, com gosto amargo. Contêm glicosídeos venenosos como o convalósido, convalotoxina, uma saponina, a convalarina, etc. O óleo volátil é rico em farnesol. O conjunto da produção de lírios-dos-vales é tratado pelas indústrias farmacêuticas, que isolam os diferentes glicosídeos constituintes a partir da matéria-prima em bruto, integrando-os depois, segundo doses exatamente determinadas, em remédios prescritos exclusivamente pelo médico. Estes são usados sobretudo no tratamento de doenças cardíacas, pois estimulam o ritmo do coração e a respiração (cardiotônicos). Certos componentes são também laxantes e eméticos.

O uso de Convallaria majalis como erva medicinal data de muito tempo atrás, pelo menos remontando ao segundo século DC, quando foi descrito em um herbário escrito por Apuleius. Uma pesquisa revelou o alcance e efeitos de seus componentes que aumentaram sua importância. C. majalis é semelhante em ação às espécies Digitalis, mas é menos cumulativo e então mais seguro para pacientes idosos.

Os extratos perfumados tirados das flores do lírio-dos-vales são largamente usados na indústria de perfumes e cosméticos e rapés. Os frutos vermelhos estão por vezes na origem de intoxicações nas crianças. Os venenos provocam paralisia do centro respiratório e é indispensável recorrer urgentemente a um médico.