Céu Nossa Senhora da Conceição, "Xamã Gideon dos Lakotas", Mezereão

Mezereão

Daphne mezereum L.

Daphne mezereum Cerca de cinqüenta espécies de arbustos decíduos e perenes pertencem ao gênero Daphne que ocorre na Europa, África do Norte e Ásia. Daphnes são arbustos escolhidos para obtenção de madeira para confecção de caixilhos, pequenos batentes e recipientes, embora certas espécies, como a chinesa Daphne genkwa, sejam de difícil crescimento. Daphne é o termo grego para loureiro, talvez assim chamado porque algumas espécies tem folhas parecidas com as dos loureiros; na mitologia grega, a ninfa Daphne foi salva dos assédios de Apollo tendo se transformada num loureiro.

Daphne mezereum é um arbusto baixo com ramos cinzentos, crescendo nos bosques desde a planície até à montanha. Floresce cedo na Primavera, em cachos de flores rosa ou brancas e odoríferas; as folhas alongadas só aparecem depois da floração. Os frutos são bagas vermelhas. É uma espécie espontânea numa grande parte da Europa e da Ásia; tornou-se rara em numerosos países, onde é protegida por lei. Toda a planta é extremamente venenosa: o seu nome específico deriva do termo “maze-riyn”, matar. Sob o ponto de vista médico, o mezereão é usado para acalmar as cefaléias e as dores de dentes.

Daphne genkwa Daphne genkwa é um arbusto decíduo ereto, escassamente ramificado, com folhas lanceoladas ou ovais de coloração verde-claro. Agrupamentos de flores ligeiramente fragrantes, lilás aparecem nas axilas antes das folhas novas aparecerem.

Várias espécies têm propriedades terapêuticas. Daphne mezereum contém combinações tóxicas semelhantes às de Daphne laureola e Daphne gnidium. Estas espécies estão sendo atualmente investigadas por efeitos anti-leucêmicos. Daphne genkwa foi descrita pela primeira vez na literatura médica chinesa em 25 DC, baseado em textos que remontam a 1500 AC.

Colhe-se a casca, que deve ser retirada de ramos razoavelmente fortes no princípio da Primavera. É atada em feixes e suspensa para a secagem. Esta colheita deve ser feita em locais determinados e em escala limitada para não destruir as plantas. A casca contém alcalóides tóxicos, a dafnina e a mezereina. Estas substâncias são irritantes, rubificantes e vesicantes se o seu uso for prolongado. A dafnina é também alucinogéna. É uma erva amarga, picante, que controla tosses, e tem efeitos germicida, diurético, expectorante e laxativo. Antigamente, embora raramente, era prescrita como revulsivo ligeiro no tratamento de reumatismos e úlceras indolentes. Era também usada internamente para bronquite, constipação, edema e doenças de pele (especialmente sarna); e usada em hospitais chineses como um droga abortífera. Hoje a erva já não é mais considerada segura. Pomadas e ungüentos só devem ser aplicados sob vigilância médica.

Os envenenamentos por bagas vermelhas são freqüentes, sobretudo em crianças. Manifestam-se por ardores na garganta, vômitos, hemorragias. Chamar imediatamente o médico.