Céu Nossa Senhora da Conceição, "Xamã Gideon dos Lakotas", Pulmonária-oficinal

Pulmonária-Oficinal

Pulmonaria officinalis L.

Pulmonaria officinalis O gênero Pulmonaria consta de 14 espécies de plantas perenes robustas, rizomatosas, de lento crescimento, nativas em bosques da Europa, Ásia e oeste da América do Norte. A origem do nome vem do latim “pulmo”, pulmão, devido ao uso que se faz das plantas de várias espécies.


Pulmonaria officinalis é uma planta herbácea perene com rizoma subterrâneo e um tufo de caules angulosos, apresentando folhas alternas e rugosas ao tato. Na extremidade de cada caule forma-se uma haste escorpióide de flores primeiro rosadas, ficando azuladas após a fecundação. Os frutos são tetraquênios. É uma espécie européia que cresce nos bosques claros. Sempre foi usada para tratamento dos pulmões e especialmente da tuberculose, como testemunha o seu nome genérico: pulmonaria.


Pulmonaria officinalis Para fins terapêuticos, são colhidas as folhas, ou mesmo as cimeiras completas. A colheita é feita moderadamente, à mão, apanhando as folhas ou cortando as partes aéreas, com tempo seco. As partes recolhidas são postas a secar à sombra, sob corrente de ar, ou num secador. Contêm taninos, mucilagem, saponinas, ácido silícico e substâncias minerais. É usada internamente para tratar bronquites, tosse, tosse convulsiva e têm ação expectorante. A infusão prepara-se com duas colheres de café de partes secas por chávena de água fervente, a tomar três vezes por dia; é sudorífica, anti-inflamatória e diurética. Uma decocção a 10% é usada em compressas ou banhos: é emoliente, desinfetante e anti-inflamatória. Externamente é usada para tratar ferimentos e lavagem dos olhos por sua ação desinfetante. É comum adicionar-se folhas de pulmonária a sopas e saladas, sendo também um dos ingredientes do vermute.


A pulmonaria-oficinal é freqüentemente cultivada em jardins como planta ornamental, assim como outra espécie, P. saccharata, com folhas maculadas de branco.