Céu Nossa Senhora da Conceição, "Xamã Gideon dos Lakotas", Quinino

Quinino

Cinchona pubescens

Cinchona pubescens Este gênero consta de cerca de 40 espécies de árvores e arbustos perenes, encontrados em escarpas mornas e úmidas dos Andes, principalmente nas altitudes entre 1.500 e 2.500 m. Cinchona pubescens é nativa no Equador. É difícil isolar e distinguir entre as várias espécies. As autoridades consideram que pode haver apenas pouco mais de 20 espécies realmente diferentes. O cultivo de Cinchona foi de importância capital desde o 17º século. Agora cultivada em muitas regiões tropicais, produz anualmente algo em torno de 8.000 a 10.000 toneladas de cascas, produzindo 400 a 500 toneladas de alcalóides (principalmente quinina).

A história da descoberta da cinchona pela epônima Condessa de Chinchon, esposa do Vice-rei do Perú, depois de um surto de malária, foi contestada pelos historiadores. Porém, é certo que os Jesuítas da área de Lima já estavam familiarizados com seus usos desde 1630 (de onde provém o nome popular “Casca dos Jesuítas”); foi mencionada pela primeira vez na literatura médica, por Herman der Heyden (Discours et advis sur les flus de ventre douloureux, 1643). Ao final do 17º século, a casca da cinchona estava em demanda mundial por curar malária e foram extraídas imensas quantidades do Peru e da Bolívia. Em 1820, o alcalóide quinina foi isolado e uma feroz competição se seguiu para achar a espécie que rendesse o mais alto teor. No início do 19º século, as populações de cinchonas selvagens estavam severamente dizimadas, conduzindo a uma competição entre holandeses e ingleses para o estabelecimento de plantações. Os holandeses tiveram sucesso e cultivaram Cinchona ledgeriana em Java, que se tornou o centro mundial de produção de quinina. Cinchona ledgeriana sempre teve o mais alto teor de alcalóide e assegurou o monopólio mundial de quinina nas plantações holandesas de Java.

Em grande parte substituída por drogas sintéticas nas recentes décadas, Cinchona e outras plantas como a Artemisia annua novamente se tornaram importantes, de vez que várias descendências da malária ficaram resistentes aos sintéticos. Outro alcalóide, quinidina, ficou recentemente importante como um tranqüilizante cardíaco. Quinina é famosa como a primeira substância que Samuel Hahnemann (l755-l843), fundador da homeopatia, testou nele próprio e o conduziu à formulação da Lei dos Similares (“similia similibus curentur, os semelhantes são curados pelos semelhantes”).

Cinchona pubescens (cinchona vermelha, Casca peruana, Casca dos Jesuítas) Árvore perene de crescimento rápido, com folhas ovais, às vezes com manchas vermelhas escorridas nos lados inferiores, panículas de pequenas flores rosas tubulares são seguidas de cápsulas de 2cm de tamanho com 2 lóbulos. Cinchona pubescens é uma entre várias espécies de cinchonas, inclusive Cinchona calisaya, Cinchona ledgeriana (ambas conhecidas como cinchona amarela) e Cinchona officinalis, das quais é extraído o alcalóide quinina, um potente anti-malárico.

As partes usadas são o talo e a casca da raiz. Estas partes são colhidas após 6 anos, no período de maio até setembro, e secadas para confecção de extratos líquidos, tabletes, tinturas ou pó. As cascas podem ser raspadas das plantas no local ou descascada de ramos podados. É uma erva amarga, adstringente, que abaixa a febre, relaxa espasmos, é anti-malárica (quinina), e reduz o batimento cardíaco (quinidina).

A erva é usada medicinalmente, interiormente para malária, neuralgia, espasmos musculares, fibrilação cardíaca; é um ingrediente de remédios proprietários para resfriados e gripes. Excesso causa cinchonismo: enxaqueca, brotoeja, dor abdominal, surdez e cegueira. Não deve ser dado às mulheres grávidas, a menos que sofram de malária. Como gargarejo para garganta dolorida. Usado na homeopatia (como China officinalis) para esgotamento nervoso, anemia e convalescença. Em termos econômicos e culinários, a erva é usada como um sabor amargo em água tônica e bebidas carbonatadas.

Advertência: Esta erva, especialmente na forma de quinina, está sujeita a restrições legais em vários países.