Céu Nossa Senhora da Conceição, "Xamã Gideon dos Lakotas", Sabugueiro

Sabugueiro

Sambucus nigra

Sambucus nigra

Nome Popular: Sabugueiro – da – Europa, acapora, sabugonegro,
sabugueirinho, sabugueiro – do – rio – grande.

 

Família:
Caprifoliaceae.

Características: É uma planta medicinal e ornamental, muito usada em quebra-ventos e cercas-vivas. Apresenta-se como um arbusto de brilhantes folhas ovais, que produz delicadas flores brancas muito perfumadas, e frutos escuros e redondos.

O chá das flores secas do sabugueiro é utilizado contra resfriados, gripes, anginas e nas enfermidades eruptivas, como sarampo, rubéola, varíola e escarlatina, por provocarem rapidamente a transpiração. O chá das cascas, raízes e folhas é indicado para combater a retenção de urina (efeito diurético) e o reumatismo. Além disso, o chá da frutinha purifica o sangue e limpa os rins.

As propriedades do sabugueiro são admiradas desde os tempos de Hipócrates (século 5 a.C.), considerado o maior médico da antiguidade.
Princípios ativos : tanino, alcalóides ( sambucina), flavonóides, glicosídios e sais minerais (potássio).Diurético, combate gripes, tosses e bronquite.Recomendada para reumatismo, artrite, gota e dor da ciática. Bom laxante intestinal. Muito usado pela população no Brasil para combater catapora, sarampo e escarlatina. Medula deste arbusto é aproveitada na técnica microscópica e em experiências de física eletrostática.

 

Aspectos Agronômicos:
O plantio é feito por estacas de galhos, ou raízes e por
sementes, em solo fértil e clima temperado quente. Plantado, deve-se obedecer o
espaçamento de 3 x 2m.

A entrecasca deve ser coletada antes que a planta retorne ao
novo estado vegetativo e as flores são colhidas quando o seu florescimento, na
estação fria, de preferência, no dia comemorativo de São João ou na véspera, à
noite, desse dia. Também podem ser colhidas entre os dias comemorativos de São
João e São Pedro. O fruto é retirado quando há o seu amadurecimento.

 

Parte Utilizada:
Casca, folha, flor, fruto e raiz.

 

Constituintes Químicos:

– Flores: óleo essencial: 0,025 a 0,14%;

– Flavonóides: eldrina, isoquercetina, rutina, etc;¨

– Traços de glicosídeos cianogenéticos (sabrinigrina);

taninos;

mucilagens;

polifenois: ácido clorogênico e caféico.

– Frutos:

compostos flavônicos, rutina, isoquercetina;

ácidos orgânicos: cítrico, málico, tartárico;

antocianosídeos: crisanthemina e sambucianina;

glicosídeos cianogenéticos: sambunigrina;

açúcares redutores: 4 a 5%;

pectina;

taninos: 3%;

traços de óleo essencial;

vitaminas A e C.

– Folhas:

alcalóides (samburcina);

triterpenos;

sambunigrina;

colina;

traços de óleo essencial.

 

Origem:
Europa, Ásia e África do Norte.

 

Aspectos Históricos:
Esta planta era conhecida pelos gregos por suas propriedades
terapêuticas. Foram encontrados alguns vestígios desta árvore em sítios
arqueológicos da idade da pedra na Suíça e norte da Itália.

Na Europa popularizou-se a partir do século XVI como planta
decorativa. Nos meios rurais com seus frutos preparam-se doces com uma bala cor
vermelho – violácea.

 

Uso:

* Fitoterápico:
Tem ação: diurética, emoliente, vulnerária, mucilaginosa,
diaforética, antiespasmódica, anti-reumática, depurativa e galactogoga,
purgativa, antinevralgica, laxativa, antigota e antiedematosa.

É indicada:

 

  • insuficiência hepática;

 

 

  • icterícia;

 

 

  • gastralgias;

 

 

  • tosses catarrais;

 

 

  • resfriados, gripes, amigdalite, rouquidão, laringites;

 

 

  • febre;

 

 

  • sarampo, rubéola;

 

 

  • escarlatina;

 

 

  • inflamações e dores de ouvido;

 

 

  • reumatismo, gota;

 

 

  • fermentações e males intestinais;

 

 

  • males dos rins e da bexiga;

 

 

  • hidropisia;

 

 

  • hemorróidas;

 

 

  • erisipela;

 

 

  • feridas e outras afecções da pele.

 

 

* Fitocosmético:

 

  • peles secas;

 

  • queimaduras do sol.

 

 

* Farmacologia: A rutina, presente nas folhas e frutos, atua sobre a
permeabilidade capilar, tonificando os vasos capilares, estimulando a circulação
na área aplicada, agindo por irritação local.

Combate o catarro das vias respiratórias superiores,
desobstruindo as vias aéreas, reduzindo o excesso de muco. As mucilagens
desenvolvem uma ação emoliente e demulcente, protegendo o tecido inflamado e
irritado.

A raiz fornece uma substância resinosa de efeito purgativo
muito eficaz no tratamento da hidropisia abdominal. (Teske; Trenttini;
1997).

 

Riscos:
Evitar utilizar doses acima do recomendado.

Os frutos verdes são tóxicos quando ingeridos.

Podem causar espasmos e irritações estomacais e
intestinais.

Infuso : 10 gramas de erva jogando por cima 100 ml de água fervida. Deixar descansar tampado 10 minutos. Tomar 3 vezes ao dia.

Banho de imersão (uso externo): Dobrar a quantidade de erva do procedimento anterior, e misturar na água de banho.
Em casos de otite e otalgias, e também sinusites, recomendada a inalação de vapores da infusão de sabugueiro.

Cosmética A infusão de sabugueiro é usada para clarear e amaciar a pele, em cremes contra rugas, loções tônicas e loções para os olhos. Receita creme de proteção para trabalhos pesados: 4 colheres de sopa de vaselina e dois punhados de flores frescas de sabugueiro. Derreter a vaselina em fogo brando e juntar-lhe as flores de sabugeiro. Deixar macerar durante 45 minutos, derretendo a vaselina sempre que esta se solidificar.. Aquecer e coar com uma peneira passando para um frasco com tampa de rosca. Deixar esfriar e fechar.

Uso caseiro: Já se empregou sua madeira na confecção de instrumentos musicais.É muito usado no Brasil contra sarampo e catapora em banhos e infusos, mas não há referências experimentais ou científicas que confirmem ou excluam esse fato. Muito utilizada para arranjos de flores secas para formar buquês.
Uso culinário: Com os frutos se faz uma bebida alcoólica e certos fabricantes usam flores para dar gosto de moscatel ao vinho comum. Bagas combinam também com preparação de maçãs, guisados, pastéis, tortas e xaropes.Aromatizador de compotas de frutas, saladas, pudins gelatinosos.

Uso mágico: Acreditava-se que mantinha as bruxas a distância.

Efeitos colaterais: O sabugueiro só deve ser usado seco, pois a erva fresca pode ser tóxica.

Uso Interno:

Flores secas: 2 a 4g, três vezes ao dia ou por infusão.

Decocto: fruto – 8%. Tomar 2 a 3 xícaras.

Folhas: 2 colheres de sopa de folhas por xícara de água. Tomar
3 vezes ao dia como laxativo.

Raiz: 30g por litro de água. Reduzir pela metade do decocto à
ebulição. Tomar 1 a 2 xícaras ao dia como laxativo.

Extrato fluido em álcool 25%: 2 a 4mL, três vezes ao dia.

Tintura: 2 – 4mL ao dia, dividindo em até 3 doses. Pode ser
feita com flores.

Extrato aquoso: 0,20g a 1g por dia.

 

Uso Externo:

Infuso ou decocto: 10%.

 

Fitocosmético:

Extrato glicólico: loções tônicas e hidratantes – 5 a 20%.

 

Bibliografia:

 

-Balbach, A. As Plantas Curam. Itaquaquecetuba: Vida
Plena, 2ªedição, 1997, p. 180.

-Corrêa, A.D.; Batista, R.S.; Quintas, L.E.M. Do Cultivo à
Terapêutica. Plantas Medicinais. Petrópolis: Vozes, 1998, p.182.

-Martins, E.R.; Castro, D.M.; et all. Plantas
Medicinais
. Viçosa: UFV, 2000, p. 164 – 165.

-Panizza, S. Cheiro de Mato. Plantas que Curam. São
Paulo: IBRASA, 1998, p. 178-179.

-Sanguinetti, E.E. Plantas que Curam. Porto Alegre:
Rígel, 2ªedição, 1989, p. 172-173.

-Teske, M.; Trenttini, A.M.M. Compêndio de Fitoterapia.
Paraná: Herbarium, 3ªedição, 1997, p. 246-248.