Céu Nossa Senhora da Conceição, "Xamã Gideon dos Lakotas", Tansagem

Tansagem

Plantago major, Plantago lanceolata

Plantago major

Nome Popular: Tansagem, transagem, transage, tanchagem,
tanchagem – maior, tranchagem, plantagem, sete – nervos, cinco – nervos.

 

Família:
Plantaginaceae.

 

Aspectos Agronômicos:
Reproduz-se por sementes, de preferência em solos úmidos,
férteis e de clima temperado, sendo a época mais favorável os meses de setembro
a dezembro, para o plantio. No Brasil adaptou-se tão bem que vegeta
espontaneamente em quase todo o país, principalmente em jardins, gramados,
pomares, beiras de estradas e junto a muro. Desenvolve-se mais intensamente em
locais abertos, como em solos cultivados e pastagens.

Necessita de iluminação meia – sombra ou plena.

A colheita das flores deve ocorrer nos meses de agosto a março
e as sementes separam-se da espiga no fim do verão, quando estão bem
maduras.

Características: Originária da Europa,a tanchagem adaptou-se muito bem no Brasil e pode ser encontrada em solos de quase todo o país. A planta é perene, ereta, sem caule, e cresce entre 15 e 25cm de altura. As folhas surgem na base da planta, presas por longos cabinhos. Floresce formando espigas compridas na ponta das hastes, com pequenas flores marrom-avermelhadas. O fruto, uma cápsula ovalada, contém inúmeras sementes bem pequenas.

Indicações e Usos: Na composição da tanchagem, merece referência a vitamina K (vitamina da coagulação sanguínea), daí a sua ação anti-hemorrágica. Também é ótima purificadora do sangue e deve ser usada em todos os casos em que se precisa de um depurativo (gota, acidez, ácido úrico, problemas no fígado, inflamações etc.). Na medicina caseira, usam-se tanto as folhas quanto as raízes. O gargarejo feito com o suco das folhas e raízes é usado para combater as inflamações da boca e gengivas, aftas e lábios rachados. O chá das folhas é eficaz nas diarréias, atua nas vias respiratórias como um bom expectorante, combate o ardor do estômago, tem ação cicatrizante (contribui para o tratamento de feridas e úlceras) e melhora problemas dos órgãos genitais masculinos e femininos, especialmente as doenças venéreas.

A tanchagem é uma das ervas mais usadas na Índia. Existem mais de 200
espécies espalhadas pelo mundo

Parte Utilizada:
Porção aérea, sementes e raízes.

 

Constituintes Químicos:

 

  • taninos: 5,7%;

 

 

  • mucilagens;

 

 

  • ácidos orgânicos: ácido clorogênico, ácido ursólico;

 

 

  • ácido silícico;

 

 

  • glicosídeos: aucubina;

 

 

  • óleo essencial: 0,2%;

 

 

  • alcalóides: plantagonina, indicaína;

 

 

  • resina;

 

 

  • alantóina;

 

 

  • heterosídeos (0,37%): entre eles aucubigenina;

 

 

  • enzimas: emulsina e invertina;

 

 

  • colina;

 

 

  • sais de potássio: 0,5%;

 

 

  • vitamina C;

 

 

  • as sementes contém antraquinonas.

 

 

Origem:
Europa.

 

Aspectos Históricos:
Esta espalhada em diversos países da Ásia, África e América,
sendo conhecida como o “rei do caminho”, pois tem a capacidade de burlar as
fronteiras e se introduzir em todas as regiões do mundo.

 

Uso:

* Fitoterápico:
Tem ação: expectorante, adstringente, emoliente, diurética,
antiinflamatória, bactericida, cicatrizante, antidiarréica, depurativa e
laxativa.

É indicada:

  • anemia;

 

  • debilidade;

 

 

  • icterícia;

 

 

  • azia, gastrite;

 

 

  • disenteria;

 

 

  • diarréia;

 

 

  • nefrite;

 

 

  • cistite;

 

 

  • hemorragias;

 

 

  • hemoptise;

 

 

  • catarros pulmonares;

 

 

  • amigdalite, laringite, faringite;

 

 

  • tosses, bronquite;

 

 

  • epistaxe, gengivite;

 

 

  • estomatite, conjuntivite, terçol;

 

 

  • feridas, tumores, picadas de insetos.

 

 

* Farmacologia:
Devido às mucilagens das suas folhas, exerce uma ação protetora
das mucosas inflamadas e das vias respiratórias, impedindo a atividade de
substâncias irritantes e promovendo a diminuição do processo inflamatório. Age
sobre as vias respiratórias superiores, protegendo a mucosa e auxiliando a
expectoração. Tem a propriedade de destruir um grande número de microrganismos e
estimular a epitelização.

Os taninos conferem a propriedade adstringente, formando
revestimentos protetores, atenuando a sensibilidade e dificultando infecções,
além de proporcionar uma ação hemostática.

Por diminuir a irritação da mucosa intestinal, as folhas
possuem ação antidiarréica.

As sementes atuam indiretamente como laxativos por absorver
grande quantidade de água, estimulando o peristaltismo.

 

Riscos:
Não há referências na literatura consultada.

 

Uso Interno:

 

Infuso: 30g das folhas por litro de água. Tomar 3 a 4 xícaras
ao dia.

Tintura: 1 colher sopa, 4 vezes ao dia.

Tintura mãe: 30 gotas, 3 vezes ao dia.

 

Uso Externo:

Infuso: 60g de folhas para 1 litro de água: gargarejos e em
plaustros para tratamento de úlceras, hemorróidas e ferimentos.

Linimento: auxilia no tratamento de hemorróidas e afecções
cutâneas.

 

Bibliografia:

-Corrêa, A.D.; Batista, R.S.; Quintas, L.E.M. Do Cultivo à
Terapêutica. Plantas Medicinais. Petrópolis: Vozes, 1998, p. 192.

-Martins, E.R.; Castro, D.M.; et all. Plantas
Medicinais
. Viçosa: UFV, 2000, p. 169-170.

-Panizza, S. Cheiro de Mato. Plantas que Curam. São
Paulo: IBRASA, 1998, p. 190-191.

-Sanguinette, E.E. Plantas que Curam. Porto Alegre:
Rígel, 2ªedição, 1989, p. 186.

-Teske, M.; Trenttini, A.M.M. Compêndio de Fitoterapia.
Paraná: Herbarium, 3ªedição, 1997, p. 265-266.