Visco-branco

Viscum album L.

Viscum albumArbusto semiparasita, com ramos e folhas sempre verdes, vivendo sobre os ramos de espécies folhosas ou resinosas. As folhas alongadas, coriáceas, são séssies e opostas na extremidade dos ramos. As flores são dióicas, pistiladas (em baixo à esquerda) e estaminadas (em baixo à direita), formando-se em posição axilar. Os frutos são bagas monospérmicas brancas. É uma espécie difundida num vasto território euro-asiático, desde sempre considerada medicinal e sagrada. Do ponto de vista medicinal, era usada como contra-veneno e para aumentar a fecundidade.

São colhidos os ramos novos com as folhas, geralmente no Inverno, quando são abatidas as árvores, embora a colheita possa efetuar-se durante todo o ano. São secados em feixes, suspensos e expostos a corrente de ar, ou num secador, a 40ºC no máximo. Conservam uma cor verde-clara e têm gosto amargo. Contêm viscotoxina, colina, acetilcolina e outros compostos orgânicos. A medicina emprega-os pelas sua ação hipotensiva e cardiotônica. Provocam uma dilatação dos vasos capilares e atuam contra a arteriosclerose. As doses e a duração do tratamento devem ser estabelecidas pelo médico. As substâncias contidas no visco têm efeitos citostáticos (antitumorais), o que o torna objecto de investigações aprofundadas desde há alguns anos.

Vide também Viscum album sob ponto de vista antroposófico.

Compartilhar

Veja Também

Matricária (Matricária, artemísia dos ervanários)

Tanacetum parthenium L. Schultz Bip Caracteristicas: Planta herbácea, vivaz e rústica, atinge até 1,5 metro …