Céu Nossa Senhora da Conceição, "Xamã Gideon dos Lakotas", PLANTAS QUE CURAM

PLANTAS QUE CURAM

 

ABÓBORA

Cucurbita pepo: Adstringente, laxante, diurética, alcalinizante. A decocção da polpa é indicada nos casos de diarréia e gases; o sumo da polpa para prisão de ventre. O cataplasma das folhas são indicadas em casos de queimaduras, inflamações e dores de ouvido. É um excelente vermífugo, principalmente para crianças. É tônico para o cérebro, fígado, rins e intestinos 

ACARIÇOBA

Hydrocotyle bonariensis, umbellata L.: anti-reumática, emética, diurética, desobstruente do fígado e dos rins, purgativa, aperiente, anti-hidrópica. O suco da planta combate sardas e manchas dérmicas, erisipelas, escrófulas, sífilis e afecções tuberculosas. Calmante, diurético, tônico cerebral, hipertensão arterial. Toxicologia: não deve ser usada por gestantes, as folhas em altas doses são tóxicas.

 

AÇAFRÃO

Crocus sativus L.: É usado como um preventivo para doença de coração, e previne a formação de colesterol. Também é usado para acalmar as membranas do estômago e cólon. Não deve ser tomado em doses grandes, nem deve ser tomado por mulheres grávidas, pois é planta venenosa e sempre deve ser tomado sob consulta. Sedativo e antiespasmódico, estimulante difusivo, emenagogo, antiespasmódico.

 

ACELGA

Beta vulgaris var. cicla: Laxante, emoliente, tônico estomacal, anti-reumática, estimulante das funções cerebrais. São usadas contra cálculos da vesícula e suas folhas como cataplasma em furúnculos e feridas. Quando misturada em partes iguais com o suco do agrião, combate os cálculos biliares (toma-se 1 copo em jejum). 

AGRIÃO

Nasturtium officinalis: Estimulante, depurativo, tonificante, vermífugo, cicatrizante e balsâmico. Combate o escorbuto, cálculos renais, gota, artrite, reumatismo e gases intestinais. O chá das folhas é diurético e indicado como emplasto no pescoço, junto com a argila, para curar a glândula tireóide.Toxicologia: Quando usado em excesso provoca irritação no estômago e vias urinárias.  

AIPO

Apium graveolens: Mais familiar como um legume que como uma erva medicinal, aipo encontra seu uso principal no tratamento para reumatismo, artrite e gota. Contendo apiol, as sementes são também utilizadas como um anti-séptico urinário. Aipo é bom para a limpeza do intestino, é diurético, e as sementes são utilizadas especificamente para problemas de artrite. As sementes também têm uma reputação como um carminativo e como um tranqüilizante de efeito moderado. Os talos são menos significantes medicinalmente. Anti-reumático, antiespasmódico, diurético, anti-séptico das vias urinárias. 

 

ALCACHOFRA

Cynara scolymus L.: Em forma de decocção, 80g/litro de água pode ser usado contra cálculos biliares, 20g/l de água fervido durante 5 min é ótimo como diurético. Estimula as funções hepáticas e da vesícula biliar, abaixa o nível de colesterol, é laxante e auxilia nos regimes de emagrecimento. Tenra e crua faz bem nos casos de anemia debilidade geral e raquitismo. É também um antidiarréico eficaz.

 

ALECRIM (Rosmarinus officinalis L.)

Indicações: estimulante digestivo e para falta de apetite (inapetência), contra azia, para problemas respiratórios e debilidade cardíaca (cardiotônico), contra cansaço físico e mental, combate hemorróidas, antiespasmódico (uso interno) e cicatrizante (uso externo).

Parte usada: folhas

Preparo e dosagem:

– xarope – para 1/2 litro de xarope adicionar o suco de 4 xíc. de cafezinho de folhas frescas, tomar 1 colher de sopa a cada 3 horas (para problemas
respiratórios).

– infusão – 1 xíc. de cafezinho de folhas secas em 1/2 litro de água, tomar xíc. de chá a cada 6 horas.

– tintura – 10 xíc. de cafezinho de folhas secas em 1/2 litro de álcool de cereais ou aguardente, tomar 1 colher de chá 3 vezes ao dia em um pouco d’água (para a maioria das indicações, inclusive hemorróidas).

– pó – as folhas secas reduzidas a pó têm bom efeito cicatrizante.

Outros usos: Usam-se ramos em armários para afugentar insetos.

Toxicologia: em altas doses pode ser tóxico e abortivo.

 

ALECRIM-PIMENTA (Lippia sidoides)

Indicações: para impingens, acne, pano-branco, aftas, escabiose, caspa, maus odores dos pés, axilas, sarna-infecciosa, pé-de-atleta, para inflamações da boca e garganta, como antiespasmódico e estomáquico. Seus constituíntes químicos lhe conferem forte ação antisséptica contra fungos e bactérias.

Parte usada: folhas secas ou frescas.

Preparo e dosagem:

– infusão – 1 colher de chá de folhas picadas para cada xíc. de água, tomar 2 a 3 xíc. por dia.

Preparo e dosagem:

– tintura – 200 a 300 g de folhas frescas com 1/2 l de álcool e 250 ml de água.Usar como loção em lavagens e compressas. Para gargarejos e bochechos usar a tintura diluída em duas partes de água.

 

 

ALFACE

Lactuca sativa: Laxante, eupéptica, mineralizante, desintoxicante, diurético, anti-ácido, anti-reumático e sonífero. É utilizada como calmante e como base para produtos de beleza (rejuvenescedores). É útil também contra a insônia, excitação nervosa, palpitações, reumatismo, hipocondria e conjuntivites.

 

ALFAFA

Medicago sativa: Analgésico, diurético (frutos) e antiespasmódico.  É uma das plantas mais usadas pela indústria para a obtenção da vitamina K e clorofila. É indicada nos casos de anemia e deficiência em vitamina K e cálcio. Nesses casos, usa-se o chá e o suco das folhas.

Toxicologia: Quando consumida fresca causa distúrbios tais como inchações e inflamações internas. 

 

ALHO (Allium sativum L.)

Indicações: contra hipertensão, picadas de inseto, diurético, expectorante, antigripal, febrífugo, desinfetante, antinflamatório, antibiótico, antisséptico, vermífugo (lombriga, solitária e ameba), para arterioesclerose e contra ácido úrico.

Parte usada: dentes (bulbilhos)

Preparo e dosagem:

– maceração – esmagar um ou dois dentes de alho dentro de um copo com água. Tomar um copo três vezes ao dia (para gripe, resfriado, tosse e rouquidão).

– tintura – moer uma xíc. (cafezinho) de alho dentro de um recipiente contendo 5 xíc. de álcool 92o GL, deixar em maceração por 10 dias, coar. Tomar 10 gotas em meio copo de água três vezes ao dia, para problemas do aparelho respiratório (gripes, etc.). Para hipertensão utilizar uma colher de chá da tintura em meio copo de água três vezes ao dia ou comer dois dentes de alho pela manhã.

– vermífugo – comer três dentes de alho pela manhã em jejum durante sete dias.

– dores de ouvido – amassar um dente de alho em uma colher de sobremesa de azeite morno. Pingar três gotas no ouvido e tampar com algodão.

– arteriosclerose – comer na alimentação 3 dentes de alho cru picado, 3 vezes por semana, durante 3 meses.

Toxicologia: contra indicado para pessoas com problemas estomacais e de úlceras, incoveniente para recém-nascidos e mães em amamentação, e ainda em pessoas com dermatites. Em doses muito elevada, pode provocar dor de cabeça, de estômago, dos rins e até tonturas.

 

ALFAVACA ANISADA

Ocimum basilicum var. anisatum

: Aromática, estimulante, sudorífica, diurética, antiespasmódica, carminativa e béquica; utilizada no tratamento de vertigens, desmaios e enxaquecas nervosas.

 

ANIS

Pimpinella anisum L.: Desde a antigüidade ela tem sido utilizada como um tempero saboreado em receitas e como diurética, para tratar problemas digestivos e para aliviar dor de dente. Sementes do anis são conhecidas pela sua capacidade de reduzir flatulência e cólica, e para melhorar a digestão. Eles são comumente dados aos bebês e crianças para aliviar a cólica, e para pessoas de todas as idades que sentem náuseas com facilidade e sofrem de indigestão. Também é usada como um expectorante e possui ação antiespasmódica e é prestativa em dores que persistem em longos períodos, asma, chiados, tosse e bronquite. A ação moderada sobre os hormônios que produzem leite, das sementes podem explicar sua capacidade para aumentar a produção de leite e sua reputação ao aliviar dores do parto e tratamento contra impotência e frigidez. O óleo essencial do anis é utilizado externamente para tratar piolhos e sarna. Reduz cólica e flatulência, promove digestão e é antiespasmódico.

 

ARNICA

Arnica montana L.: O uso de extratos de arnica e ungüento reduz inflamação e dor de contusões, torções, tendões, deslocações e áreas inchadas. Arnica melhora a circulação do sangue e acelera o restabelecimento. É antiinflamatório e aumenta a reconstituição de sangramento interno. O uso interno de arnica é restringido a dosagens homeopáticas, pois é potencialmente tóxico, germicida, inflamação muscular e dores musculares.

 

ARNICA DO CAMPO

Porophylum ruderale. (Jacq.) Cass.: Antiinflamatória, cicatrizante, antibacteriana, antiartrítica, antimicótica, antidiabética, diaforética, emenagoga e calmante. É usada para tratamento de corrimentos, afecções do fígado, hepatite, inflamações da garganta, amigdalite e má digestão.

 

ARTEMÍSIA (Chrysanthemum parthenium Bern.)

Indicações: antileucorréico, emenagogo, antiespasmódico, febrifugo, para dores de cabeça, enxaquecas, artrites, diarréia, pertubações gástricas e insônia.

Parte usada: folhas e flores.

Preparo e dosagem:

– infusão – 2 a 3 folhas e 3 a 4 flores em 1 xíc. de chá com água, tomar 1 xíc. por dia. Outros usos: planta ornamental, repelente de insetos.

Toxicologia: Não deve ser utilizado durante a gravidez, pois exerce forte ação sobre o útero, podendo causar aborto.

 

ASPARGO

Asparagus officinalis: Pode ser usado na forma de decocção contra problemas do coração e é diurético, usando-se 50g de raiz para 1 litro de água, sem açúcar e entre as refeições. Contra a obesidade pode ser fervida 50 g de raiz em 3/4 de água e bebida durante o dia.

 

ASSA-PEIXE

Vernonia polyanthes Less.: Possui ação analgésica, anti-hemorrágica, expectorante, é eficiente contra gripes, resfriados, bronquites e tosses. Deve ser tomada na forma de infusão.

 

BABOSA (Aloe sp.)

Indicações: o suco das folhas é emoliente e resolutivo, quando usadas topicamente sobre inflamações, queimaduras, eczemas, erisipelas, queda de cabelo, etc. A polpa é antioftálmica, vulnerária e vermífuga (uso interno). A folha despida de cutícula é um supositório calmamente nas retites hemorroidais. É ainda utilizada externamente nas entorses, contusões e dores reumáticas.

Parte usada: folhas, polpa e seiva.

Preparo e dosagem:

– suco – uso interno do suco fresco, como anti-helmíntico.

– cataplasma – aplicar sobre queimaduras 3 vezes ao dia.

– supositório – em retites hemorroidais.

– resina – é a mucilagem após a secagem. Prepara-se deixando as folhas penduradas com a base cortada para baixo por 1 ou 2 dias, esse sumo é seco ao fogo ou ao sol,quando bem seco, pode ser transformado em pó dissolvido em água com açúcar, como laxante.

– tintura – usam-se 50 g de folhas descascadas, trituradas com 250 ml de álcool e 250 ml de água, a tintura é coada em seguida. Deve ser utilizada sob a forma de compressas e massagens nas contusões, entorces e dores reumáticas.

Toxicologia: não deve ser ingerida por mulheres durante a menstruação ou gravidez. Também deve ser evitada nos estados hemorroidários. Não usar internamente em crianças.

 

BARDANA

Arctium lapa L.: Na forma de cataplasma contra a artrite, em decocção e depois a raiz amassada é friccionada no couro cabeludo é ótimo contra queda de cabelos, cozidas com um pouco de leite combate hemorróidas, é diurética, depurativa, em forma de cataplasma cura furúnculos e úlceras.

 

BASILICÃO

Ocimum basilicum: Reduz níveis de açúcar do sangue. Também previne úlceras do estômago e outros estresses relacionados a condições de hipertensão, colites e asma. Basilicão é também utilizado para tratar calafrios e reduzir a febre, congestão e dores associadas. Possui propriedade bactericida e ação fungicida, folhas do basilcão são utilizadas em coceiras da pele, mordida de inseto e afecções de pele. Abaixa níveis de açúcar no sangue, antiespasmódico, analgésico, abaixa pressão sangüínea, reduz febre, fungicida, antiinflamatório.

 

BERINJELA

Solanum melongena: Oxidante, remineralizante, alcalinizante, calmante, resolutiva, diurética, emoliente(folhas),digestiva.  Reduz a ação de gorduras no fígado e diminuir o colesterol. Diminui o colesterol, combate a inflamação dos rins e uretra, as enfermidades do fígado e estômago. Suas folhas servem para o preparo de cataplasmas para queimaduras, abcessos e herpes. O suco do fruto é bom diurético.


BETERRABA

Beta vulgaris: anti-anêmico, tônico cardíaco, diurético e anti-reumático.  Combate inflamações, estresse, a anemia, facilita a digestão, regula os intestinos e controla a cor do sangue. O chá das folhas é ótimo para anemia. O tubérculo é alimentício.

BOLDO (Vernonia condensata Beker)

Indicações: aperiente, colagogo, colerético, desintoxicante do fígado, diurético e antidiarrético.

Usado popularmente para a ressaca alcoólica.

Parte usada: folhas.

Preparo e dosagem:

– infusão – 5 folhas por litro d’água, tomar pela manhã (para o fígado) ou após as refeições (contra diarréia).

– tintura – (aperiente) colocar 1 colher de folhas picadas para 1 xíc. de álcool neutro 70o GL, deixar macerar por 3 dias, tomar 1 colher dissolvida em água antes das refeições.

– maceração – 5 folhas em um copo d’água, tomar 2 a 3 vezes ao dia (ressaca alcoólica), recomenda-se tomar antes e após ingestão de bebidas alcoólicas.

Toxicologia: outras espécies do gênero Vernonia não apresentam nenhum efeito tóxico, exceto um glicosídeo cardiotônico encontrado nas raízes de uma das espécies na África. Não se aconselha o uso prolongado da planta.

 

BUVA

Erigeron bonariensis L.: Diurética, vermífuga, vulnerária, anti-hemorróida, antidiarréica e anti-sifilítica. Afecções urinárias, feridas, úlceras, inflamação da próstata e testículos, corrimento, hidropisia e distúrbios hepáticos.

 

CALÊNDULA (Calendula officinalis)

Indicações: cicatrizante e antisséptico (uso externo). Sudorífico, analgésico, colagogo, antinflamatório, antiviral, antiemético, vasodilatador e tonificante da pele (contra acne).

Parte usada: flores e folhas.

Preparo e dosagem:

– pomada e tintura (uso externo) – feitos com folhas e flores, usar sobre as partes afetadas 3 a 4 vezes por dia. A tintura, diluída com água destilada ou fervida, pode ser aplicada diretamente em ferimentos diversos, exercendo excelente ação cicatrizante, utiliza-se 1 a 2 partes de água para 1 de tintura.

– infusão – 2 colheres de sopa de flores em 1/2 l d’água (emanagogo) ou 2 colheres de sopa de flores em 1 xíc. de chá de água (contra acne). No primeiro caso toma-se 1 xíc. de chá antes de cada refeição principal, começando 8 dias antes da menstruação e no segundo caso toma-se1/2 xíc. de chá de manhã e 1/2 xíc. à noite.

– cataplasma – folhas e flores tenras, socadas e empastadas, são aplicadas sobre ferimentos, sobre um pano limpo.

Calêndula é uma das melhores ervas para tratar problemas locais de pele. Infusão ou decocção de pétalas de calêndula diminui a inflamação de torções, picadas, varicose, veias e outras inchações e também acalma queimaduras do sol, erupções cutâneas e irritações da pele. Essa planta é excelente para inflamações da pele causadas por contusão, seu poder anti-séptico e de restabelecimento ajudam a prevenir o alastramento de infecções e acelera o restabelecimento. Serve também na limpeza e desintoxicação, e a infusão e tintura são utilizadas para tratar infecções crônicas. Tomado internamente, tem sido utilizado tradicionalmente para promover a drenagem de glândulas linfáticas inchadas tal como amigdalite. Antiinflamatório, adstringente, cura feridas, anti-séptico, desintoxicante.


CAMBARÁ FALSO

Eupatorium squalidum DC: a planta é usada como emoliente, contra febres malignas, febres intermitentes e infecciosas.


CAMOMILA
Matricaria chamomilla L.: Suas flores ajudam na indigestão, nervosismo, depressões e dores de cabeça, sendo ideal para problemas relacionados às emoções tais como úlceras do estômago, colite, espasmos e indigestão nervosa. O óleo essencial da camomila tem poder antiinflamatório, antiespasmódica e atividade antimicrobiana. É uma erva excelente para muitas desordens digestivas e para tensão nervosa e irritabilidade. Externamente, é utilizada para pele dolorida e eczema.

 

CANFRINHO

Artemisia camphorata Vill.: Anti-reumática, antiepilética, calmante e antinevrálgica. Utilizada no álcool para dores musculares, picadas de insetos, distúrios neurológicos e cardíacos, feridas, contusões e hemorragia uterina.

 

 



CAPIM-SANTO (Cymbopogon citratus)

 


Indicações: bactericida, antiespasmódico, calmante, analgésico suave, carminativo, estomáquico, diurético, sudorífico, hipotensor, anti-reumático. Mais utilizado em diarréias, dores estomacais e problemas renais.

Parte usada: folhas

Preparo e dosagem:

– infusão – 4 xíc. de cafezinho de folhas picadas em 1 litro d’água, tomar 1 xíc. 2 a 3 vezes ao dias.

Toxicologia: pode ser abortivo em doses concentradas.

 

 

CARRAPICHINHO

Acanthospermum australe (Loefl.) Kuntze: A planta é tônica, diaforética, antu-blenorrágica, anti-diarréica, mucilaginosa e aromática. É usada também contra febre palustre e erisipela.

 

CARRAPICHO BRAVO

Xanthium cavanillesii Schouw: Adstringente, emoliente, anti-escrófula, resolutiva, amarga, doença de pele, tumores, gangrena, câncer.

 

CARURU

Amaranthus deflexus L.: É o tipo mais comum, desenvolve-se prostrado; é rico em proteínas ferro, potássio, fósforo e cálcio; é preciso cozinhá-lo para eliminar o ácido nítrico.

 

CEREFÓLIO

Anthriscus cerefolium (L.) Hoffm: Fervido e tomado pela manhã em jejum é depurativo e diurético, e na forma de compressa pode ser usado em olhos cansados.

 

COENTRO

Coriandrum sativum L.: Possui ação antioxidante, coloca em ordem as funções gástricas e hepáticas. Para o fígado e o estômago pode ser feita uma infusão com 5 g do fruto descascado em uma xícara de água quente. Filtrado e adoçado deve ser bebido logo após as refeições.

 

CONFREI (Symphitum sp. L.)


Indicações: hemostático, antinflamatório, cicatrizante. Utilizando para favorecer o crescimento de tecidos novos em ulcerações, feridas e cortes, fraturas e afecções ósseas (onde age como indutor da produção calcárea).

Parte usada: rizoma, raízes e folhas.

Preparo e dosagem:

– cataplasma e banhos locais – várias vezes ao dia .

– emplasto – esmagar folhas em água morna e colocar diretamente sobre ferimentos (cicatrizantes), lavar e repetir 2 vezes ao dia. No caso de contusões e inchaços colocar o emplasto dentro de um pano antes de aplicar.

– tintura – 1 parte de sumo das folhas em 5 partes de álcool, preparar pomadas e ungüentos.

Outros usos: foi muito utilizada como forrageira, pelo alto teor de proteína e excelente produção de massa verde.

Existem referências que tratam da presença de alcalóides cancerígenos no confrei, principalmente em folhas jovens. O uso externo sobre feridas pode promover rápida cicatrização externa, sendo que o processo inflamatório pode continuar internamente. A absorção dérmica, das substâncias tóxicas, parece não ser significativa.

 

COMINHO

Cuminum cyminum L.: Aperitivo, digestivo e carminativo, gastrite, digestão difícil, flatulência e inapetência. Toxicologia: A essência pode provocar convulsões.


CRISÂNTEMO Chrysathemum morifolium: É utilizada contra febre alta, face vermelha, sudorese e cefaléia pulsátil. Alivia problemas no fígado, e é indicada para glaucoma, conjuntivite aguda e alérgica. Possui efeito bactericida e anti-viral e apresenta bons resultados no tratamento da hipertensão.

 

DENTE-DE-LEÃO

Taraxacum officinalis Weber: Folhas: As folhas maduras e secas podem ser usadas para se fazer um chá contra a indigestão. Ajuda a combater problemas do fígado incluindo icterícia. O seu alto teor de vitamina e minerais é excelente contra anemia. A seiva reduz verrugas. Pode ser utilizado como um café alternativo que é menos danoso ao fígado e aos nervos, por causa dos seus óleos, que não possuem cafeína. Raízes: O chá das raízes pode ser utilizado como laxante mediano, estimulante do apetite, e para resolver problemas do estômago. Ativa o fígado na produção da bile e ajuda a eliminar toxinas do corpo e auxilia na digestão. Deve ser usado após ingerir carne ou comidas gordurosas. Por auxiliar o fígado a eliminar compostos inflamatórios como as histaminas, é utilizada para ajudar a reduzir reações alérgicas causadas por alimentos. Para fazer um chá amargo, use uma colher de sopa de raiz seca por xícara de água quente. Flores: As flores têm uma maior concentração de lecitina que os grãos de soja e reduz cegueira noturna se usado como vitamina A. As raízes são ricas em minerais e contêm Lecitina que emulsiona a gordura e abaixa o nível de colesterol e protege o sistema cardiovascular. O maior efeito das folhas e raízes é manter um fígado saudável e ajudar a desintoxicar qualquer toxina e substâncias estranhas no corpo. Também benéfico em ameaça de pressão sangüínea e ajuda na digestão.



ERVA BOTÃO

Eclipta alba L. Hassk: Adstringente, cicatrizante, antiofídica, anti-asmática, depurativa do sangue, laxativa, pilogênica, eczemas, litíase, e icterícia. É usada para ferimentos cortantes.

 

ERVA-CIDREIRA-DE-ARBUSTO (Lippia alba (Mill) N. E. Brown)

 



Indicações: antiespasmódico, estomáquico, carminativo, calmante, digestivo e combate a insônia e asma.

Parte usada: folhas.

Preparo e dosagem:

– infusão – 1 colher de sopa de folhas frescas para cada ½ litro d’água, tomar 4 a 6 xíc. de chá ao dia.

Outros usos: planta melífera.

Toxicologia: popularmente não se recomenda o uso por hipotensos (pressão baixa).

 

ERVA-DE-SANTA-MARIA (Chenopodium ambrosioides L.)

 

 

Indicações: estomáquico, diurético, vermífugo, sudorífico, para angina e infecções pulmonares. Cicatrizante e para contusões (uso externo).

Parte usada: folhas e flores.

Preparo e dosagem:

– infusão – 1 xíc. de cafezinho de planta fresca com sementes em 1/2 litro d’água, tomar 1 xíc. de chá de 6 em 6 horas (vermífugo, estomáquico).

– sumo – 2 a 4 colheres de sopa do sumo das folhas para 1 xíc. de chá de leite, uma vez ao dia, as crianças maiores de 2 anos, devem tomar a metade da dose (peitoral).

– sumo – 1 copo da planta picada com sementes para 2 copos de leite, bater no liquidificador, tomar 1 copo de suco 1 vez ao dia por 3 dias seguidos (vermífugo).

– cataplasma – colocar 1 xíc. de cafezinho de vinagre, 1 colher de sopa de sal, amassar a planta na mistura até obter uma papa, colocar sobre o local afetado e enfaixar (contusões).

– geléia – pegar 4 bananas nanicas maduras com casca , picar 1 copo de folhas de erva-de-santa-maria com sementes, meio copo de hortelã, 1 copo e meio de açúcar. Triturar bem as plantas em um pilão, pode-se adicionar um pouco de água, em seguida juntar a banana e o açúcar, amassar bem. Levar ao fogo até dar o ponto de geléia, o que ocorre em poucos minutos. Dar 1 colher de chá duas vezes por dia, pura ou passar na bolacha, pão, etc. (vermífugo).

Outro usos: elimina e repele pulgas e percevejos – colocar os ramos debaixo dos colchões e varrer a casa utilizando-os como vassoura.

Toxicologia: deve ser administrada com cautela. É contra indicado para gestantes e para crianças menores de 2 anos de idade. Usar sob orientação de profissional da área.


FALSO BOLDO (Coleus barbatus)*

 


Indicações: tônico, digestivo, hipossecretor gástrico (para azia e dispepsia), carminativo, para afecções do fígado e para ressaca alcoólica.

Parte usada: folhas frescas.

Preparo e dosagem:

– sumo – amassar duas folhas em 1 copo e completar com água, tomar 2 a 3 vezes ao dia.

– tintura – 20 g de planta fresca em 100 ml de álcool, tomar 20 a 40 gotas no momento do incômodo, ou até 3 vezes ao dia.

Toxicologia: em doses elevadas pode causar irritação gástrica.

 

FOLHA-DA-FORTUNA (Bryophylum pinnatum Kurtz)

 

 

Indicações: emoliente (para furúnculos), cicatrizantes (queimaduras) e antinflamatório local (uso externo). Refrescante intestinal, para coqueluche e demais infecções das vias respiratórias, usada também para úlceras e gastrites (uso interno).

Parte usada: folhas.

Preparo e dosagem:

– cataplasma – aquecer a folha e colocar sobre o local afetado (furúnculos), em
queimaduras  ou outros ferimentos fazer uma pasta com a folha e colocar sobre a região machucada (cicatrizante).

– suco – bater no liquidificador 1 folha com 1 xíc. de água, tomar 2 vezes ao dia, entre as refeições (úlceras e gastrites).

 

FUNCHO (Foeniculum vulgare Mill).

 

 

Indicações: carminativo, galactagogo, digestivo, diurético, tônico geral e antiespasmódico (cólicas de crianças).

 

Tem sido utilizado como comida, tempero e na medicina. O uso de sementes do funcho serve para aliviar flatulência, cólica, estimula o apetite e a digestão. Funcho é também antiinflamatório e diurético. É muito parecido com o anis (Pimpinella anisum), tem um poder calmante na bronquite e tosses. Em infusão as sementes podem ser tomadas como um gargarejo para dores de garganta e como um expectorante moderado. Funcho aumenta a produção de leite no peito e a erva é ainda utilizada para lavar os olhos contra dor e conjuntivite. O óleo essencial da variedade doce é utilizado por suas propriedades digestiva e relaxante. Digestivo, antiespasmódico, antiinflamatório.

Parte usada: folhas, frutos e raízes.

Preparo e dosagem:

– infusão – 1 xíc. de cafezinho de frutos secos em ½ l d’água. Para gases (carminativo) tomar 1 xíc. de chá a cada 6 horas. Para estimular a secreção de leite materno (galactogogo) ingerir 1 xíc. de chá a cada 4 horas. Como digestivo começar a tomar 2 horas antes das refeições 1 xíc. de chá a cada meia hora.

– vinho medicinal – (tônico) macerar por dez dias, 30 g de sementes em 1 litro de vinho, coar, tomar 1 cálice antes de dormir.

– decocção – ferver por 5 min. 1 colher de sementes em 100 ml d’água, dar à criança no intervalo das mamadas (cólicas).

Outros usos: o óleo essencial é utilizado na fabricação de licores e perfumes. As sementes são utilizadas na confeitaria como aromatizante de pães, bolos e biscoitos.

Toxicologia: O uso de mais de 20 g/l dessa erva pode ser convulsivante.

 

* O falso-boldo só recebe este nome para diferenciar de outro boldo (Vernonia condensata), citado nesta apostila, também é conhecido por sete-dores ou simplesmente boldo.

** Só se deve recorrer exclusivamente ao tratamento com plantas, nas queimaduras de 1º grau ou outras de pequena extensão.

 



GENGIBRE (Zingiber officinalis)

 


Indicações: estimulante gastrintestinal, aperiente, combate os gases intestinais (carminativo), vômitos, rouquidão; tônico e expectorante. Externamente é revulsivo, utilizado em traumatismos e reumatismos.

Parte usada: rizoma (“raiz”).

Preparo e dosagem:

– pulverizar o rizoma e ingerir contra vômitos.

– decocção – preparar com 1 colher (chá) de raiz triturada em 1 xíc. de chá de água, tomar 4 xíc. de chá ao dia.

– cataplasmas – preparar com gengibre bem moído ou ralado e amassado num pano, e deixar no local (para reumatismos e traumatismos na coluna vertebral e articulações).

– rizoma fresco – mascar um pedaço (rouquidão).

– tintura – 100 g do rizoma moído em 0,5 l de álcool, fazer fricções para reumatismos.

– xarope – pode ser ralado e adicionado a xaropes, juntamente com outras plantas.

Toxicologia: o uso externo deve ser acompanhado, para evitar possíveis queimaduras.

 

GINSENG

Panax ginseng L.: Ginseng aumenta eficiência física e mental e resistência para combater as doenças. Pode ser utilizado tanto como um sedativo quanto um estimulante do sistema nervoso central segundo a condição da pessoa. Tônico, estimulante, revitalizador mental e físico.

 

 



GOIABEIRA-VERMELHA (Psidium guajava)

 


Indicações: antisséptico bucal e intestinal, inibe microorganismos como Salmonella, Serrata e Staphylococcus. Para diarréias (principalmente de origem bacteriana) e inflamações da boca e garganta.

Parte usada: folhas novas, brotos ou “olhos”(até a 6ª folha tenra, a partir do ápice). Folhas velhas não têm atividade antisséptica.

Preparo e dosagem:

– infusão – são utilizados 4 brotos para uma xícara de água fervente, tomar 1 xíc. a cada 2 a 4 horas, ou de hora em hora nos casos mais severos (para diarréias). Este chá pode ser utilizado para preparar o soro caseiro, basta adicionar sal e açúcar nas quantidades recomendadas, que deve ser fornecido para crianças com diarréia (antidiarréico e reidratante). Em gargarejos e bochechos, a infusão atua nas inflamações da boca e garganta.

 

GUACO (Mikania glomerata Spreng.)

 

 

Indicações: tem efeito broncodilatador, comprovado. É um antisséptico das vias respiratórias, expectorante, antiasmático, febrífugo, sudorífico, anti-reumático e cicatrizante.

Parte usada: folhas ou planta florida.

Preparo e dosagem:

– infusão – 2 xíc. de cafezinho de folhas frescas em ½ l d’água 1 xíc. de chá 4 vezes ao dia (reumatismo e problemas das vias respiratórias).

– xarope – fazer a decocção com 15-20 folhas de guaco em 100 ml de água, adicionar folhas de poejo ou assa-peixe e gengibre ralado ( 1 colher de chá), cobrir e deixar esfriar, juntar 150 a 200 g de açúcar ou rapadura e dissolver. Tomar 1 a 2 colheres de sopa 2 a 3 vezes ao dia, para crianças fornecer a metade da dose (crises de tosse).

Outros usos: é utilizada contra picada de cobras e insetos.

Toxicologia: pode causar vômitos e diarréia quando usado em excesso.

 

HORTELÃ-COMUM (Mentha X villosa)

 

 

Indicações: digestivo, estimulante e tônico geral, carminativo, antiespasmódico, estomáquico, expectorante, antisséptico, colerético e colagogo, vermífugo (giardia/ameba e lombrigas).

Parte usada: folhas frescas ou secas.

Preparo e dosagem:

– bala – tomar 800 g de açúcar, ¼ litros de água filtrada e o sumo da hortelã. Coloque a água e o açúcar para ferver até atingir o ponto de bala. Adicione o sumo e a bala está pronta (vermífugo e expectornte).

– infusão – 5 ou 10 g de folhas picadas, secas ou frescas respectivamente, em 1 l d’água, tomar 1 xíc. de chá 3 vezes ao dia (uso interno, exceto como vermífugo).

– folhas frescas – ingerir 10 a 16 folhas por dia, em 3 doses junto às refeições, por 5 a 10 dias (vermífugo).

– pó – triturar folhas secas e peneirar, misturar uma colher de café do pó com mel, e tomar 3 vezes ao dia, por 7 dias. Para crianças utiliza-se a metade da dose (vermífugo).

– vermífugo com alho – amassar 3 a 4 folhas frescas com um dente de alho, colocar numa xícara, acrescentar água fervente, tampar e deixar esfriar, coar e servir a uma criança 1 vez por dia, 1/2 hora antes do café da manhã, durante 5 dias.

Toxicologia: pode causar insônia, se tomado antes de dormir, ou em uso prolongado.

 

LOSNA

Artemisia absinthium L.: Erva dos vermes tem um efeito tônico marcante para o estômago, a vesícula biliar e em ajustar problemas digestivos fracos. É utilizado para expelir lombrigas e outros vermes. Por melhorar as funções do sistema digestivo ajuda em muitas condições, incluindo a anemia. Também serve para relaxar os músculos e é ocasionalmente utilizado para tratar o reumatismo. As folhas são antissépticas que derivam dos alcalóides que a planta contém.  Amargo, carminativo, relaxante dos músculos, anti-séptico.

 

 



MACAÉ (Leonurus sibiricus)

 


Indicações: estomáquico, febrífugo, anti-reumático, eupépico, contra vômitos e gastrinterite. As flores são usadas para bronquite e coqueluche.

Parte usada: folhas e flores.

Preparo e dosagem:

– infusão – 20 g de folhas ou flores secas em ½ litro d’água, tomar 3 vezes ao dia.

– uso externo – friccionar as folhas sobre as partes afetadas (anti-reumático).

– xarope – colocar um punhado das folhas e flores picadas em 1 xíc. de cafezinho de água fervente, abafar, coar, adicionar 2 xíc. (café) de açúcar, homogeneizar. Para adultos fornecer uma colher (sopa), 3 vezes por dia, crianças devem tomar uma colher de chá 3 vezes ao dia.

– tintura – misturar duas xíc. (café) de álcool de cereais e 1 xíc. (café) de água com um punhado da erva picada, deixar em maceração por 7 dias, agitar sempre, coar, armazenar em vidro escuro. Tomar 1 colher (chá) diluída em água. Pode ser aplicada em articulações inflamadas.

Outros usos: insetífugo

 

MARACUJÁ (Passiflora edulis)

 

 

Indicações: é utillizada contra inquietações nervosa, irritação frequente e contra insônia.

Parte usada: folhas.

Preparo e dosagem:

– infusão – na dose de 4 a 6 xíc. de chá, toma-se 1 a 2 xícaras à noite.

 

MESTRATO (Ageratum conyzoides L.)

 

 

Indicações: anti-reumática (uso externo), antidiarrético, febrífuga, antinflamatória, carminativa, emanagogo, tônica, útil contra resfriados e para cólicas menstruais.

Parte usada: toda a planta.

Preparo e dosagem:

– infusão – (cólicas menstruais) 1 xíc. de cafezinho da planta seca picada em 1/2 l de água, tomar 1 xíc. de chá de 4 em 4 horas.

– tintura – 1 xíc. de cafezinho da planta fresca para 5 xíc. de álcool, tomar 10 gotas em água 2 vezes ao dia (cólicas) ou aplicar em massagens locais (reumatismo/artrose).

– pó – colocar 1 colher das de café do pó em água ou suco de frutas para cada dose a ser tomada, tomar 3 a 4 vezes ao dia (artrose).

– decocção (uso externo) – cozinhar a planta inteira e despejar o chá morno numa vasilha, colocar os pés ou mãos dentro durante 20 minutos, 2 vezes ao dia. Ou usá-lo sob a forma de compressas, 2 vezes ao dia (reumatismo e artrose).

Outros usos: apresenta atividade contra insetos hemípteros (precocenos).

Toxicologia: sem efeitos tóxicos nos estudos realizados.

 

MIL-FOLHAS (Achilea millefolium L.)

 

 

Indicacões: antiespasmódico, estomáquico e expectorante. Contra distúrbio digestivos (dispepsia) e úlceras internas, varises, cólicas menstruais, amenorréia, celulite e hemorróidas. Cicatrizante, antinflamatório e anti-reumático (uso externo).

Parte usada: folhas e inflorescências.

Preparo e dosagem

– infusão – 1 a 2 colheres de sopa da planta seca em 1 xíc. de água, tomar 1 a 2 xíc., de chá ao dia (uso interno).

– decocção – uso externo para lavar feridas, ulcerações e hemorróidas, sob a forma de compressas.

– sumo – preparado com a planta fresca previamente lavada, colocado sobre ferimentos e ulcerações.

Toxicologia: existem referências que tratam de sua possível ação tóxica nos animais domésticos.

 

PATA -DE-VACA (Bauhinia fortificata Link.)

 

 

Indicações:hipogliceminante (antidiabético), purgativo e diurético. Para problemas do aparelho urinário.

Parte usada:folhas, flores e raízese/ou cascas do tronco.

Preparo e dosagem:

– infusão – 2 xíc. de cafezinho da folha picada em 1/2 l de água ou 1 folha picada por xíc. de chá, tomar 4 a 6 xíc. de chá ao dia (diabetes*).

– infusão – flores (purgativo).

– pó -feito com cascas e folhas secas. Usar na forma de decocção, com uma colher se sopa em 150 ml de água (1 xíc.). Tomar 1/2 a 1 xíc. de chá ao dia.

Toxicologia: sem referências.

Não interromper a dieta específica para diabetes.

 

PERPÉTUA

Gomphrena globosa (L.): Expectotante, febrífuga, béquica, antiespasmódica, tranquilizante, oftálmica, diurética, adstringente, emenagoga, tônica, amarga, aromática e eupéptica. Usada para ifecções do sistema respiratório, distúrbios gastrointestinais e hepáticos, otites e estados nervosos do coração.

 

 



POEJO (Mentha pulleglum)

 


Indicações: carminativo, digestivo, vermífugo,expectorante, antisséptico, antiespasmódico, emenagogo e para

hidropsia.

Parte usada: toda a planta.

Preparo e dosagem:

– infusão – 20 g de planta fresca em 1 l de água, ou 4 a 5 g por xíc. de chá, ou, ainda, 1 a 2 g da planta seca por xíc. de chá, tomar 1 a 2 xíc. por dia. O infuso se tomado 10 min. antes das refeições, juntamente com o suco de ½ limão, estimula as funções gástricas.

Outros usos: serve para afugentas pulgas e mosquitos.

Toxicologia: a pulegona é citada por possuir efeito tóxico em altas doses. Devido à presença do borneol, não se recomenda o uso de planta por grávidas, especialmente nos 3 primeiros meses.

QUEBRA-PEDRA (Phyllanthus niruri L.)

Indicações: diurética, fortificante do estômago, aperiente, para cistite, anti-infeccioso das vias urinárias, para hipertensão arterial(diurético). A ação analgésica e relaxante muscular de seus alcalóides, ajuda na expulsão dos cálculos renais, por atuar no relaxamento dos uréteres.

Parte usada: toda a planta.

Preparo e dosagem:

– infusão – 1 xícara de cafezinho da planta fresca picada em 1/2 l d’água, tomar 1 xíc. de chá 6 vezes ao dia (uso geral).

– decocção – 2 plantas inteiras em 1/2 litro d’água, tomar várias vezes ao dia, suspender por duas semanas o uso, do decocto após 10 dias de uso contínuo (relaxamento dos uréteres).

Toxicologia: abortiva e purgativa em dosagens acima das normais.

 

 

SALSA

Petroselinum crispum: É conhecida como uma erva diurética, tônica digestiva e estimulante do fluxo menstrual e também muito utilizada na salada. Folhas de salsa, sementes e caldo da raíz combatem infecções das vias urinárias e ajuda a eliminar pedras do rim. Também estimula o apetite e o fluxo de sangue de órgãos digestivos, e também reduz febres. Salsa tem a habilidade incomum de mascarar odores fortes como o alho em particular. Raíz de salsa é mais comumente prescrita do que as sementes ou folhas em medicamentos herbários. É usada no tratamento para flatulência, cistites e problemas reumáticos. Também é usada como um promotor de menstruação, enquanto é útil em estimular um período atrasado e alivio da dor menstrual. Digestivo, diurético.

 

 



TANCHAGEM (Plantago sp.)

 


Indicações: expectorante, antidiarréico (folha), cicatrizante, adistrigente, emoliente e depurativo. Usada no tratamento da inflamações bucofaringeanas, dérmicas, gastrintestinais e das vias urinárias. As sementes são laxativas.

Parte usada: toda a planta.

Preparo e dosagem:

– infusão – 1 xíc. de cafezinho de folhas frescas picadas em 1/2 l d’água, tomar 1 xíc. de chá a cada 6 horas para infecções bucofaringeanas e 1 xíc. a cada 8 horas para problemas gastrintestinais.

– gargarejo – acrescentar à infusão 1 colher de sopa de sal comum, gargarejar 3 vezes ao dia.

– infusão – utilizar 1 colher (sopa) de sementes em 1 copo de água fervente. Deixar uma noite em maceração. No dias seguinte, em jejum, tomar o copo (laxante suave).

– cataplasma – colocar as folhas frescas amassadas sobre feridas, para favorecer a cicatrização.

 

 

Toxicologia: sem referências bibliográficas.

 

 

URUCUM

Bixa orellana: Fonte de beta-caroteno previne o aparecimento de lesões cutâneas causadas pelo Sol, também é utilizada para doenças do coração.

 

 



Frutas que Curam

 

 

Abacate
(Persea gratissima, Persea americana mill)

Pertencente à família das Lauráceas.

A fruta é afrodisíaca produzindo efeitos benéficos ao couro cabeludo e a pele humana. Comer o fruto adoçado com mel é óptimo para rejuvenescimento da pele e elimina manchas brancas. O abacate também é óptimo para a inflamação dos dedos, doenças dos rins, debilidade do estômago e afecções da garganta.

Possui alta taxa de gordura, sendo muito rico em calorias, o que o torna contra indicado para regimes de emagrecimento ou de manutenção de peso. No entanto, como a sua gordura é fácil de assimilar pelo organismo, pode constar da dieta de quem tem problemas digestivos. Além disso, contém vitaminas A e do complexo B e alguns sais minerais como ferro, cálcio e fósforo.

Composição:

pequena percentagem de ácidos, matérias graxas, proteínas, substâncias minerais, óleo pingue, açúcar, hidrato de carbono, etc. O seu valor nutritivo é quatro vezes maior que o das outras frutas, excepto pela banana.

Indicação:

prisão de ventre, flatulências, perturbações digestivas, gota, reumatismo, afecções dos rins, afecções da pele, afecções do fígado, etc.

Cascas:

são vermífugas, adequadas também para tratamento de hemorragias, disenterias e bouba.

Folhas:

na forma de chá é excelente diurético. Também é eficaz em nevralgias, dores de cabeça, catarros, bronquite, diarreia, afecções da garganta, cansaço, dispepsia atónica, rouquidão, tosse, disenteria, etc.

Abacaxi
(Ananas sativus L. Merill) –É uma fruta com alto teor de vitamina C. Além disso contém celulose, uma substância indispensável para o bom funcionamento intestinal, e bromelina, uma outra substância que facilita a digestão das carnes. Também é bastante rico em sais minerais, como cálcio, fósforo e ferro.

Indicações:

Pode ser aplicado como grande remédio para o tratamento da bronquite, afecções da garganta e difterias. O seu sumo é diurético e vermífugo.

Combate também a prisão de ventre, controla as funções hepáticas e favorece a digestão.

Auxilia também no combate a febres intestinais, enfermidades da bexiga, da próstata e da uretra, elimina cálculos renais e auxilia na função da vesícula. É empregado também no tratamento do reumatismo, da artrite, a hidropisia e icterícia. Óptimo suco alimentar e é depurativo do sangue.


Cuidados:

O uso abusado agride o estômago principalmente se a fruta não estiver bem madura; e pode provocar sangramento na boca e ou gengivas.

Ameixa
(Prunus domestica Linné) –

Nome popular:

ameixa, ameixa-preta.

Família:

rosáceas.

Parte usada:

fruto maduro e parcialmente dessecado.

Há diversas variedades de ameixa. As mais conhecidas são: a vermelha, a amarela e a roxa.

A ameixa tem alto valor nutritivo. É rica em açúcar, sais minerais (cálcio, fósforo e ferro) e algumas vitaminas. É um óptimo alimento, pois funciona como laxante natural.

Composição química:

açúcares (principalmente glicose), dextrinas, pectina. Ácidos málico e tartárico. Água.

Indicações:

laxativo, para regular a circulação intestinal e o apetite. Utilizado como edulcorante para corrigir o paladar de certos medicamentos.

Amora
(Rubus Brasiliensis)

Tanto a amoreira quanto algumas espécies de plantas medicinais, chamadas “silvas”, produzem amoras. Há amoras brancas e pretas, mas só as segundas são comestíveis. As brancas servem apenas para alimentar animais. É uma fruta de sabor ligeiramente ácido e adstringente, usada para fazer doces, compotas e geleias.

A amora é muito rica em vitaminas A, B e C e contém ácido cítrico. Tem propriedades depurativas, digestivas e refrescantes.

 

Banana

(Musa Paradisíaca, Musa sapientium) –

Possui um pequeno teor de gordura, fonte de potássio (excesso de potássio gera catarro – assim como o excesso de laranja).

Indicação:

retenções de urina devido a nefrite (inflamação dos rins), no combate às diarreias crónicas e em xarope para a cura de tuberculoses, bronquites e dispepsia.

Indicado para crianças; de fácil digestibilidade, dietética e agradável. O puré de bananas é um alimento rico para lactentes (sete a oito meses).

Aplicação:

a banana possui grande eficácia antidiarreica, por isso pode curar transtornos agudos digestivos em crianças, inflamações do intestino grosso e até a celiaquia – uma grave alteração intestinal e alimentar crónica.

A banana faz aumentar as reservas alcalinas necessárias no sangue. Possui sacarose e abundante conteúdo em vitamina C. O regime de bananas dá mais saúde e alegria às crianças. Fácil absorção da sacarose, boa digestibilidade. O famoso batido de banana com leite é indicado para doentes graves, febris e subalimentados, para as grávidas e lactentes, para os desportistas, operários braçais e para pessoas idosas com pouco apetite e formação insuficiente de suco gástrico.

Composição

: frutose e glicose (açúcar invertido) e nenhum amido.

Curiosidade:

Os soldados do Congo curam feridas com a seiva da bananeira. As flores da bananeira podem ser comidas como legumes, tal qual se faz no Ceilão.

Cidra

(Citrus Medica) –

A cidra é um tipo de limão galego, de tamanho acentuado. Árvore originária da Ásia.

Medicinal:

dor de cabeça (aplicação da casca fresca, em rodelas sobre a testa); prisão de ventre (infusão das sementes juntamente com pétalas de rosa comum); perturbações do aparelho digestivo (indigestão, inapetência, flatulência – ingerir uma xícara de infusão da casca seca de cidra, tomado em jejum).


Aftas

fazer bochechos com suco de cidra.

Propriedades:

proteínas, sais, calorias e vitaminas (A, B1, B2, B5 e C).

Cereja
(Prunus Avium) –

A cereja é uma fruta pequena, redonda e geralmente vermelha (existem cerejas amarelas e roxas).

A cereja pode ser classificada segundo seu grau de acidez.

Contém proteínas, cálcio, ferro e vitaminas A, B e C.

Quando consumida fresca, tem propriedades refrescantes, diuréticas e laxativas. Como a cereja é muito rica em tanino, pode provocar problemas estomacais.

Não é aconselhável consumir mais de 200 ou 300 g da fruta por dia.

Coco
(Cocos Nucifera) –

O valor nutritivo do coco varia de acordo com o seu estado de maturação. À medida que a polpa amadurece, aumenta o seu teor de gorduras. Também contém sais minerais, como potássio e fósforo, e proteínas importantes para o bom funcionamento do organismo.

A água de coco contém sais minerais, como sódio, potássio e cloro, e um tipo de açúcar muito fácil de digerir, a glicose.

A gordura do coco tem características bem diferentes das demais gorduras e óleos vegetais, parecendo-se mais com as gorduras animais. Também é digerida com facilidade e tem sabor mais agradável que as outras gorduras vegetais.

O leite de coco é rico em gordura e sais minerais, contendo também pequena percentagem de proteínas.

Figo

(Ficus carica) –

Família:

Moráceas.

Quando maduro, o figo contém bastante açúcar. É rico em vitaminas e sais minerais, principalmente ferro. Também tem propriedades digestivas e laxativas. O figo seco contém mais calorias do que o fresco, porém menos vitaminas, que se reduzem durante o processo de desidratação.

Composição:

energético, fibras indigestíveis, ácidos de fruta. Cem gramas de figos secos contêm: proteínas 3,4; gorduras 0,8; hidratos de carbono 60; calorias 260; vitaminas A 60 (U.I. – unidade internacional); B1 120; B2 80; C 5mg; ácido nicotínico 1,7mg.

Indicação:

um dos melhores remédios para a prisão de ventre, regular o fluxo biliar e como meio facilitador das secreções (devido aos ácidos de frutas e fibras indigestíveis).


Prisão de ventre:

nas obstruções intestinais parciais, dar de manhã e em jejum, ou então no lanche, de 150 a 250gr de figos secos, depois de terem estado de molho, 12 a 24 horas. Igual quantidade se deve administrar nas doenças hepáticas e nos cálculos biliares, mas precisamente nos períodos não coincidentes com ataques agudos destas doenças.

Para facilitar a expectoração na bronquite, dar figos desfeitos numa boa infusão bronquial (?), da qual se deve beber uma xícara, várias vezes por dia.

O figo cozido com leite é um excelente remédio para úlceras gástricas, inflamações da boca e da laringe, tosse e bronquite. Excelente laxante, com propriedades emolientes, e se comido cru, em jejum, é vermífugo.

Com o pó de figos torrados, faz-se uma espécie de “café” recomendado contra bronquite e coqueluche.

Framboesa

(Rubus idaeus) –

Composição:

nas folhas há ácido tânico, ácido láctico, ácido succínico e ácidos não saturados, e nos frutos há a pectina, glicose e ácidos de fruta. As sementes secas ao ar obtém-se 13,5% de um óleo pouco espesso e de cor verde amarelada. A fruta possui frutose.

Indicações:

as folhas da framboesa têm efeito antidiarreico e anti inflamatório. Em inflamações das gengivas e de garganta usar a folha por infusão e fazer gargarejos para acalmar. A fruta excita o peristaltismo intestinal de um excesso de ácidos pela sua grande riqueza em bases.

A cura pela framboesa é indicada contra a prisão de ventre, e reumatismo e outras doenças metabólicas, sobretudo contra as doenças do fígado, dos rins e hemorróidas.

Boa para equilibrar a falta de vitaminas no organismo pois ela apresenta um conteúdo abundante de vitaminas.

O suco de framboesa com água é indicado para tirar a sede e ajudar na cura de doentes com febre

Uso:

folhas de framboesa com folhas de amoreiras são recomendados em catarros, nas irritações e inflamações das vias gastrointestinais, nas diarreias e catarros inflamatórios do intestino grosso e nas hemorragias por hemorróidas.

Utilizado para melhorar o sabor de remédios farmacêuticos. Em compotas, doces, pastéis, etc.

Nota:

A framboesa não é uma árvore; é um arbusto que mede aproximadamente a altura da cintura ou menos se for podada ou mais alta quando velha, podendo até ser cultivada em vasos dentro de casa.

Cuidar para não deixar a terra sempre húmida, manter ao alcance do sol.

Tem espinhos e folhas verdes claras.

A fruta é oca por dentro.

Laranja


(Narrangui, Citrus sinensis) –

Os nutrientes da laranja diferem conforme a variedade da fruta. Porém, de forma geral, qualquer tipo de laranja contém quantidades apreciáveis de sais minerais, principalmente cálcio, potássio, sódio e fósforo. A laranja também é rica em vitaminas do complexo B, contém um pouco de vitamina A e é considerada a melhor fonte de vitamina C (duas laranjas por dia fornecem a quantidade de vitamina C de que o organismo precisa). Além disso, a laranja contém açúcares simples, que são facilmente assimilados pelo organismo. Da flor e da folha da laranjeira extraem-se óleos e essências usados na medicina caseira.

O sumo é um remédio para muitas enfermidades, pois contém princípios açucarados, estimula o paladar, abre o apetite, acalma a sede, favorece a secreção da bílis e facilita a digestão.

Vitaminas:

A, B1, B2 e C.

Medicinal:

A laranja consumida na alimentação cura febres, asma, gripes, resfriados, pneumonia, histerismo, nervos, dor de cabeça, escorbuto, ácido úrico, cólera, stress, depurativo do sangue e muitas outras doenças.

O chá da casca secada na sombra contém vitamina C.

O suco recompõem o corpo todo e elimina muitas doenças.

O bagaço é cítrico e regula os intestinos e regenera os outros órgãos do corpo.

Inclua a fruta na alimentação diária.

Folhas e flores:

atuam como antiespasmódico.

A fruta não tem contra-indicação.

Indicações:

dissolve cálculos renais, abre o apetite, é digestiva, cura úlceras e serve contra a prisão de ventre – tomar o chá da casca e o sumo da fruta.

O suco: remédio contra a papeira e a gengivite.

 

· Pode ser consumida pelos diabéticos sem restrições (pouca concentração de açúcar – 5%).

· Com a casca cristalizada, a laranja se torna um excelente excitante de apetite.

· A “água-de-flor-da-laranjeira” é bastante conhecida por suas virtudes espasmódicas.

 

Óleo da laranja – essência

Parte usada:

casca da laranja.

Propriedades:

anticoagulante, anti depressiva, antiespasmódica, carminativa, desintoxicante, digestiva, diurética e sedativa.

Indicações:

acidez estomacal, ansiedade, cólicas no aparelho digestivo, flatulência, histeria, má-digestão, nervosismo e taquicardia.

Cuidados:

ao usar a essência de laranja na pele, evite se expor ao sol, pode irritar a pele.

Lima


(Citrus sp.) –

O sumo de lima é apropriado nos casos de hipercloridria, úlceras gástricas, acidez gástrica e afecções renais. Ajuda a combater o escorbuto, em virtude de seu elevado teor de vitamina C.

Chupar lima pela manhã é aconselhável no caso de dermatoses decorrentes das impurezas sanguíneas.

Segundo pesquisas do Dr. Teófilo Ochoa, “a lima é excelente contra as infecções, a neurite, o raquitismo, a pelagra.”

Em caso de flatulências, aconselha-se a casca da lima, em infusão, após as refeições. Para combater enxaqueca utilizar a folha da limeira, aplicando como cataplasma, junto às têmporas.

Composição química:


hidratos de carbono, calorias, proteínas, sais.

Vitaminas:
B2, B5 e vitamina C.

Limão


(Citrus limonum, Osbeck) –

Composição:

calorias, água, carboidratos, lipidios, cinzas, vitaminas A, B1, B2 e vitamina C, além de potássio, cálcio, fósforo e ferro.

Cura mais de 150 doenças.

Medicinal:

purifica o sangue, ajuda no metabolismo em todos os órgãos do corpo. Cura doenças respiratórias, do baço, tosse, bronquites, gases, infecções hepáticas, hidropsia, é tónico, sudorífero e anti-escorbútico.

Uso:

De preferência utilize o sumo ou a casca seca. Fazer um copo de chá durante 4 dias por uma semana. Intercale dois dias e repita a dose, por várias vezes.

O seu ácido é natural, chamado Ácido Ascórbico ou vitamina C; tem o poder de eliminar a acidez estomacal, as azias, o ácido úrico e tem um grande poder alcalinizante. O nosso sangue precisa de ser alcalino, pois é justamente no sangue que se situam a maior parte das doenças. O limão é um poderoso depurativo (purificador do sangue).

Sobre a crença popular de que o limão corta o sangue: o limão faz o contrário; afina e fortifica o sangue, limpando-o. Por isso é tão recomendado para quem sofre de varizes e pressão alta.

O limão é um poderoso bactericida, uma espécie de antibiótico natural.

Pode acontecer que inicialmente o limão prenda um pouco o intestino; resolve-se isso tomando uma colher de mel puro de abelha num copo de água ao deitar ou em jejum e também comer verduras cruas.

O limão aquece o nosso organismo, pois tem cerca de 44 calorias em 100 gramas de suco, sendo por isso muito indicado juntamente com o alho e o mel para combater gripes, pois elas são desequilíbrios de temperatura.

O limão também é um poderoso cicatrizante.

A essência da casca do limão (o óleo da casca)

Parte usada:

casca.

Propriedades:

anti-reumática, anti-séptica, bactericida, depurativa, diurética, estimulante, estomáquica e tónica.

Indicação:

acidez, anemia, calos, células mortas, desintoxicante, diabetes, doenças infecciosas, dores em geral, flatulência, gripes, hipertensão, nevralgias, oleosidade da pele, retenção hídrica (líquido), reumatismo, tosse e verrugas.

Cuidado:
ao usar a essência (ou qualquer parte – o sumo) de limão na pele, não se exponha ao sol ou poderá sofrer queimaduras sérias (mesmo pequenos respingos do sumo podem manchar a pele.

Maçã


(Pirus malus) –

A maçã além de óptimo alimento é remédio. Uma maçã por dia ajuda a combater o câncer, enfarto, é indicado nas doenças do sistema nervoso, artritismo em geral, doenças infantis, doenças respiratórias, digestivas, dietas alimentares, baixa a febre, fornece fosfatos ao cérebro, cálcio aos ossos, ferro ao sangue, purifica o organismo, desinfecta e cura sem prejudicar, entre outras.

Composição:

83,9% de água, 0,4% de proteína, 0% de gordura, 13,3% de hidrato de carbono, 0,65% de amidos de fruta, 0,6% de minerais, 1,7% de excesso de bases, 59% de calorias. Além de sódio, potássio, magnésio, fósforo, enxofre e cloro, provou-se a presença do ácido salicílico e de alumínio.

Aplicação:

catarro gastrointestinal, disenteria ou paratifo.

A maçã incha, absorvendo água e produtos intestinais tóxicos.

O grande conteúdo em tanino da maçã actua como adstringente contra inflamação. Em casos de diarreia e disenteria infantil. A pectina encontrada na casca da maçã quando na corrente sanguínea tem a propriedade de acelerar o processo de coagulação, o que a torna um remédio eficaz para a hemofilia (hemofílicos) – lavar bem a casca devido a aplicação de agro tóxicos.

Para inflamações renais, hidropisia, doenças do coração e dos vasos, favorece ainda os rins e o fígado.

Usada também em regimes de emagrecimento.

Para anémicos e intelectuais devido ao arsénio, ferro e fósforo.

A criança que comer a maçã todos os dias ficará protegida contra as infecções.

Remédio tónico e sedativo, o sumo é refrescante.

A prisão de ventre é tratada com êxito, pela sidra de maçã, e em todas as enfermidades inflamatórias do sistema nervoso central.

Se usada diariamente exerce um efeito fortalecedor e tónico, que convém ser utilizado como reforço na gota, reumatismo, doenças de fígado e rins, hipertensão, transtornos cardíacos e erupção cutânea.

O éter contido na maçã actua como potente sedativo do sistema nervoso e das fibras musculares. É um nervino mais activo que a valeriana, e por isso favorece o sono, acalma as dores e enxaquecas, assim como alivia as cólicas menstruais.

A maçã é especialmente indicada em todas as afecções ligadas directa ou indirectamente ao artritismo, tais como a gota, reumatismo, ciática, herpes, eczema e litiases de toda a espécie, e nos próprios casos de cálculos ou pedras renais, hepáticas e vesiculares e em todas as afecções provenientes da intoxicação úrica.

É útil para as crianças que padecem de disenteria, de dispepsia aguda ou crónica e de colite simples ou mucosa, que geralmente cedem a esse tratamento, fazendo descer a febre, tornando as fezes normais.

A polpa desse, além de conter todos os predicados curativos para vencer as enterites, causadoras principais da mortalidade infantil, contém todos os predicados alimentares de alta qualidade para nutrir convenientemente. Produz rápidos e surpreendentes resultados no tratamento da enterite ou diarreia infantil, basta suprimir-lhes o leite e todas as drogas que as terapêuticas alopáticas costumam prescrever em tais casos, e ministrar-lhe a polpa de maçãs.

Graças ao seu conteúdo de ferro, a maçã fornece resultados especiais no tratamento de tuberculose, bronquite e asma. É o mais apropriado fruto para doentes dos órgãos digestivos. Combate à acidez do estômago porque provoca abundante secreção salivar. Desinfectante intestinal em razão do ácido málico que possui, o qual neutraliza a acção dos germens patológicos. Óptima para os intestinos.
Remédio por excelência na maioria dos males do aparelho digestivo.

Para as pessoas que se preocupam com a manutenção do peso, a maçã é um alimento que oferece quantidades mínimas de gordura. Entre os hidratos de carbono, o mais importante que fornece é a frutose, um elemento energético que vai directamente para o sangue. Quando comida em jejum e antes das refeições principais, devido ao seu conteúdo em celulose, sais de frutos, açúcar e substâncias derivadas, faz o efeito de um laxante suave.

 

· Indicado também para o tratamento de doenças crônicas da pele, sífilis e obesidade.

· Uma das capacidades mais importantes da maçã é a de dissolver os cálculos renais vesiculares e de se opor a própria formação do ácido úrico.

· Normalizador por excelência e eupéptico de valor incontestável.

· Por conter bromo, a torna recomendável para ser ingerida a noite, proporcionando um sono tranquilo e restaurador.

· É um alimento quase completo que traz benefícios para as pessoas de vida sedentária, assim como nos casos de astenia física e intelectual, esgotamento, convalescença, úlceras gástricas, gastrite, cefaleia, afecções brônquicas, prisão de ventre e colite.

· É um excelente rejuvenescedor dos tecidos.

· Também aconselhado para diabéticos.

· Possui a propriedade de impedir a precipitação do colesterol e ainda favorecer a sua eliminação.

· No uso tópico o sumo da maçã ajuda a firmar os tecidos.

· As afecções da garganta em geral se curam com uma dieta de maçãs.

· Desinfecta a boca (assepsia).

 

Manga


(Mangifera indica) –

Composição:

água, carboidratos, proteínas, gorduras e sais. Vitamina A, B1, B2, B5 e C, e terebintina.

Propriedades medicinais:

A casca da árvore é usada contra hemorragia uterina, leucorréias e sarna.

A resina que se retira do tronco é usada como depurativa e também contra disenteria e a sífilis, e a seiva dos galhos como antidiarreico.

Contra a asma usar as folhas novas.

As sementes assadas e secas(esmagadas no pilão) são indicadas contra vermes e a menorragia.

A polpa da fruta é usada para fazer medicamentos peitorais, e as cascas da fruta, de cocção (cozinhar) para tratar das cólicas em geral.

O chá da folha (cozinhar) combate bronquites e enfermidades da boca e o chá do caroço (cozinhar) pode-se usar contra lombrigas e parasitas.

Na homeopatia tem-se indicado remédios da mangueira para casos de hemorragias uterinas, problemas renais, gástricos, pulmonares e intestinais, inflamações catarrais, varizes, leucorréia e blenorragia.

Contra-indicações:

há pessoas que não podem fazer uso da fruta devido a algum componente desconhecido por mim, que pode sufocar a pessoa se não for tratada de imediato (pode ficar com cara de inchado).

Relato popular.

Maracujá


(Passiflora macrocarpa) –

É rico em vitaminas do complexo B e sais minerais, como ferro e fósforo. Além disso, também contém uma substância, chamada passiflorina ou paracujina, que tem propriedades sedativas, mas não é prejudicial pois não causa dependência.

O fruto contém sais e vitaminas. Em geral são soníferos.

Famoso por ser calmante. Rico em vitamina
C.

Cada espécie tem sua aplicação na medicina doméstica, mas todos de um modo geral são soníferos.

As folhas do maracujá-da-bahia e do maracujá-cheiroso, em banhos quentes, são indicados contra a gota; e as sementes, também as do maracujá-pintado, são vermífugas.

A raiz do maracujá-branco, e as folhas do maracujá-com-folhas-de-louro, possuem propriedades emenagogas.

O maracujá-fedorento, aplicado em banhos e cataplasmas, para erisipela e inflamações.

O maracujá possui propriedades sudoríferas, anti-histéricas e vermífugas.

Contém calorias, carboidratos, vitaminas A, B1, B2, C; fósforo, cálcio e ferro.

Melancia


(Cucurbita citrullus) –

Uma das frutas mais refrescantes da natureza, a melancia deve ser consumida bem fresca e madura; do contrário pode causar cólicas e disenterias. Não abusar nem combiná-la com outros alimentos, principalmente as crianças.

Composição:

fósforo, cálcio, ferro, calorias, proteínas, gorduras, hidratos de carbono, vitamina A, B1, B2, B5 e vitamina C.

A melancia é muito diurética (que facilita a secreção da urina.

Medicamento diurético – citação: Dicionário Aurélio), e levemente laxante (purgante – que causa evacuação intestinal; purgativo).

Indicações:

levemente laxante e diurética. Indicada nos reumatismos e nas obstruções renais. A melancia lava o estômago e o intestino e traz muitos bons resultados nas enfermidades das vias urinárias. Vermífuga, antifebril, enérgica. Nos casos de ascite e obstrução renal é aconselhado o consumo de melancia.

Recomendada também para artrite, acidez gástrica, dispepsia, afecções dos rins e da bexiga.

As sementes pisadas são usadas pela medicina popular para combater moléstias do aparelho urinário.

Uso:

como diurética, vermífuga e antifebril comer uma fatia diária de melancia.

Externamente: a polpa e a casca trituradas, através de cataplasma ou em sumo em pinceladas, é excelente no tratamento de erisipela.

Contra as febres, o sumo de melancia é bastante eficaz, pode-se colocar também pedaços da fruta no abdómen.

As sementes, trituradas, acalmam as dores produzidas por ferimentos, além de reduzirem a hipertensão arterial (não indicou como usar as sementes).

Melão

(Cucumis Melo)

<!–[if !vml]–><!–[endif]–>O melão é produzido por uma planta da família das Cucurbitáceas, originária da Ásia e aclimatada no Brasil.

Pertence à mesma família da melancia.

Utilidades Medicinais:

Disenteria

– Triturar as sementes em água e um pouco de mel. Coar. Tomar morno e bem diluído, 3 xícaras por dia.

Doenças do Estômago
– Tomar esporadicamente o suco de melão. Substituir refeições por este suco. Triturar as sementes em água e mel; coar e tomar morno e bem diluído, 3 xícaras por dia.

Febre

– Proceder como indicado em disenteria, com a diferença de que o liquido ali indicado deve ser tomado fresco em caso de febre.

Insuficiência Hepática,
– Proceder como indicado em estômago.

Inapetência

– Triturar as sementes em água e mel (no liquidificador). Coar e tomar bem diluído, duas horas e meia antes da refeição.

Reumatismo

– Fazer refeições só de melão, esporadicamente. Passar um ou dois dias por semana só com melão, quando se deve manter repouso.

Morango


(Fragaria vesca) –

Composição:

nas folhas há substâncias tónicas e óleo essencial com citral.

Os frutos contém ácidos de frutas e sementes não digeríveis, pigmentos e substâncias aromáticas, levemente possuí ácidos gordurosos, enzimas, fermentos, secretinas e vitaminas.

Indicações:

as folhas se empregam da mesma forma que da amoreira e da framboesa, nas inflamações e catarros das vias respiratórias superiores e das digestivas.

O morango tem efeito estimulante do apetite, facilita a digestão, excelente alimento para o fígado pelo seu elevado teor de açúcares naturais.

As matérias aromáticas actuam nos nervos do olfacto e do paladar aumentando o apetite.

Um quilo de morango pode conter até um miligrama de ácido salicílico; tal ácido é um remédio para o reumatismo articular e para a gota.

Contra a prisão de ventre, hemorróidas, êxtase da circulação, reumatismo articular e gota, doenças dos rins, perturbações circulatórias e, com vigilância médica, até no diabetes e nas doenças hepáticas pode-se fazer a cura de morangos (vários dias repetidos, nos quais se comerá até um quilo e meio de morangos), que é eficaz.

Também aumenta o metabolismo em geral por ser rico em minerais básicos.

Contra-indicação:

há pessoas sensíveis ao morango, o que lhes causa irritação e ardor na pele (urticária). Isso porque o intestino está lesionado e permeável a um tipo de albumina (protease), que quando se introduz no sangue, provoca tais reacções (sendo que a origem pode ser hereditária). Para estas pessoas metabolicamente doentes aconselha-se o tratamento médico.

Contra inflamações da boca e garganta

– ferver 5 gramas de rizoma de morangueiro em um litro de água, após filtrar. Usar o líquido morno em bochechos e gargarejos várias vezes ao dia.

Acelerar a cicatrização de chagas e feridas

– esmagar umas folhas frescas do morangueiro e estenda sobre uma gaze. Aplique a compressa sobre a região atingida.

Como diurético

– colocar um grama de rizoma do morangueiro em uma xícara de água fervente. Filtrar e pode-se adoçar a gosto (mel). Beber em seguida. Repita a dose duas vezes por dia.

Contra catarro intestinal

– ferva em uma xícara de água, duas gramas de rizoma do morangueiro por dez minutos. Filtre o líquido e adoce a gosto. Beber em seguida.

Para aliviar a irritação da pele causados pelo frio, vento ou sol

– lave e esmague algumas folhas frescas do morangueiro. Aplique em forma de compressa sobre a região da pele que apresenta os avermelhamentos.

Como diurético, antifebril, anti-reumático e regulador da pressão arterial –

Comer seis frutas maduras por dia.

Contra-indicação: em doses altas pode tornar-se desaconselhável para os que sofrem de urticária ou outras moléstias eruptivas de pele (Consulte um médico antes de usar o morango).

Nêspera
(Nespereira –
Eriobotrya japonica, Nespilus Germanica) –

A nêspera é uma fruta pequena, de cor amarela e casca aveludada, erroneamente chamada de ameixa-amarela ou ameixa-japonesa.

É uma fruta rica em vitamina C e sais minerais, como cálcio e fósforo.

Medicinal:

diuréticos e exerce nos catarros intestinais uma acção energética anti inflamatória, donde provém a sua influência reguladora intestinal.

A polpa da nêspera contém:

0,35% de proteínas; não contém gordura; 11,5% de hidrocarbonatos (dos quais 9,5 são açúcares); 75% de água; 13,2% de celulose; 56 calorias; 0,44% de cinzas. Também contém pectina e tanino; ácidos cítricos, málico, tartárico e uma pequena quantidade de ácido bórico.

A semente contém 2,5% de óleos gordurosos.

O conteúdo em tanino e pectina justifica o seu efeito antidiarreico e regulador do intestino, assim como a sua acção adstringente e tonificadora da mucosa intestinal.

Receita:

1.000 gramas de nêsperas, 800 gramas de açúcar e 500 gramas de água tudo a cozer, durante 45 minutos, conservando-se depois em lugar fresco. Tomar durante várias semanas em jejum 20 cm cúbicos (não sei em colheres a medida) deste xarope.

Pêra

(Pyrus communis) –

Composição:

baixo conteúdo calórico (100g equivalem a 50 calorias). O conteúdo de ácidos é menor que o da maçã, mas tem mais açúcar (esta quantidade varia de 6 a 13% conforme a maturidade da fruta).

Valiosas substâncias minerais básicas, maior que na maçã. Contém cálcio, magnésio, não possui sódio e cloro. Possui excesso de potássio. Certa quantidade em ácidos fosfóricos e silícico, em enxofre e em óxido de ferro.

Precariedade em vitaminas – falta vitamina A.

Quantidade pequena em vitaminas; procaroteno (0,014 mg), vitamina B1 (0,065 mg) e B2 (0,1 mg), vitamina C (3 mg para cada 100 gramas).

Hidratos de carbono, abundantes nas paredes celulares da pêra; um destes é a pectina que absorve tóxinas intestinais (Stepp, Prof. Dr. med. Wilhelm, ABC der Gesundheit, Verlag Carl Gerber, München).

Indicações:

hidropisias e eliminação de inchaços edematosos característicos dos doentes do aparelho circulatório e dos rins, devido a sua grande quantidade em potássio e falta de sal, em combinação também pela falta (não possui) de proteínas e gorduras a torna eficaz nos tratamentos de eliminação de gorduras.

Eficaz no tratamento contra a obesidade (consumida crua ou cozida, combinadas as vezes com pão integral e iogurte no lugar da alimentação normal – não foi determinado o tempo de uso).

Possui leve acção diurética, depurativa e laxante.

A pêra crua pode ser pesada para doentes das vias gastrointestinais, mas cozida é digerível, não causando flatulência (cada caso deve ser analisado se é melhor crua ou cozida – pessoas sãs devem preferir peras cruas).

Em caso de haver grande sensibilidade de estômago e intestino, deve-se empregar o suco de peras cruas ou cozidas para conseguir a eliminação do sal e com ele a desidratação (pode combinar com outros tipos de sumos de frutas para uma cura a base de frutas).

 

Pêssego

(Prumus persica – Pessegueiro) –

O pêssego é uma fruta excelente do ponto de vista nutritivo, pois possui apreciável teor de vitaminas A, C e D e sais minerais (principalmente potássio). Quando fresco, tem grande quantidade de água, o que o torna indicado para doenças da bexiga e dos rins, pois é levemente diurético.

O caroço contém ácido cianídrico; este ácido é usado pela medicina homeopática para aplicar nas falhas do coração, nos colapsos graves e nas falhas dos capilares sanguíneos ou dos nervos vaso motores. Aconselha-se o uso de amêndoas de pêssego duas vezes ao dia.

Indicações:

enfermidades pulmonares, afecções do fígado, prisão de ventre, úlceras cancerosas, herpes, dores reumáticas, hipertensão arterial, anemia. Recomendada aos diabéticos, gotosos e tuberculosos. Colagogo, diurético, depurativo do sangue, desintoxicante.

O caroço do pêssego é empregado como remédio curativo nos êxtases pulmonares, especialmente na denominada “tosse cardíaca”.


Moído, macerado e triturado, regulariza o fluxo menstrual.

As folhas amassadas, externamente aplicadas, têm efeitos sedativos.

As flores, em infusão, com água ou leite, em forma de xarope, é um bom laxante infantil.

 

Uva

(Vitis vinifera – Europa)

A uva é uma fruta altamente energética por ser rica em carboidratos. Pela sua quantidade de água e sais minerais, ela activa os rins aumentando a eliminação de urina. Além de suave laxante, essa fruta actua contra várias enfermidades do intestino, fígado, abdómen, vómitos e amargo da boca, além de estimular as funções cardíacas.

Composição:

água 72,92%, albumina 0,38%, glicose 23,51%, outros hidratos de carbono 2,23%, cremor de tártaro 0,52%, ácido tartárico 0,29%, outros ácidos 0,29% e minerais 0,50%. 100 gramas de uva contêm 79 calorias.

Medicinal:

o sumo para a depuração do sangue para a renovação de plasma; comer a uva com casca e sementes para regular o funcionamento do intestino. Não causa apendicite.

As uvas devem ser muito bem lavadas.

Na defesa contra o esgotamento orgânico (desportistas), na anemia e em todas as fases de uma convalescença.

O sumo é um meio contra a obesidade – com auxílio de médico. Para doentes de estômago, fígado, intestino e circulação.

Indicação:

peitoral, refrescante, suavizante, depurativa, diurética, aperitiva, calmante, anti escorbútica, tónica e reconstituinte.

Purificador do sangue, enriquecendo-o de glóbulos vermelhos. Regulariza a circulação nas doenças do coração e a respiração nas moléstias pulmonares, refresca os intestinos, melhora as diarreias e as disenterias, tonifica o organismo.

Combate a dispepsia, a atonia intestinal, as fermentações intestinais, a nefrite, a bronquite crónica, moléstias do fígado, a síndrome pletórica, tuberculose.

Também o seu consumo é indicado para evitar enfermidades. Tem acção laxante e efeito desintoxicante.

Drena as vias biliares.

Para o sangue é a cura de uvas uma excelente indicação.

A cura de uvas

Receita 1: oscila entre oito, quinze, vinte ou trinta dias. Tomam-se, usualmente, 3 quilos por dia. Come-se a uva sem as sementes e a casca. Passados os primeiros dias, pode-se, conforme o caso, tomar maior quantidade.

Pode-se utilizar outras frutas para acompanhar.

Não se deve engolir nas pressas a uva, e sim degustá-la muito bem.

Cada pessoa deve consultar um médico para saber as suas necessidades para a melhor cura da uva – idade, capacidade digestiva, constituição,…. Para a prisão de ventre utilizar também a casca.

Para os rins é melhor o sumo.

Para o fígado recuse a uva moscatel.

Para todos os demais escolha a uva que melhor agradar.

Contra-indicaçãoRicas em açúcar, as uvas só não são recomendadas aos diabéticos e aos que fazem regimes de emagrecimento.