Céu Nossa Senhora da Conceição, "Xamã Gideon dos Lakotas", Cachorro – FIDELIDADE

Cachorro - FIDELIDADECachorro – FIDELIDADE
Você é sempre tão nobre, 
Até o amargo final. 
Sua lição é demonstrar 
À amizade 
Fiel e verdadeira.

Todas as tribos do Sudoeste e da planície dos Estados Unidos possuíam Cachorros. Estes nobres animais freqüentemente alertavam seus donos sobre a aproximação dos inimigos e dos perigos iminentes. Eles ajudavam os caçadores e eram uma preciosa fonte de calor nas longas noites de inverno. Como todas as matilhas possuem diversas linhagens, os Cachorros dos índios do passado eram meio selvagens. No entanto, esta metade selvagem de suas personalidades nunca foi motivo para que os cachorros traíssem a fidelidade inata que sentiam para com seus donos.

O Cachorro sempre foi considerado o servidor ideal do mundo animal ao longo de toda a história. Se uma pessoa pertence ao totem do Cachorro, ela certamente estará sempre servindo aos outros, ou à humanidade como um todo, de alguma forma. São típicos representantes do totem do Cachorro os filantropos, as enfermeiras, os defensores públicos, os soldados, os religiosos e todas as demais pessoas envolvidas em trabalhos de caridade.

O Cachorro era o guardião que protegia a tribo de um ataque surpresa. À figura arquetípica do Cachorro tanto engloba o amor carinhoso do melhor amigo, quanto a energia parcialmente selvagem do protetor que defende valentemente o seu território. Assim como Anúbis, o cão-chacal protetor do antigo Egito, o Cachorro sempre foi um guardião ao longo dos tempos. O Cachorro tanto foi o guardião do inferno quanto dos segredos e dos tesouros secretos, ou de indefesos bebes – enquanto suas mães estavam cozinhando ou trabalhando nos campos. O Cachorro honra seus donos e mantém-se leal à confiança nele depositada.

Ao examinar a carta do Cachorro, você pode ser assaltado pelas ternas lembranças do tempo de infância, quando seu Cachorro de estimação era o companheiro inseparável. A mensagem que o Cachorro 1 está tentando lhe transmitir é que você precisa desenvolver bastante seu senso de dever para com os demais. Os Cachorros são os servidores ideais, sendo inteiramente devotados a seus donos, numa medida que supera inclusive em muito a maneira pela qual são tratados.

Se o dono repreender asperamente, ou mesmo surrar seu Cachorro, ainda assim ele será capaz de dedicar amor a esta pessoa que o tratou mal. O Cachorro age assim não porque seja estúpido, e sim porque tem perfeita compreensão das limitações dos humanos e sente compaixão por eles. E como se um espírito tolerante tivesse se alojado no coração de cada Cachorro, fazendo de cada membro da família canina um ser que deseja apenas servir.

Todavia, também existem Cachorros que tiveram a fidelidade extirpada de seu interior à custa de pancadas. Estes Cachorros latem e rosnam ao menor sinal de desaprovação, mas não são estes os representantes verdadeiros de sua espécie. Algumas raças de Cachorros foram inclusive treinadas pelo homem para serem viciosas, agressivas e brutais, mas isto não corresponde em absoluto a. natureza verdadeira do Cachorro, refletindo, ao contrário, o espírito agressivo e destrutivo de seus proprietários. Assim, essas raças possuem uma memona genética alterada que falseia a percepção do que seja servir, para corresponder aos instintos violentos de seus mestres e donos.

A magia do Cachorro pede que você refuta em que medida seu senso de fidelidade tem sido inspirado, no fundo, por seu desejo de aprovação. Se você tirou a carta do Cachorro, existem algumas perguntas que você deve se fazer, dependendo do motivo de sua consulta:

1. Será que eu tenho me esquecido de que os outros têm tanto direito quanto eu de manterem-se fiéis às suas próprias verdades?

2. Os boatos ou opiniões alheias sabotaram a amizade ou o respeito que eu sentia por amigos ou colegas de trabalho?

3. Será que eu menosprezei ou ignorei alguém que procurava ser um amigo fiel?

4. Eu tenho me mantido fiel às minhas crenças e aos meus objetivos de vida?