Capítulo II – Meditação e Alimentação

Capítulo II

 

Almeja ser um com Deus, manifestar Deus em vida terrena? A meditação permite isso.

Na meditação sua mente relaxa, mas não adormece. Silencia, mas se mantém acesa. Embora serena e calma, se encontra mais perceptiva.

A mente racional é agitada, busca por movimentação e sensações. Busca manter-se no passado ou no futuro, mas nunca no presente.

Quando sua mente adormece o turbilhão de pensamentos, movimentação e sensações se encerram.

Na meditação a mente se mantém tal quando adormece, mas está acordada.

Então, meditação consiste em relaxar a mente sem adormecê-la, esse é o treinamento e é a persistência que o leva à perfeição.

Uma alimentação adequada é importante à meditação, mas não imprescindível. Isso porque a saúde é o estado natural do Ser, da essência, faz parte de Deus.

Não é o regime alimentar que propicia uma maior consciência de Deus, mas sim uma maior consciência de Deus que o faz aderir um regime alimentar mais digno.

No início, lá atrás, o homem se alimentava de tudo, se mantinha onívoro e assim foi vivendo experiências terrenas.

Em um dado momento de suas encarnações e experiências vivenciadas, opta por uma alimentação vegetariana.

Mas em primeira estancia o faz por pensar que será melhor à saúde, ou porque observou outras pessoas praticarem o vegetarianismo, ou por puro modismo religioso que apregoa que o vegetarianismo é caminho que leva à Deus.

Contudo, estes desconsideram que o homem nasce com existência forte, que nada que entra pela boca conduz a Deus e sim o que sai dela.

Desconsideram que seu encontro com Deus acontecerá unicamente por condições internas, como o silêncio pleno de sua mente, e jamais por condições externas, como ser vegetariano ou não.

Crer que seu encontro com Deus dependerá do regime alimentar que mantém, ainda é coisa do homem ilusão, o qual desconhece a natureza invencível, perfeita e feliz, que tem o Ser.

O Ser é o real, é a única realidade, portanto a fortaleza, a saúde e a felicidade são a única realidade, já que são o natural estado do Ser.

A essência não se ocupa em demasia com a fraqueza, a doença e o sofrimento, porque fraqueza, a doença e o sofrimento são irreais, não existem, são ilusões.

Frequentar as Sessões Mediúnicas Ascensionadas e praticar o que ensinamos aqui na Fazenda, faz com que viva rapidamente a consciência do Ser e seu natural estado de Deus, como a força, a saúde e a felicidade, ultrapassando as situações irreais e ilusórias do plano da matéria grosseira como a fraqueza, doença e sofrimento.

Procurar aprender e aplicar a meditação, tal qual ensinamos aqui, é o primeiro passo a ser dado, porque te conduz a harmonia com o universo te mantendo na sintonia da Mente Universal.

Deixar de comer carne para ser vegetariano virá naturalmente à mente harmônica, acontece sem forçar, sem solavancos.

Na inoptável busca do Ser por Deus, a consciência é a questão.

Deixar de comer carne vermelha para somente comer peixe, precisa sim acontecer, mas não porque melhora a saúde ou facilita o estado meditativo, mas sim por questão da consciência do Ser em sua busca inoptável pelo Divino.

Deixar de comer peixe para manter regime macrobiótico, precisa sim acontecer, mas não porque melhora a saúde ou facilita o estado meditativo, mas sim por questão da consciência do Ser em sua busca inoptável pelo Divino.

Deixar as demais formas de alimentação para seguir rigorosamente o vegetarianismo, precisa sim acontecer, mas não porque melhora a saúde ou facilita o estado meditativo, mas sim por questão da consciência do Ser em sua busca inoptável pelo Divino.

Deixar o vegetarianismo e aderir completamente ao Simbiotismo Universal, precisa sim acontecer, mas não porque melhora a saúde ou facilita o estado meditativo, mas sim por questão da consciência do Ser em sua busca inoptável pelo Divino.

Em sua jornada na busca de Deus, o homem ao alcançar a consciência, compreendendo que há vida consciente também nos animais, naturalmente não comerá mais animais e adotará um regime exclusivamente vegetariano.

Essa é uma atitude legítima do Ser que cresceu em sua inoptável busca por Deus.

Contudo, em sua jornada na busca de Deus, o homem ao alcançar a consciência, compreendendo que há “vida consciente” tanto em animais como em vegetais.

Compreende que a consciência é maior ou menor, se comparado um ao outro, mas que a vida é a mesma em ambos.

Compreende que assassinar consiste em retirar a vida, não importando espécie ou nível de consciência, então naturalmente deixará o vegetarianismo e adotará a alimentação simbiótica.

Na alimentação simbiótica não mais se assassina vidas para comer, sejam estas vidas animais ou vidas vegetais.

Essa é uma atitude legítima do Ser que cresceu em sua inoptável busca por Deus.

 

Muito obrigado a todos por existirem…

Xamã Gideon dos Lakotas.

Compartilhar

Veja Também

Capítulo VII – O Caminho da Iluminação

Capítulo VII   Nesse capítulo transcrevemos a palestra “O Caminho da Iluminação”, também de autoria …