Plantas que Curam

ABÓBORA

Cucurbita pepo: Adstringente, laxante, diurética, alcalinizante. A decocção da polpa é indicada nos casos de diarreia e gases; o sumo da polpa para prisão de ventre. O cataplasma das folhas são indicadas em casos de queimaduras, inflamações e dores de ouvido. É um excelente vermífugo, principalmente para crianças. É tônico para o cérebro, fígado, rins e intestinos

ACARIÇOBA

Hydrocotyle bonariensis, umbellata L.: anti-reumática, emética, diurética, desobstruente do fígado e dos rins, purgativa, aperiente, anti-hidrópica. O suco da planta combate sardas e manchas dérmicas, erisipelas, escrófulas, sífilis e afecções tuberculosas. Calmante, diurético, tônico cerebral, hipertensão arterial. Toxicologia: não deve ser usada por gestantes, as folhas em altas doses são tóxicas.

AÇAFRÃO

Crocus sativus L.: É usado como um preventivo para doença de coração, e previne a formação de colesterol. Também é usado para acalmar as membranas do estômago e cólon. Não deve ser tomado em doses grandes, nem deve ser tomado por mulheres grávidas, pois é planta venenosa e sempre deve ser tomado sob consulta. Sedativo e antiespasmódico, estimulante difusivo, emenagogo, antiespasmódico.

ACELGA

Beta vulgaris var. cicla: Laxante, emoliente, tônico estomacal, antirreumática, estimulante das funções cerebrais. São usadas contra cálculos da vesícula e suas folhas como cataplasma em furúnculos e feridas. Quando misturada em partes iguais com o suco do agrião, combate os cálculos biliares (toma-se 1 copo em jejum).

AGRIÃO

Nasturtium officinalis: Estimulante, depurativo, tonificante, vermífugo, cicatrizante e balsâmico. Combate o escorbuto, cálculos renais, gota, artrite, reumatismo e gases intestinais. O chá das folhas é diurético e indicado como emplasto no pescoço, junto com a argila, para curar a glândula tireoide. Toxicologia: Quando usado em excesso provoca irritação no estômago e vias urinárias.

AIPO

Apium graveolens: Mais familiar como um legume que como uma erva medicinal, aipo encontra seu uso principal no tratamento para reumatismo, artrite e gota. Contendo apiol, as sementes são também utilizadas como um antisséptico urinário. Aipo é bom para a limpeza do intestino, é diurético, e as sementes são utilizadas especificamente para problemas de artrite. As sementes também têm uma reputação como um carminativo e como um tranquilizante de efeito moderado. Os talos são menos significantes medicinalmente. Antirreumático, antiespasmódico, diurético, antisséptico das vias urinárias.

ALCACHOFRA

Cynara scolymus L.: Em forma de decocção, 80g/litro de água pode ser usado contra cálculos biliares, 20g/l de água fervido durante 5 min é ótimo como diurético. Estimula as funções hepáticas e da vesícula biliar, abaixa o nível de colesterol, é laxante e auxilia nos regimes de emagrecimento. Tenra e crua faz bem nos casos de anemia debilidade geral e raquitismo. É também um antidiarreico eficaz.

ALECRIM (Rosmarinus officinalis L.)

Indicações: estimulante digestivo e para falta de apetite (inapetência), contra azia, para problemas respiratórios e debilidade cardíaca (cardiotônico), contra cansaço físico e mental, combate hemorroidas, antiespasmódico (uso interno) e cicatrizante (uso externo).

Parte usada: folhas

Preparo e dosagem:

– xarope – para 1/2 litro de xarope adicionar o suco de 4 xíc. de cafezinho de folhas frescas, tomar 1 colher de sopa a cada 3 horas (para problemas respiratórios).

– infusão – 1 xíc. de cafezinho de folhas secas em 1/2 litro de água, tomar xíc. de chá a cada 6 horas.

– tintura – 10 xíc. de cafezinho de folhas secas em 1/2 litro de álcool de cereais ou aguardente, tomar 1 colher de chá 3 vezes ao dia em um pouco d’água (para a maioria das indicações, inclusive hemorroidas).

– pó – as folhas secas reduzidas a pó têm bom efeito cicatrizante.

Outros usos: Usam-se ramos em armários para afugentar insetos.

Toxicologia: em altas doses pode ser tóxico e abortivo.

ALECRIM-PIMENTA (Lippia sidoides)

Indicações: para impingem, acne, pano-branco, aftas, escabiose, caspa, maus odores dos pés, axilas, sarna-infecciosa, pé-de-atleta, para inflamações da boca e garganta, como antiespasmódico e estomáquico. Seus constituintes químicos lhe conferem forte ação antisséptica contra fungos e bactérias.

Parte usada: folhas secas ou frescas.

Preparo e dosagem:

– infusão – 1 colher de chá de folhas picadas para cada xíc. de água, tomar 2 a 3 xíc. por dia.

Preparo e dosagem:

– tintura – 200 a 300 g de folhas frescas com 1/2 l de álcool e 250 ml de água. Usar como loção em lavagens e compressas. Para gargarejos e bochechos usar a tintura diluída em duas partes de água.

ALFACE

Lactuca sativa: Laxante, eupéptica, mineralizante, desintoxicante, diurético, antiácido, antirreumático e sonífero. É utilizada como calmante e como base para produtos de beleza (rejuvenescedores). É útil também contra a insônia, excitação nervosa, palpitações, reumatismo, hipocondria e conjuntivites.

ALFAFA

Medicago sativa: Analgésico, diurético (frutos) e antiespasmódico. É uma das plantas mais usadas pela indústria para a obtenção da vitamina K e clorofila. É indicada nos casos de anemia e deficiência em vitamina K e cálcio. Nesses casos, usa-se o chá e o suco das folhas.
Toxicologia: Quando consumida fresca causa distúrbios tais como inchações e inflamações internas.

ALHO (Allium sativum L.)

Indicações: contra hipertensão, picadas de inseto, diurético, expectorante, antigripal, febrífugo, desinfetante, anti-inflamatório, antibiótico, antisséptico, vermífugo (lombriga, solitária e ameba), para arterioesclerose e contra ácido úrico.

Parte usada: dentes (bulbilhos)

Preparo e dosagem:

– maceração – esmagar um ou dois dentes de alho dentro de um copo com água. Tomar um copo três vezes ao dia (para gripe, resfriado, tosse e rouquidão).

– tintura – moer uma xíc. (cafezinho) de alho dentro de um recipiente contendo 5 xíc. de álcool 92o GL, deixar em maceração por 10 dias, coar. Tomar 10 gotas em meio copo de água três vezes ao dia, para problemas do aparelho respiratório (gripes, etc.). Para hipertensão utilizar uma colher de chá da tintura em meio copo de água três vezes ao dia ou comer dois dentes de alho pela manhã.

– vermífugo – comer três dentes de alho pela manhã em jejum durante sete dias.

– dores de ouvido – amassar um dente de alho em uma colher de sobremesa de azeite morno. Pingar três gotas no ouvido e tampar com algodão.

– arteriosclerose – comer na alimentação 3 dentes de alho cru picado, 3 vezes por semana, durante 3 meses.

Toxicologia: contra indicado para pessoas com problemas estomacais e de úlceras, inconveniente para recém-nascidos e mães em amamentação, e ainda em pessoas com dermatites. Em doses muito elevada, pode provocar dor de cabeça, de estômago, dos rins e até tonturas.

ALFAVACA ANISADA

Ocimum basilicum var. anisatum: Aromática, estimulante, sudorífica, diurética, antiespasmódica, carminativa e béquica; utilizada no tratamento de vertigens, desmaios e enxaquecas nervosas.

ANIS

Pimpinella anisum L.: Desde a antiguidade ela tem sido utilizada como um tempero saboreado em receitas e como diurética, para tratar problemas digestivos e para aliviar dor de dente. Sementes do anis são conhecidas pela sua capacidade de reduzir flatulência e cólica, e para melhorar a digestão. Eles são comumente dados aos bebês e crianças para aliviar a cólica, e para pessoas de todas as idades que sentem náuseas com facilidade e sofrem de indigestão. Também é usada como um expectorante e possui ação antiespasmódica e é prestativa em dores que persistem em longos períodos, asma, chiados, tosse e bronquite. A ação moderada sobre os hormônios que produzem leite, das sementes podem explicar sua capacidade para aumentar a produção de leite e sua reputação ao aliviar dores do parto e tratamento contra impotência e frigidez. O óleo essencial do anis é utilizado externamente para tratar piolhos e sarna. Reduz cólica e flatulência, promove digestão e é antiespasmódico.

ARNICA

Arnica montana L.: O uso de extratos de arnica e unguento reduz inflamação e dor de contusões, torções, tendões, deslocações e áreas inchadas. Arnica melhora a circulação do sangue e acelera o restabelecimento. É anti-inflamatório e aumenta a reconstituição de sangramento interno. O uso interno de arnica é restringido a dosagens homeopáticas, pois é potencialmente tóxico, germicida, inflamação muscular e dores musculares.

ARNICA DO CAMPO

Porophylum ruderale. (Jacq.) Cass.: Anti-inflamatória, cicatrizante, antibacteriana, antiartrítica, antimicótica, antidiabética, diaforética, emenagoga e calmante. É usada para tratamento de corrimentos, afecções do fígado, hepatite, inflamações da garganta, amigdalite e má digestão.

ARTEMÍSIA (Chrysanthemum parthenium Bern.)

Indicações: antileucorréico, emenagogo, antiespasmódico, febrífugo, para dores de cabeça, enxaquecas, artrites, diarreia, perturbações gástricas e insônia.

Parte usada: folhas e flores.

Preparo e dosagem:

– infusão – 2 a 3 folhas e 3 a 4 flores em 1 xíc. de chá com água, tomar 1 xíc. por dia. Outros usos: planta ornamental, repelente de insetos.

Toxicologia: Não deve ser utilizado durante a gravidez, pois exerce forte ação sobre o útero, podendo causar aborto.

ASPARGO

Asparagus officinalis: Pode ser usado na forma de decocção contra problemas do coração e é diurético, usando-se 50g de raiz para 1 litro de água, sem açúcar e entre as refeições. Contra a obesidade pode ser fervida 50 g de raiz em 3/4 de água e bebida durante o dia.

ASSA-PEIXE

Vernonia polyanthes Less.: Possui ação analgésica, anti-hemorrágica, expectorante, é eficiente contra gripes, resfriados, bronquites e tosses. Deve ser tomada na forma de infusão.

BABOSA (Aloe sp.)

Indicações: o suco das folhas é emoliente e resolutivo, quando usadas topicamente sobre inflamações, queimaduras, eczemas, erisipelas, queda de cabelo, etc. A polpa é antioftálmica, vulnerária e vermífuga (uso interno). A folha despida de cutícula é um supositório calmamente nas retites hemorroidais. É ainda utilizada externamente nas entorses, contusões e dores reumáticas.

Parte usada: folhas, polpa e seiva.

Preparo e dosagem:

– suco – uso interno do suco fresco, como anti-helmíntico.

– cataplasma – aplicar sobre queimaduras 3 vezes ao dia.

– supositório – em retites hemorroidais.

– resina – é a mucilagem após a secagem. Prepara-se deixando as folhas penduradas com a base cortada para baixo por 1 ou 2 dias, esse sumo é seco ao fogo ou ao sol, quando bem seco, pode ser transformado em pó dissolvido em água com açúcar, como laxante.

– tintura – usam-se 50 g de folhas descascadas, trituradas com 250 ml de álcool e 250 ml de água, a tintura é coada em seguida. Deve ser utilizada sob a forma de compressas e massagens nas contusões, entorses e dores reumáticas.

Toxicologia: não deve ser ingerida por mulheres durante a menstruação ou gravidez. Também deve ser evitada nos estados hemorroidários. Não usar internamente em crianças.

BARDANA

Arctium lapa L.: Na forma de cataplasma contra a artrite, em decocção e depois a raiz amassada é friccionada no couro cabeludo é ótimo contra queda de cabelos, cozidas com um pouco de leite combate hemorroidas, é diurética, depurativa, em forma de cataplasma cura furúnculos e úlceras.

BASILICÃO

Ocimum basilicum: Reduz níveis de açúcar do sangue. Também previne úlceras do estômago e outros estresses relacionados a condições de hipertensão, colites e asma. Basilicão é também utilizado para tratar calafrios e reduzir a febre, congestão e dores associadas. Possui propriedade bactericida e ação fungicida, folhas do basilicão são utilizadas em coceiras da pele, mordida de inseto e afecções de pele. Abaixa níveis de açúcar no sangue, antiespasmódico, analgésico, abaixa pressão sanguínea, reduz febre, fungicida, anti-inflamatório.

BERINJELA

Solanum melongena: Oxidante, remineralizante, alcalinizante, calmante, resolutiva, diurética, emoliente(folhas), digestiva. Reduz a ação de gorduras no fígado e diminuir o colesterol. Diminui o colesterol, combate a inflamação dos rins e uretra, as enfermidades do fígado e estômago. Suas folhas servem para o preparo de cataplasmas para queimaduras, abcessos e herpes. O suco do fruto é bom diurético.

BETERRABA

Beta vulgaris: antianêmico, tônico cardíaco, diurético e antirreumático. Combate inflamações, estresse, a anemia, facilita a digestão, regula os intestinos e controla a cor do sangue. O chá das folhas é ótimo para anemia. O tubérculo é alimentício.

BOLDO (Vernonia condensata Beker)

Indicações: aperiente, colagogo, colerético, desintoxicante do fígado, diurético e antidiarrético.

Usado popularmente para a ressaca alcoólica.

Parte usada: folhas.

Preparo e dosagem:

– infusão – 5 folhas por litro d’água, tomar pela manhã (para o fígado) ou após as refeições (contra diarreia).

– tintura – (aperiente) colocar 1 colher de folhas picadas para 1 xíc. de álcool neutro 70o GL, deixar macerar por 3 dias, tomar 1 colher dissolvida em água antes das refeições.

– maceração – 5 folhas em um copo d’água, tomar 2 a 3 vezes ao dia (ressaca alcoólica), recomenda-se tomar antes e após ingestão de bebidas alcoólicas.

Toxicologia: outras espécies do gênero Vernonia não apresentam nenhum efeito tóxico, exceto um glicosídeo cardiotônico encontrado nas raízes de uma das espécies na África. Não se aconselha o uso prolongado da planta.

BUVA

Erigeron bonariensis L.: Diurética, vermífuga, vulnerária, anti-hemorroidal, antidiarreico e antissifilítico. Afecções urinárias, feridas, úlceras, inflamação da próstata e testículos, corrimento, hidropisia e distúrbios hepáticos.

CALÊNDULA (Calendula officinalis)

Indicações: cicatrizante e antisséptico (uso externo). Sudorífico, analgésico, colagogo, anti-inflamatório, antiviral, antiemético, vasodilatador e tonificante da pele (contra acne).

Parte usada: flores e folhas.

Preparo e dosagem:

– pomada e tintura (uso externo) – feitos com folhas e flores, usar sobre as partes afetadas 3 a 4 vezes por dia. A tintura, diluída com água destilada ou fervida, pode ser aplicada diretamente em ferimentos diversos, exercendo excelente ação cicatrizante, utiliza-se 1 a 2 partes de água para 1 de tintura.

– infusão – 2 colheres de sopa de flores em 1/2 l d’água (emenagogo) ou 2 colheres de sopa de flores em 1 xíc. de chá de água (contra acne). No primeiro caso toma-se 1 xíc. de chá antes de cada refeição principal, começando 8 dias antes da menstruação e no segundo caso toma-se1/2 xíc. de chá de manhã e 1/2 xíc. à noite.

– cataplasma – folhas e flores tenras, socadas e empastadas, são aplicadas sobre ferimentos, sobre um pano limpo.

Calêndula é uma das melhores ervas para tratar problemas locais de pele. Infusão ou decocção de pétalas de calêndula diminui a inflamação de torções, picadas, varicose, veias e outras inchações e também acalma queimaduras do sol, erupções cutâneas e irritações da pele. Essa planta é excelente para inflamações da pele causadas por contusão, seu poder antisséptico e de restabelecimento ajudam a prevenir o alastramento de infecções e acelera o restabelecimento. Serve também na limpeza e desintoxicação, e a infusão e tintura são utilizadas para tratar infecções crônicas. Tomado internamente, tem sido utilizado tradicionalmente para promover a drenagem de glândulas linfáticas inchadas tal como amigdalite. Anti-inflamatório, adstringente, cura feridas, antisséptico, desintoxicante.

CAMBARÁ FALSO

Eupatorium squalidum DC: a planta é usada como emoliente, contra febres malignas, febres intermitentes e infecciosas.

CAMOMILA

Matricaria chamomilla L.: Suas flores ajudam na indigestão, nervosismo, depressões e dores de cabeça, sendo ideal para problemas relacionados às emoções tais como úlceras do estômago, colite, espasmos e indigestão nervosa. O óleo essencial da camomila tem poder anti-inflamatório, antiespasmódica e atividade antimicrobiana. É uma erva excelente para muitas desordens digestivas e para tensão nervosa e irritabilidade. Externamente, é utilizada para pele dolorida e eczema.

CANFRINHO

Artemisia camphorata Vill.: Antirreumática, antiepilética, calmante e antinevrálgica. Utilizada no álcool para dores musculares, picadas de insetos, distúrbios neurológicos e cardíacos, feridas, contusões e hemorragia uterina.

CAPIM-SANTO (Cymbopogon citratus)

Indicações: bactericida, antiespasmódico, calmante, analgésico suave, carminativo, estomáquico, diurético, sudorífico, hipotensor, antirreumático. Mais utilizado em diarreias, dores estomacais e problemas renais.

Parte usada: folhas

Preparo e dosagem:

– infusão – 4 xíc. de cafezinho de folhas picadas em 1 litro d’água, tomar 1 xíc. 2 a 3 vezes ao dia.

Toxicologia: pode ser abortivo em doses concentradas.

CARRAPICHINHO

Acanthospermum australe (Loefl.) Kuntze: A planta é tônica, diaforética, antiblenorrágica, antidiarreica, mucilaginosa e aromática. É usada também contra febre palustre e erisipela.

CARRAPICHO BRAVO

Xanthium cavanillesii Schouw: Adstringente, emoliente, antiescrófula, resolutiva, amarga, doença de pele, tumores, gangrena, câncer.

CARURU

Amaranthus deflexus L.: É o tipo mais comum, desenvolve-se prostrado; é rico em proteínas ferro, potássio, fósforo e cálcio; é preciso cozinhá-lo para eliminar o ácido nítrico.

CEREFÓLIO

Anthriscus cerefolium (L.) Hoffm: Fervido e tomado pela manhã em jejum é depurativo e diurético, e na forma de compressa pode ser usado em olhos cansados.

COENTRO

Coriandrum sativum L.: Possui ação antioxidante, coloca em ordem as funções gástricas e hepáticas. Para o fígado e o estômago pode ser feita uma infusão com 5 g do fruto descascado em uma xícara de água quente. Filtrado e adoçado deve ser bebido logo após as refeições.

CONFREI (Symphitum sp. L.)

Indicações: hemostático, anti-inflamatório, cicatrizante. Utilizando para favorecer o crescimento de tecidos novos em ulcerações, feridas e cortes, fraturas e afecções ósseas (onde age como indutor da produção calcárea).

Parte usada: rizoma, raízes e folhas.

Preparo e dosagem:

– cataplasma e banhos locais – várias vezes ao dia.

– emplasto – esmagar folhas em água morna e colocar diretamente sobre ferimentos (cicatrizantes), lavar e repetir 2 vezes ao dia. No caso de contusões e inchaços colocar o emplasto dentro de um pano antes de aplicar.

– tintura – 1 parte de sumo das folhas em 5 partes de álcool, preparar pomadas e unguentos.

Outros usos: foi muito utilizada como forrageira, pelo alto teor de proteína e excelente produção de massa verde.

Existem referências que tratam da presença de alcaloides cancerígenos no confrei, principalmente em folhas jovens. O uso externo sobre feridas pode promover rápida cicatrização externa, sendo que o processo inflamatório pode continuar internamente. A absorção dérmica, das substâncias tóxicas, parece não ser significativa.

COMINHO

Cuminum cyminum L.: Aperitivo, digestivo e carminativo, gastrite, digestão difícil, flatulência e inapetência. Toxicologia: A essência pode provocar convulsões.

CRISÂNTEMO

Chrysathemum morifolium: É utilizada contra febre alta, face vermelha, sudorese e cefaleia pulsátil. Alivia problemas no fígado, e é indicada para glaucoma, conjuntivite aguda e alérgica. Possui efeito bactericida e antiviral e apresenta bons resultados no tratamento da hipertensão.

DENTE-DE-LEÃO

Taraxacum officinalis Weber: Folhas: As folhas maduras e secas podem ser usadas para se fazer um chá contra a indigestão. Ajuda a combater problemas do fígado incluindo icterícia. O seu alto teor de vitamina e minerais é excelente contra anemia. A seiva reduz verrugas. Pode ser utilizado como um café alternativo que é menos danoso ao fígado e aos nervos, por causa dos seus óleos, que não possuem cafeína. Raízes: O chá das raízes pode ser utilizado como laxante mediano, estimulante do apetite, e para resolver problemas do estômago. Ativa o fígado na produção da bile e ajuda a eliminar toxinas do corpo e auxilia na digestão. Deve ser usado após ingerir carne ou comidas gordurosas. Por auxiliar o fígado a eliminar compostos inflamatórios como as histaminas, é utilizada para ajudar a reduzir reações alérgicas causadas por alimentos. Para fazer um chá amargo, use uma colher de sopa de raiz seca por xícara de água quente. Flores: As flores têm uma maior concentração de lecitina que os grãos de soja e reduz cegueira noturna se usado como vitamina A. As raízes são ricas em minerais e contêm Lecitina que emulsiona a gordura e abaixa o nível de colesterol e protege o sistema cardiovascular. O maior efeito das folhas e raízes é manter um fígado saudável e ajudar a desintoxicar qualquer toxina e substâncias estranhas no corpo. Também benéfico em ameaça de pressão sanguínea e ajuda na digestão.

ERVA BOTÃO

Eclipta alba L. Hassk: Adstringente, cicatrizante, antiofídica, antiasmática, depurativa do sangue, laxativa, pirogênica, eczemas, litíase, e icterícia. É usada para ferimentos cortantes.

ERVA-CIDREIRA-DE-ARBUSTO (Lippia alba (Mill) N. E. Brown)

Indicações: antiespasmódico, estomáquico, carminativo, calmante, digestivo e combate a insônia e asma.

Parte usada: folhas.

Preparo e dosagem:

– infusão – 1 colher de sopa de folhas frescas para cada ½ litro d’água, tomar 4 a 6 xíc. de chá ao dia.

Outros usos: planta melífera.

Toxicologia: popularmente não se recomenda o uso por hipotensos (pressão baixa).

ERVA-DE-SANTA-MARIA (Chenopodium ambrosioides L.)

Indicações: estomáquico, diurético, vermífugo, sudorífico, para angina e infecções pulmonares. Cicatrizante e para contusões (uso externo).

Parte usada: folhas e flores.

Preparo e dosagem:

– infusão – 1 xíc. de cafezinho de planta fresca com sementes em 1/2 litro d’água, tomar 1 xíc. de chá de 6 em 6 horas (vermífugo, estomáquico).

– sumo – 2 a 4 colheres de sopa do sumo das folhas para 1 xíc. de chá de leite, uma vez ao dia, as crianças maiores de 2 anos, devem tomar a metade da dose (peitoral).

– sumo – 1 copo da planta picada com sementes para 2 copos de leite, bater no liquidificador, tomar 1 copo de suco 1 vez ao dia por 3 dias seguidos (vermífugo).

– cataplasma – colocar 1 xíc. de cafezinho de vinagre, 1 colher de sopa de sal, amassar a planta na mistura até obter uma papa, colocar sobre o local afetado e enfaixar (contusões).

– geleia – pegar 4 bananas nanicas maduras com casca, picar 1 copo de folhas de erva-de-santa-maria com sementes, meio copo de hortelã, 1 copo e meio de açúcar. Triturar bem as plantas em um pilão, pode-se adicionar um pouco de água, em seguida juntar a banana e o açúcar, amassar bem. Levar ao fogo até dar o ponto de geleia, o que ocorre em poucos minutos. Dar 1 colher de chá duas vezes por dia, pura ou passar na bolacha, pão, etc. (vermífugo).

Outro usos: elimina e repele pulgas e percevejos – colocar os ramos debaixo dos colchões e varrer a casa utilizando-os como vassoura.

Toxicologia: deve ser administrada com cautela. É contra indicado para gestantes e para crianças menores de 2 anos de idade. Usar sob orientação de profissional da área.

FALSO BOLDO (Coleus barbatus)*

Indicações: tônico, digestivo, hipossecretor gástrico (para azia e dispepsia), carminativo, para afecções do fígado e para ressaca alcoólica.

Parte usada: folhas frescas.

Preparo e dosagem:

– sumo – amassar duas folhas em 1 copo e completar com água, tomar 2 a 3 vezes ao dia.

– tintura – 20 g de planta fresca em 100 ml de álcool, tomar 20 a 40 gotas no momento do incômodo, ou até 3 vezes ao dia.

Toxicologia: em doses elevadas pode causar irritação gástrica.

FOLHA-DA-FORTUNA (Bryophylum pinnatum Kurtz)

Indicações: emoliente (para furúnculos), cicatrizantes (queimaduras) e anti-inflamatório local (uso externo). Refrescante intestinal, para coqueluche e demais infecções das vias respiratórias, usada também para úlceras e gastrites (uso interno).

Parte usada: folhas.

Preparo e dosagem:

– cataplasma – aquecer a folha e colocar sobre o local afetado (furúnculos), em queimaduras ou outros ferimentos fazer uma pasta com a folha e colocar sobre a região machucada (cicatrizante).

– suco – bater no liquidificador 1 folha com 1 xíc. de água, tomar 2 vezes ao dia, entre as refeições (úlceras e gastrites).

FUNCHO (Foeniculum vulgare Mill).

Indicações: carminativo, galactagogo, digestivo, diurético, tônico geral e antiespasmódico (cólicas de crianças).

Tem sido utilizado como comida, tempero e na medicina. O uso de sementes do funcho serve para aliviar flatulência, cólica, estimula o apetite e a digestão. Funcho é também anti-inflamatório e diurético. É muito parecido com o anis (Pimpinella anisum), tem um poder calmante na bronquite e tosses. Em infusão as sementes podem ser tomadas como um gargarejo para dores de garganta e como um expectorante moderado. Funcho aumenta a produção de leite no peito e a erva é ainda utilizada para lavar os olhos contra dor e conjuntivite. O óleo essencial da variedade doce é utilizado por suas propriedades digestiva e relaxante. Digestivo, antiespasmódico, anti-inflamatório.

Parte usada: folhas, frutos e raízes.

Preparo e dosagem:

– infusão – 1 xíc. de cafezinho de frutos secos em ½ l d’água. Para gases (carminativo) tomar 1 xíc. de chá a cada 6 horas. Para estimular a secreção de leite materno (galactagogo) ingerir 1 xíc. de chá a cada 4 horas. Como digestivo começar a tomar 2 horas antes das refeições 1 xíc. de chá a cada meia hora.

– vinho medicinal – (tônico) macerar por dez dias, 30 g de sementes em 1 litro de vinho, coar, tomar 1 cálice antes de dormir.

– decocção – ferver por 5 min. 1 colher de sementes em 100 ml d’água, dar à criança no intervalo das mamadas (cólicas).

Outros usos: o óleo essencial é utilizado na fabricação de licores e perfumes. As sementes são utilizadas na confeitaria como aromatizante de pães, bolos e biscoitos.

Toxicologia: O uso de mais de 20 g/l dessa erva pode ser convulsivante.

* O falso-boldo só recebe este nome para diferenciar de outro boldo (Vernonia condensata), citado nesta apostila, também é conhecido por sete-dores ou simplesmente boldo.

** Só se deve recorrer exclusivamente ao tratamento com plantas, nas queimaduras de 1º grau ou outras de pequena extensão.

GENGIBRE (Zingiber officinalis)

Indicações: estimulante gastrintestinal, aperiente, combate os gases intestinais (carminativo), vômitos, rouquidão; tônico e expectorante. Externamente é revulsivo, utilizado em traumatismos e reumatismos.

Parte usada: rizoma (“raiz”).

Preparo e dosagem:

– pulverizar o rizoma e ingerir contra vômitos.

– decocção – preparar com 1 colher (chá) de raiz triturada em 1 xíc. de chá de água, tomar 4 xíc. de chá ao dia.

– cataplasmas – preparar com gengibre bem moído ou ralado e amassado num pano, e deixar no local (para reumatismos e traumatismos na coluna vertebral e articulações).

– rizoma fresco – mascar um pedaço (rouquidão).

– tintura – 100 g do rizoma moído em 0,5 l de álcool, fazer fricções para reumatismos.

– xarope – pode ser ralado e adicionado a xaropes, juntamente com outras plantas.

Toxicologia: o uso externo deve ser acompanhado, para evitar possíveis queimaduras.

GINSENG

Panax ginseng L.: Ginseng aumenta eficiência física e mental e resistência para combater as doenças. Pode ser utilizado tanto como um sedativo quanto um estimulante do sistema nervoso central segundo a condição da pessoa. Tônico, estimulante, revitalizador mental e físico.

GOIABEIRA-VERMELHA (Psidium guajava)

Indicações: antisséptico bucal e intestinal, inibe micro-organismos como Salmonella, Serrata e Staphylococcus. Para diarreias (principalmente de origem bacteriana) e inflamações da boca e garganta.

Parte usada: folhas novas, brotos ou “olhos” (até a 6ª folha tenra, a partir do ápice). Folhas velhas não têm atividade antisséptica.

Preparo e dosagem:

– infusão – são utilizados 4 brotos para uma xícara de água fervente, tomar 1 xíc. a cada 2 a 4 horas, ou de hora em hora nos casos mais severos (para diarreias). Este chá pode ser utilizado para preparar o soro caseiro, basta adicionar sal e açúcar nas quantidades recomendadas, que deve ser fornecido para crianças com diarreia (antidiarreico e reidratante). Em gargarejos e bochechos, a infusão atua nas inflamações da boca e garganta.

GUACO (Mikania glomerata Spreng.)

Indicações: tem efeito broncodilatador, comprovado. É um antisséptico das vias respiratórias, expectorante, antiasmático, febrífugo, sudorífico, antirreumático e cicatrizante.

Parte usada: folhas ou planta florida.

Preparo e dosagem:

– infusão – 2 xíc. de cafezinho de folhas frescas em ½ l d’água 1 xíc. de chá 4 vezes ao dia (reumatismo e problemas das vias respiratórias).

– xarope – fazer a decocção com 15-20 folhas de guaco em 100 ml de água, adicionar folhas de poejo ou assa-peixe e gengibre ralado (1 colher de chá), cobrir e deixar esfriar, juntar 150 a 200 g de açúcar ou rapadura e dissolver. Tomar 1 a 2 colheres de sopa 2 a 3 vezes ao dia, para crianças fornecer a metade da dose (crises de tosse).

Outros usos: é utilizada contra picada de cobras e insetos.

Toxicologia: pode causar vômitos e diarreia quando usado em excesso.

HORTELÃ-COMUM (Mentha X villosa)

Indicações: digestivo, estimulante e tônico geral, carminativo, antiespasmódico, estomáquico, expectorante, antisséptico, colerético e colagogo, vermífugo (giárdia/ameba e lombrigas).
Parte usada: folhas frescas ou secas.

Preparo e dosagem:

– bala – tomar 800 g de açúcar, ¼ litros de água filtrada e o sumo da hortelã. Coloque a água e o açúcar para ferver até atingir o ponto de bala. Adicione o sumo e a bala está pronta (vermífugo e expectorante).

– infusão – 5 ou 10 g de folhas picadas, secas ou frescas respectivamente, em 1 l d’água, tomar 1 xíc. de chá 3 vezes ao dia (uso interno, exceto como vermífugo).

– folhas frescas – ingerir 10 a 16 folhas por dia, em 3 doses junto às refeições, por 5 a 10 dias (vermífugo).

– pó – triturar folhas secas e peneirar, misturar uma colher de café do pó com mel, e tomar 3 vezes ao dia, por 7 dias. Para crianças utiliza-se a metade da dose (vermífugo).

– vermífugo com alho – amassar 3 a 4 folhas frescas com um dente de alho, colocar numa xícara, acrescentar água fervente, tampar e deixar esfriar, coar e servir a uma criança 1 vez por dia, 1/2 hora antes do café da manhã, durante 5 dias.

Toxicologia: pode causar insônia, se tomado antes de dormir, ou em uso prolongado.

LOSNA

Artemisia absinthium L.: Erva dos vermes tem um efeito tônico marcante para o estômago, a vesícula biliar e em ajustar problemas digestivos fracos. É utilizado para expelir lombrigas e outros vermes. Por melhorar as funções do sistema digestivo ajuda em muitas condições, incluindo a anemia. Também serve para relaxar os músculos e é ocasionalmente utilizado para tratar o reumatismo. As folhas são antissépticas que derivam dos alcaloides que a planta contém. Amargo, carminativo, relaxante dos músculos, antisséptico.

MACAÉ (Leonurus sibiricus)

Indicações: estomáquico, febrífugo, antirreumático, eupépico, contra vômitos e gastroenterite. As flores são usadas para bronquite e coqueluche.

Parte usada: folhas e flores.

Preparo e dosagem:

– infusão – 20 g de folhas ou flores secas em ½ litro d’água, tomar 3 vezes ao dia.

– uso externo – friccionar as folhas sobre as partes afetadas (antirreumático).

– xarope – colocar um punhado das folhas e flores picadas em 1 xíc. de cafezinho de água fervente, abafar, coar, adicionar 2 xíc. (café) de açúcar, homogeneizar. Para adultos fornecer uma colher (sopa), 3 vezes por dia, crianças devem tomar uma colher de chá 3 vezes ao dia.

– tintura – misturar duas xíc. (café) de álcool de cereais e 1 xíc. (café) de água com um punhado da erva picada, deixar em maceração por 7 dias, agitar sempre, coar, armazenar em vidro escuro. Tomar 1 colher (chá) diluída em água. Pode ser aplicada em articulações inflamadas.

Outros usos: insetífugo

MARACUJÁ (Passiflora edulis)

Indicações: é utilizada contra inquietações nervosa, irritação frequente e contra insônia.

Parte usada: folhas.

Preparo e dosagem:

– infusão – na dose de 4 a 6 xíc. de chá, toma-se 1 a 2 xícaras à noite.

MESTRATO (Ageratum conyzoides L.)

Indicações: antirreumática (uso externo), antidiarrético, febrífuga, anti-inflamatória, carminativa, emenagogo, tônica, útil contra resfriados e para cólicas menstruais.

Parte usada: toda a planta.

Preparo e dosagem:

– infusão – (cólicas menstruais) 1 xíc. de cafezinho da planta seca picada em 1/2 l de água, tomar 1 xíc. de chá de 4 em 4 horas.

– tintura – 1 xíc. de cafezinho da planta fresca para 5 xíc. de álcool, tomar 10 gotas em água 2 vezes ao dia (cólicas) ou aplicar em massagens locais (reumatismo/artrose).

– pó – colocar 1 colher das de café do pó em água ou suco de frutas para cada dose a ser tomada, tomar 3 a 4 vezes ao dia (artrose).

– decocção (uso externo) – cozinhar a planta inteira e despejar o chá morno numa vasilha, colocar os pés ou mãos dentro durante 20 minutos, 2 vezes ao dia. Ou usá-lo sob a forma de compressas, 2 vezes ao dia (reumatismo e artrose).

Outros usos: apresenta atividade contra insetos hemípteros (precocenos).

Toxicologia: sem efeitos tóxicos nos estudos realizados.

MIL-FOLHAS (Achilea millefolium L.)

Indicações: antiespasmódico, estomáquico e expectorante. Contra distúrbio digestivos (dispepsia) e úlceras internas, varizes, cólicas menstruais, amenorreia, celulite e hemorroidas. Cicatrizante, anti-inflamatório e antirreumático (uso externo).

Parte usada: folhas e inflorescências.

Preparo e dosagem

– infusão – 1 a 2 colheres de sopa da planta seca em 1 xíc. de água, tomar 1 a 2 xíc., de chá ao dia (uso interno).

– decocção – uso externo para lavar feridas, ulcerações e hemorroidas, sob a forma de compressas.

– sumo – preparado com a planta fresca previamente lavada, colocado sobre ferimentos e ulcerações.

Toxicologia: existem referências que tratam de sua possível ação tóxica nos animais domésticos.

PATA-DE-VACA (Bauhinia fortificata Link.)

Indicações: hipoglicemiante (antidiabético), purgativo e diurético. Para problemas do aparelho urinário.

Parte usada: folhas, flores e raízes e/ou cascas do tronco.

Preparo e dosagem:

– infusão – 2 xíc. de cafezinho da folha picada em 1/2 l de água ou 1 folha picada por xíc. de chá, tomar 4 a 6 xíc. de chá ao dia (diabetes*).

– infusão – flores (purgativo).

– pó -feito com cascas e folhas secas. Usar na forma de decocção, com uma colher se sopa em 150 ml de água (1 xíc.). Tomar 1/2 a 1 xíc. de chá ao dia.

Toxicologia: sem referências.

Não interromper a dieta específica para diabetes.

PERPÉTUA

Gomphrena globosa (L.): Expectorante, febrífuga, béquica, antiespasmódica, tranquilizante, oftálmica, diurética, adstringente, emenagoga, tônica, amarga, aromática e eupéptica. Usada para infecções do sistema respiratório, distúrbios gastrointestinais e hepáticos, otites e estados nervosos do coração.

POEJO (Mentha pulleglum)

Indicações: carminativo, digestivo, vermífugo, expectorante, antisséptico, antiespasmódico, emenagogo e para hidropisia.

Parte usada: toda a planta.

Preparo e dosagem:

– infusão – 20 g de planta fresca em 1 l de água, ou 4 a 5 g por xíc. de chá, ou, ainda, 1 a 2 g da planta seca por xíc. de chá, tomar 1 a 2 xíc. por dia. O infuso se tomado 10 min. antes das refeições, juntamente com o suco de ½ limão, estimula as funções gástricas.

Outros usos: serve para afugentas pulgas e mosquitos.

Toxicologia: a pulegona é citada por possuir efeito tóxico em altas doses. Devido à presença do borneol, não se recomenda o uso de planta por grávidas, especialmente nos 3 primeiros meses.

QUEBRA-PEDRA (Phyllanthus niruri L.)

Indicações: diurética, fortificante do estômago, aperiente, para cistite, anti-infeccioso das vias urinárias, para hipertensão arterial(diurético). A ação analgésica e relaxante muscular de seus alcaloides, ajuda na expulsão dos cálculos renais, por atuar no relaxamento dos ureteres.

Parte usada: toda a planta.

Preparo e dosagem:

– infusão – 1 xícara de cafezinho da planta fresca picada em 1/2 l d’água, tomar 1 xíc. de chá 6 vezes ao dia (uso geral).

– decocção – 2 plantas inteiras em 1/2 litro d’água, tomar várias vezes ao dia, suspender por duas semanas o uso, do decocto após 10 dias de uso contínuo (relaxamento dos ureteres).

Toxicologia: abortiva e purgativa em dosagens acima das normais.

SALSA

Petroselinum crispum: É conhecida como uma erva diurética, tônica digestiva e estimulante do fluxo menstrual e também muito utilizada na salada. Folhas de salsa, sementes e caldo da raiz combatem infecções das vias urinárias e ajuda a eliminar pedras do rim. Também estimula o apetite e o fluxo de sangue de órgãos digestivos, e também reduz febres. Salsa tem a habilidade incomum de mascarar odores fortes como o alho em particular. Raiz de salsa é mais comumente prescrita do que as sementes ou folhas em medicamentos herbários. É usada no tratamento para flatulência, cistites e problemas reumáticos. Também é usada como um promotor de menstruação, enquanto é útil em estimular um período atrasado e alivio da dor menstrual. Digestivo, diurético.

TANCHAGEM (Plantago sp.)

Indicações: expectorante, antidiarreico (folha), cicatrizante, adstringente, emoliente e depurativo. Usada no tratamento da inflamações bucofaringeanas, dérmicas, gastrintestinais e das vias urinárias. As sementes são laxativas.

Parte usada: toda a planta.

Preparo e dosagem:

– infusão – 1 xíc. de cafezinho de folhas frescas picadas em 1/2 l d’água, tomar 1 xíc. de chá a cada 6 horas para infecções bucofaringeanas e 1 xíc. a cada 8 horas para problemas gastrintestinais.

– gargarejo – acrescentar à infusão 1 colher de sopa de sal comum, gargarejar 3 vezes ao dia.

– infusão – utilizar 1 colher (sopa) de sementes em 1 copo de água fervente. Deixar uma noite em maceração. No dias seguinte, em jejum, tomar o copo (laxante suave).

– cataplasma – colocar as folhas frescas amassadas sobre feridas, para favorecer a cicatrização.

Toxicologia: sem referências bibliográficas.

URUCUM

Bixa orellana: Fonte de betacaroteno previne o aparecimento de lesões cutâneas causadas pelo Sol, também é utilizada para doenças do coração.

Compartilhar

Veja Também

Bibliografia Consultada

BALADRIN, M.F.;KLCKE, E.S.W.; BOLINFER, W.H. Natural plants chemicals: Sources of industrial and medicinal materiais. Science, …