Céu Nossa Senhora da Conceição, "Xamã Gideon dos Lakotas", Hino 48 – Filhos do Ser

Hino 48 – Filhos do Ser

                                                               Por Xamã Gideon dos Lakotas

 

Hinário Céu Nossa Senhora da Conceição

Hinário Céu Nossa Senhora da Conceição

Lembrem-se de nós raças do TER, lembrem-se de nós. Lembrem-se porque morremos e porque retornamos.

Nada buscamos deste mundo, nem canções, nem valores, nem aplausos. Nosso desejo e esperança eram a que vocês vivessem o SER, o “Simples Assim!”  

Por séculos a fio, em todas as culturas nós do SER fomos desrespeitados e oprimidos. Mas os filhos do SER jamais abrem mão do seu direito de amar. Por fim, fomos perseguidos, torturados e assassinados. Mas deixamos nossa mensagem. Que as almas já cansadas de sofrerem, ao sentirem o ar, a água, a terra e o sol, que escutem os sussurros do SER lhes dizendo: Nós recusamos a derrota e escolhemos morrer de pé a viver de joelhos. Foi assim que morremos, foi assim que morreram nove milhões dos meus irmãos.

Ainda ontem lá atrás, quando o bisão era vasto nas planícies como são as estrelas no céu e penas ornamentavam o couro de minha roupa, refletia muito sobre os enigmáticos acontecimentos onde aparentes vitórias eram postas nas mãos da raça do TER. Eu não entendia. Hoje, mais de 500 anos depois, na mesma reflexão, o tempo mostrou que até o massacre de minha tribo, a maldita inquisição e a terceira grande guerra a qual está preste a acontecer, estão interligadas. O Mestre Jesus tinha razão, eram apenas processos.

Agora é chegado o momento filhos do TER. O tempo de vocês está no fim. Em todas as nações se espalharam os ensinos do invicto Senhor Jesus e seus enviados, a qual deram suas vidas não por um povo, mas sim por todo o planeta e a promessa que nele encerra. Agora, aqui neste mundo ainda de provas chamado terra, neste final de época, as hordas do TER serão expulsas e a iluminação planetária virá…

Adiante dos despertados do final de peixes e com a aproximação do higienizador cósmico, este punhadinho de almas arrogantes que amedrontavam uma multidão de almas covardes, sentem um calafrio lhes subirem a espinha. E assim estas víboras se acotovelam e rangem seus dentes. O mais puro terror lhes oprime, pois sabem que enfrentarão um exército de despertados.

Sabem que no passado infringiram aos filhos do SER, o horror e o sofrimento pela fogueira, espadas, lanças e carabinas, mas fracassaram adiante da nossa firme decisão de jamais desistirmos de amar. Estão trêmulos, com seus corações e dedos gélidos, se lembram de como é o janeiro espiritual e sabem que foram reprovados. Suas palavras são vazias e suas obras levianas. É a justa paga chegando!

Com olhos estatelados os filhos do TER observam pelas nações da terra, seis milhões de invictos capitães violetas espalhando o chamado do Senhor Jesus..

Observem homens: As hostes do TER têm milhares de membros para cada um de nós, ótimos números para qualquer soldado do Mestre!
Libertaremos este mundo de todo misticismo, dogma e fé cega e todo o planeta será uma única nação.

“Agradeçam homens, ao Mestre Jesus e a todas as falanges da luz… Á vitória!”