Céu Nossa Senhora da Conceição, "Xamã Gideon dos Lakotas", Raposa – CAMUFLAGEM

Raposa - CAMUFLAGEM Raposa – CAMUFLAGEM 
Onde você se esconde? 
Sob as samambaias? 
Disfarçando-se na floresta 
Para que eu aprenda? 
Você está observando, 
Sem que eu perceba? 
Tentando ensinar-me 
A me tomar uma árvore?

A astuta Raposa possui muitos aliados na floresta, entre os quais as folhagens, que lhe proporcionam proteção e energia. À Raposa é capaz de desaparecer completamente em meio à luxuriante vegetação rasteira da floresta, sua maior aliada. Esta capacidade de confundir-se com o ambiente e tomar-se desta forma imperceptível aos demais é um dom precioso quando pretendemos observar as atividades alheias.

Outro talento natural da Raposa é sua capacidade de adaptação para o inverno, pela mudança de sua cor, como ocorre com o Camaleão. Quando chega o inverno e todas as folhas já caíram, a Raposa reveste-se de uma pelugem branca que a toma capaz de confundir-se com a neve, tomando-se invisível desta forma. A Raposa representa a adaptabilidade, a integração, a capacidade de observação, a astúcia e a rapidez de pensamento e de ação. Estes são traços de caráter que, no mundo físico, se traduzem na ágil e segura tomada de decisões.

À capacidade da Raposa de passar despercebida faz com que ela possa ser a guardiã da unidade familiar, pois percebe facilmente a aproximação do perigo e sabe precisamente o que fazer para se defender. Nanih Waiya, o Grande Espírito na língua dos índios Choctaw, homenageou a Raposa dando-lhe a missão de manter a família unida e protegida. Isto é possível em virtude do poder da Raposa de observar sem ser percebida e sem incomodar os outros. Como a Raposa esta sempre muito preocupada com a segurança dos membros da família, ela representa um excelente talismã para todos aqueles que são obrigados a empreender longas viagens.

Se a Raposa escolheu você para compartilhar sua energia, isto é sinal de que você pode se tomar invisível como o vento que, além disso, é capaz de transportar-se para qualquer lugar ou qualquer situação. Talvez seja prudente prestar mais atenção aos atos do que às palavras das pessoas neste momento. Use sua natureza astuta para não revelar aos outros suas intenções e observações, desenvolvendo assim a arte da camuflagem.

Existe um exercício que pode ajudá-lo a desenvolver sua habilidade em tomar-se invisível: tente visualizar seu corpo como parte integrante do ambiente à sua volta, com as mesmas cores dos objetos ao seu redor. Veja-se, então, em sua tela mental deslocando-se com segurança e elegância por este ambiente, sem ser percebido por nenhuma das pessoas nele presentes. Se você se exercitar bem, será capaz de sair de uma festa sem que ninguém perceba ou tomar-se tão invisível quanto uma peça de mobília, de forma a poder observar o desenrolar dos acontecimentos sem interferir na ação ou ser molestado por seus protagonistas.

Outra coisa importante que a Raposa pode lhe ensinar é como saber antecipadamente o que ocorrera em seguida. Depois de observar cuidadosamente uma situação, você será capaz de perceber um padrão de previsibilidade capaz de fornecer as indicações necessárias para sua tomada de decisão. À magia da Raposa ensina a arte da Unidade pela compreensão do processo de camuflagem. Isto é aplicável em todos os níveis, desde uma simples pedra até mesmo a Deus. Por meio da energia da Raposa, você será capaz de aprender todas as utilidades que a Unidade pode ter.

Assim como os palhaços que distraem os touros bravos num rodeio para proteger os vaqueiros caldos, a Raposa também é capaz de encontrar os mais inesperados e astuciosos recursos para proteger os seus. Ela pode até empregar táticas consideradas idiotas pêlos outros, mas elas sempre funcionarão e corresponderão às expectativas da esperta Raposa.